anais da República

A caserna como última instância

Poder militar cresce, Temer ruma para a irrelevância, e Lula fica mais perto da cadeia

José Roberto de Toledo
04abr2018_21h33
General Villas Bôas, em audiência na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, em 2017
General Villas Bôas, em audiência na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, em 2017 FOTO: MARCELO CAMARGO/EBC/FOTOS PÚBLICAS

De 1994 a 2014, a última instância decisória no Brasil foi a urna, onde cabiam até 142 milhões de votos. Em 2016, o quórum foi reduzido a 513 eleitores, com a transferência da palavra final, na prática, para a Câmara dos Deputados. Mas não por muito tempo. Impedida Dilma Rousseff, logo o Supremo tratou de mandar para a cadeia o deputado comandante do impeachment. Os magistrados mostraram quem manda. A novidade da semana foi que o comandante do Exército tentou constranger esses onze votos. Parecia querer subjugá-los ao seu. Quase conseguiu.

Não de fato, mas, nas aparências. Ao dar o voto que faltava contra a concessão do habeas corpus ao ex-presidente Lula, Rosa Weber fez questão de dizer que leria o mesmo arrazoado que havia preparado para a sessão de duas semanas atrás. Quis dizer com isso que não havia sido influenciada por pressões externas, fossem as do comandante do Exército, fossem a dos manifestantes nas ruas. Por que se deu a esse trabalho?

Em 435 caracteres distribuídos por dois tuítes publicados em tempo de ganharem o Jornal Nacional de terça-feira, o general Villas Bôas advertiu que o Exército “julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade”. Ao ser feita às vésperas de o Supremo votar o habeas corpus que poderia manter Lula fora da cadeia, a declaração não deixava dúvida sobre a qual impunidade ele se referia.

A despeito do imediato apoio tuitado por cinco generais, o comandante do Exército esqueceu de combinar com o da Aeronáutica. Faltou-lhe apoio aéreo. Horas depois dos tuítes, o tenente-brigadeiro Rossato divulgou nota em nome da Força Aérea, que ele comanda: “é muito importante que todos nós, militares da ativa ou da reserva, integrantes das Forças Armadas, sigamos fielmente à Constituição, sem nos empolgarmos a ponto de colocar nossas convicções pessoais acima daquelas das instituições”.

O puxão de orelhas prosseguiu: “Tentar impor nossa vontade ou de outrem é o que menos precisamos neste momento. Seremos sempre um extremo recurso não apenas para a guarda da nossa soberania, como também para mantermos a paz entre irmãos que somos.”

Tudo isso aconteceu sem que os superiores de ambos dissessem palavra publicamente sobre a discordância. Ministro interino da Defesa, o general Joaquim Silva e Luna tentou minimizar a fala do colega e só. Já o presidente da República fez de conta que não era com ele. Ao não exercer o poder de comandante das Forças Armadas, Michel Temer desarmou-se para enfrentar crises militares presentes e futuras. Pecou por omissão.

Como diria o governador Geraldo Alckmin, Temer colhe o que plantou. Ao tirar as tropas da caserna para ajudá-lo a requentar o café que lhe servem no palácio, o presidente abriu uma porta que demonstrou não conseguir mais fechar. Os militares relutaram para comandar a intervenção federal no Rio de Janeiro. Mas acabaram cedendo em troca de algumas importantes concessões.

Uma das principais foi assumirem o Ministério da Defesa e seu orçamento. Ao nomear um general para um cargo civil, Temer inutilizou a função. O papel do ministro da Defesa é ser anteparo entre os militares e o presidente. Ouve as demandas, filtra, negocia, absorve os desgastes e preserva o chefe. Se ele é um general, o fusível vira ligação direta e aumenta o risco de curto-circuito. Como no caso dos tuítes de Villas Bôas.

Na falta de ponte formal com a caserna, Temer armou uma pinguela. Segundo a repórter Marina Dias, da Folha, o presidente escalou um assessor informal, Denis Rosenfield, para fazer essa interlocução. Se confirmado na Defesa, o filósofo gaúcho engrossará a tropa do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Sergio Etchegoyen, gaúcho como ele.

Ao fim do dia, Lula ficou mais perto da cadeia, Temer ruma à irrelevância e os militares estão mais longe do quartel. Como opção eleitoral, mas não apenas, o militarismo cresceu em força, influência e relevância. Desde a intervenção no Rio, as fardas vêm ocupando o vácuo deixado pelos civis – até por convite de alguns deles. Ironicamente, a crise de representatividade que emergiu em 2013 vai se encaminhando para um desfecho em que o voto de cada vez menos pessoas pesa cada vez mais.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

Deus e o diabo na volta das camisas amarelas

Manifestantes vão às ruas de 17 capitais na véspera do julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF

Mal-estar na caserna

Intervenção no Rio expõe divergências entre generais e empurra o Exército para o centro do processo eleitoral

A “precaríssima” situação de Lula e do Supremo

Como o tribunal deu salvo-conduto provisório ao ex-presidente para adiar a resolução de um impasse entre seus ministros

General Mourão anuncia frente de candidatos militares nas eleições

Ao passar para a reserva, comandante que defendeu golpe militar diz à piauí que vai articular candidaturas fardadas ao Congresso, assembleias e Executivo

Plata o plomo

Bolsonaro depende de fisiologismo ou de autogolpe para governar

Maria vai com as outras #9: Sexo como ganha-pão

A prostituta de luxo Livia Rodrigues, a dona de uma sex shop Marcia Soares e a atriz pornô Monique Lopes falam sobre os prazeres e agruras que envolvem suas profissões

E se Bolsonaro ganhar?

A violência como plataforma de governo

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Mais textos
1

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

2

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

3

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Não foi você

Uma interpretação do bolsonarismo

6

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

7

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

8

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras