questões da sucessão

Candidatura Alckmin é gravidez de alto risco

Tucano tenta sobreviver ao fogo amigo para ter chance de enfrentar os inimigos na campanha presidencial

José Roberto de Toledo
25abr2018_13h32
Alckmin em visita a Caraguatatuba, no litoral paulista, em agosto de 2017
Alckmin em visita a Caraguatatuba, no litoral paulista, em agosto de 2017 FOTO: ABCDIGIPRESS_FOLHAPRESS

A candidatura presidencial de Geraldo Alckmin está se revelando uma gestação de alto risco – e não apenas pelo resultado dos exames pré-eleitorais apresentados por Ibope e Datafolha. Para dar à luz em 15 de agosto, a candidatura do tucano terá que superar conspirações do MDB, desconfianças do PSDB e a falta de estrutura de sua própria campanha. Nem comitê ele montou ainda. Se sobreviver aos próximos quatro meses, porém, tem chance de vir a ser uma das favoritas para a sucessão de Michel Temer.

O diagnóstico das pesquisas eleitorais é ruim para Alckmin. Apesar de ser um dos mais conhecidos entre os candidatos a presidente, o ex-governador paulista varia de 6% a 8% nos nove cenários estimulados pelo Datafolha. São taxas muito menores do que a intenção de voto espontânea em Lula e em Jair Bolsonaro. Ou seja, nem citando o nome do pré-candidato do PSDB ele consegue chegar perto da quantidade de eleitores que citam de memória e sem estímulo os dos rivais do PT e do nanico PSL.

Pode-se argumentar que o eleitor de Alckmin, a exemplo do seu candidato, demora para se decidir e que, portanto, o tucano só vai crescer na reta final da campanha. É possível, mas Alckmin está muito abaixo do patamar histórico dos candidatos do PSDB e dele próprio. Isso acontece por dois motivos: 1) Bolsonaro roubou seus eleitores mais conservadores; 2) Alckmin não converte os votos de nem um terço dos simpatizantes do PSDB.

Apenas 25% a 31% do eleitorado tucano é alckmista hoje, dependendo do cenário testado pelo Datafolha. Bolsonaro captura 20% a 23% do tucanato. O resto se divide entre Joaquim Barbosa (PSB), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Alvaro Dias (Podemos). Quanto mais candidatos, mais os tucanos se dispersam.

Daí Alckmin dizer que acredita em um “afunilamento” da corrida presidencial, que parte das duas dezenas de candidaturas atuais convergirá para um punhado de campanhas mais fortes. Ou seja, nanopresidenciáveis como Rodrigo Maia (DEM) e Henrique Meirelles (MDB) seriam, na verdade, candidatos a vice em sua chapa.

Isso pode acontecer? Sempre pode, mas vai demandar um enorme trabalho de convencimento do eleitor. A começar do eleitor paulista. A pesquisa presidencial Ibope feita apenas no estado de São Paulo e divulgada pela Band mostra Alckmin (15%) tecnicamente empatado, mas numericamente atrás de Bolsonaro (16%) no estado que o tucano governou por mais de doze anos. Isso sem Lula. Com o petista no páreo, Alckmin cai para terceiro, com 12%, em um dos cenários.

Quando se reelegeu governador de São Paulo, em outubro de 2014, Alckmin tinha um saldo positivo de avaliação (ótimo/bom/menos ruim/péssimo) de 31 pontos. Ao renunciar ao mandato, agora, para concorrer a presidente, esse saldo é menos da metade: 14 pontos. Entre uma pesquisa e outra aconteceu a Lava Jato, aprofundou-se a crise de abastecimento de água na capital paulista e as obras do metrô e congêneres atrasaram. Alckmin correu para inaugurar estações semiacabadas no último dia de mandato.

Para complicar, deixou aberta uma disputa entre seu vice empossado governador, Márcio França, do PSB, e o candidato ao governo paulista pelo PSDB, o ex-prefeito paulistano João Doria. Ambos trocam ofensas em público e golpes baixos atrás do palco. Alckmin tenta se equilibrar entre as duas candidaturas, mas corre risco de perder um dos dois aliados no meio da corrida.

A fragilidade eleitoral do ex-governador paulista é acompanhada da fragilidade estrutural de sua campanha. Alckmin não tem comitê. Trabalha desde o seu escritório político. Faz pouco mais de uma semana que passou a ter um coordenador de comunicação de campanha, Luiz Felipe d’Avila – um cientista político. Planeja apenas para maio as primeiras viagens para outros estados. Sua presença nas redes sociais ainda é raquítica.

Não bastassem os problemas internos, há muitos interessados em abortar a candidatura presidencial de Alckmin fora do PSDB, a começar pelo governo federal e o MDB paulista. Temer alimenta em público a ilusão de ser candidato à reeleição, na esperança de que isso impeça que lhe sirvam café frio no Palácio do Planalto. A candidatura de Alckmin ocupa o espaço que ele sonha ocupar.

Além disso, se os tucanos rifarem o ex-governador e trocarem-no por uma candidatura presidencial de Doria, o maior beneficiado em São Paulo seria o candidato a governador do MDB, Paulo Skaf, que aparece em segundo lugar, quase empatado com o ex-prefeito.

Abundam, portanto, os que trabalham contra a candidatura Alckmin. E eles vão fazer de tudo até 15 de agosto – data limite de registro das candidaturas – para tentar abortá-la. Esse será o período mais crítico para o ex-governador. Se sobreviver, ainda terá uma campanha dura pela frente, mas terá mais chances de ocupar o buraco no centro do espectro político. Alckmin terá que sobreviver aos amigos para poder enfrentar os inimigos.

 

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Maria vai com as outras #10: Fim da temporada – Divisão sexual do trabalho

No último episódio desta temporada, a jornalista e escritora Rosiska Darcy de Oliveira fala dos primórdios do movimento feminista no Brasil e no mundo, do exílio durante a ditadura e do seu livro "Reengenharia do Tempo", sobre a divisão sexual do trabalho.

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

O lado M da eleição

Mulheres negras no poder são o outro destaque das urnas

Foro de Teresina #22: O arrastão da direita, a derrota da mídia tradicional e o favoritismo de Bolsonaro

O podcast de política da piauí analisa a corrida presidencial após o primeiro turno

Cinema político – o risco da obsolescência

Crítico escreve carta aberta aos cineastas brasileiros: “Falhamos por omissão”

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

Bancada policial e militar mais do que dobra na Câmara

Deputados eleitos vinculados às Forças Armadas ou às polícias passam de 12 em 2014 para 28 nesta eleição

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

A festa que Bolsonaro cancelou

O PSL enviou 300 convites para celebrar a vitória já no primeiro turno, num hotel na Barra da Tijuca. No fim, sobrou para aliados justificar por que não ganhou

4

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

5

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

6

A acusadora

Como a advogada Janaina Paschoal, uma desconhecida professora da USP, se transformou em peça-chave do impeachment

7

Extremo centro x extrema direita

Do entendimento entre PT e PSDB depende a democracia no Brasil

8

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura

9

Arrastão da direita redefine o país

Foro de Teresina destrincha realidade política que emerge do primeiro turno

10

O guarda da esquina e sua hora

Reflexões em torno de um slogan de Jair Bolsonaro