anais da República

A caserna como última instância

Poder militar cresce, Temer ruma para a irrelevância, e Lula fica mais perto da cadeia

José Roberto de Toledo
04abr2018_21h33
General Villas Bôas, em audiência na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, em 2017
General Villas Bôas, em audiência na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, em 2017 FOTO: MARCELO CAMARGO/EBC/FOTOS PÚBLICAS

De 1994 a 2014, a última instância decisória no Brasil foi a urna, onde cabiam até 142 milhões de votos. Em 2016, o quórum foi reduzido a 513 eleitores, com a transferência da palavra final, na prática, para a Câmara dos Deputados. Mas não por muito tempo. Impedida Dilma Rousseff, logo o Supremo tratou de mandar para a cadeia o deputado comandante do impeachment. Os magistrados mostraram quem manda. A novidade da semana foi que o comandante do Exército tentou constranger esses onze votos. Parecia querer subjugá-los ao seu. Quase conseguiu.

Não de fato, mas, nas aparências. Ao dar o voto que faltava contra a concessão do habeas corpus ao ex-presidente Lula, Rosa Weber fez questão de dizer que leria o mesmo arrazoado que havia preparado para a sessão de duas semanas atrás. Quis dizer com isso que não havia sido influenciada por pressões externas, fossem as do comandante do Exército, fossem a dos manifestantes nas ruas. Por que se deu a esse trabalho?

Em 435 caracteres distribuídos por dois tuítes publicados em tempo de ganharem o Jornal Nacional de terça-feira, o general Villas Bôas advertiu que o Exército “julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade”. Ao ser feita às vésperas de o Supremo votar o habeas corpus que poderia manter Lula fora da cadeia, a declaração não deixava dúvida sobre a qual impunidade ele se referia.

A despeito do imediato apoio tuitado por cinco generais, o comandante do Exército esqueceu de combinar com o da Aeronáutica. Faltou-lhe apoio aéreo. Horas depois dos tuítes, o tenente-brigadeiro Rossato divulgou nota em nome da Força Aérea, que ele comanda: “é muito importante que todos nós, militares da ativa ou da reserva, integrantes das Forças Armadas, sigamos fielmente à Constituição, sem nos empolgarmos a ponto de colocar nossas convicções pessoais acima daquelas das instituições”.

O puxão de orelhas prosseguiu: “Tentar impor nossa vontade ou de outrem é o que menos precisamos neste momento. Seremos sempre um extremo recurso não apenas para a guarda da nossa soberania, como também para mantermos a paz entre irmãos que somos.”

Tudo isso aconteceu sem que os superiores de ambos dissessem palavra publicamente sobre a discordância. Ministro interino da Defesa, o general Joaquim Silva e Luna tentou minimizar a fala do colega e só. Já o presidente da República fez de conta que não era com ele. Ao não exercer o poder de comandante das Forças Armadas, Michel Temer desarmou-se para enfrentar crises militares presentes e futuras. Pecou por omissão.

Como diria o governador Geraldo Alckmin, Temer colhe o que plantou. Ao tirar as tropas da caserna para ajudá-lo a requentar o café que lhe servem no palácio, o presidente abriu uma porta que demonstrou não conseguir mais fechar. Os militares relutaram para comandar a intervenção federal no Rio de Janeiro. Mas acabaram cedendo em troca de algumas importantes concessões.

Uma das principais foi assumirem o Ministério da Defesa e seu orçamento. Ao nomear um general para um cargo civil, Temer inutilizou a função. O papel do ministro da Defesa é ser anteparo entre os militares e o presidente. Ouve as demandas, filtra, negocia, absorve os desgastes e preserva o chefe. Se ele é um general, o fusível vira ligação direta e aumenta o risco de curto-circuito. Como no caso dos tuítes de Villas Bôas.

Na falta de ponte formal com a caserna, Temer armou uma pinguela. Segundo a repórter Marina Dias, da Folha, o presidente escalou um assessor informal, Denis Rosenfield, para fazer essa interlocução. Se confirmado na Defesa, o filósofo gaúcho engrossará a tropa do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Sergio Etchegoyen, gaúcho como ele.

Ao fim do dia, Lula ficou mais perto da cadeia, Temer ruma à irrelevância e os militares estão mais longe do quartel. Como opção eleitoral, mas não apenas, o militarismo cresceu em força, influência e relevância. Desde a intervenção no Rio, as fardas vêm ocupando o vácuo deixado pelos civis – até por convite de alguns deles. Ironicamente, a crise de representatividade que emergiu em 2013 vai se encaminhando para um desfecho em que o voto de cada vez menos pessoas pesa cada vez mais.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

Deus e o diabo na volta das camisas amarelas

Manifestantes vão às ruas de 17 capitais na véspera do julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF

Mal-estar na caserna

Intervenção no Rio expõe divergências entre generais e empurra o Exército para o centro do processo eleitoral

A “precaríssima” situação de Lula e do Supremo

Como o tribunal deu salvo-conduto provisório ao ex-presidente para adiar a resolução de um impasse entre seus ministros

General Mourão anuncia frente de candidatos militares nas eleições

Ao passar para a reserva, comandante que defendeu golpe militar diz à piauí que vai articular candidaturas fardadas ao Congresso, assembleias e Executivo

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty