Festival Piauí GloboNews de jornalismo

Ciro Gomes: “O Brasil vai ter que escolher entre a minha elegância e a do João Doria”

Pré-candidato à presidência da República em 2018 pelo PDT, o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, foi entrevistado pela jornalista Daniela Pinheiro, da piauí, no evento “Conversa com a Fonte”, dentro do Festival Piauí GloboNews de Jornalismo.

09out2016_15h43
FOTO: TUCA VIEIRA
FOTO: TUCA VIEIRA

Pré-candidato à presidência da República em 2018 pelo PDT, o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, foi entrevistado pela jornalista Daniela Pinheiro, da piauí, no evento “Conversa com a Fonte”, dentro do Festival Piauí GloboNews de Jornalismo.

Ao comentar sua relação com a mídia, na primeira intervenção, Ciro se definiu como “um produto da imprensa”. “Nasci filho de dois funcionários públicos. Tudo que tenho é minha língua. E a imprensa reverbera isso.” Mais adiante, afirmou que “a grande mídia brasileira é nepotista. São cinco famílias que pensam a mesma coisa. E agora uma igreja” [referindo-se à Universal, que é dona da Rede Record]. Ele defendeu a necessidade de se estimular a mídia regional e se colocou contrário a qualquer tipo de regulação estatal do setor: “Sou a favor do controle remoto, da liberdade de mudar de canal”. Ciro também disse que, há muito tempo, não cultiva mais o hábito de ler jornal. “Costumo me informar pela internet. Leio o UOL e acompanho o que é postado no Facebook.”

Durante uma hora e meia, o pré-candidato disparou críticas para todos os lados da esfera política: “Michel Temer é um golpista salafrário”, “Fernando Henrique fez o governo mais ruinoso da história republicana brasileira. E a Dilma, nesse quesito, é candidata a vice”, “O Lula se descolou da realidade, começou a brincar de Deus e se queimou”, “Qual foi a reforma que o Lula propôs para todo o país fora a tomada de três pinos?”, “Freixo é um moralista pequenininho demais para governar o Rio de Janeiro”, “Eu morro dizendo que o José Serra não gosta de pobre. Ele é o fim da picada. E, para piorar, está senil”. Dos políticos com mandato, poupou Fernando Haddad, o prefeito petista de São Paulo: “É um puta de um cara. Não se produz um cara assim com facilidade. Mas ele não tem temperamento, não tem agressividade”.

Indagado se o seu temperamento explosivo pode atrapalhá-lo na corrida à Presidencia, Ciro respondeu: “Eu chamei o Eduardo Cunha de ladrão a quatro metros dele quando a população ainda não sabia quem ele era. É o tipo de confronto que eu faço. O Brasil vai ter que escolher entre a minha elegância e a do João Doria. Não vou vender minha alma para ser presidente do Brasil”.

Entrevistado pela repórter Julia Duailibi ontem, no mesmo “Conversa com a Fonte”, João Doria, prefeito eleito de São Paulo, afirmou: “Algum dia, quem sabe, todos os brasileiros poderão usar Polo Ralph Lauren”. Ciro se mostrou preocupado com a frase: “Isso é muito sério”, repetiu duas vezes.

Ele também criticou a recorrente negação da política: “Negar a política é sinônimo de fascismo. A população está sendo enganada pela ideia de que a política se faz por não políticos”. Disse, ainda, que a direita tem saído cada vez mais do armário. “Bolsonaro pegou 8% do eleitorado fascistoide que votava escondido no PSDB e agora vota nele.”.

Quando Daniela Pinheiro lhe perguntou o que faria a partir de amanhã se fosse eleito presidente do Brasil, Ciro brincou: “Ia na igreja rezar”. Em seguida, defendeu a conciliação dos interesses de múltiplos setores em torno de um projeto de desenvolvimento nacional. “Qual foi a nação que conseguiu protagonismo em tecnologia, por exemplo, sem convergência entre o Estado e o setor privado? Não conheço nenhuma.”

 

 

Leia Também

Últimas Mais Lidas

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

AO VIVO: assista à Maratona Piauí Serrapilheira

Evento reúne grandes cientistas para falar sobre o futuro próximo da ciência brasileira

Saiba como acompanhar a Maratona

Haverá cobertura e transmissão ao vivo pela internet

Começou a venda de ingressos

O encontro inédito entre cientistas e jornalistas acontecerá no dia 12 de maio, no Rio de Janeiro

A piauí conversa com estudantes

Caravana oferece palestras e oficinas em todo o país

Mais textos
1

Nota sobre o calabouço

Brás Cubas e os castigos aos escravos no Rio

2

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

3

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

4

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

5

Anatomia de uma delação

Como os donos da JBS e a Procuradoria-Geral da República acertaram um acordo de colaboração premiada – e por que ele desmoronou

6

De Sanctis, de proscrito a guru

Depois de sete anos na geladeira, o juiz Fausto De Sanctis está de volta à área criminal – e é procurado para conselhos por colegas como Bretas

7

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

8

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

10

O Brasil e a recessão democrática

Como o cenário político global ajuda a entender a nossa crise – e vice-versa