Cunha quer falar e Palocci não para

Ambos presos pela Lava Jato, o ex-presidente da Câmara cogita a delação premiada enquanto o ex-ministro petista, cujas revelações já somam quarenta anexos, tem dificuldade de provar o que diz à Justiça

POR Rafael Moro Martins
Na festa da nata da advocacia curitibana, as delações de Palocci e Cunha dominaram as conversas. "Ou ele delata agora ou nunca mais", disse um advogado que atua no caso do ex-presidente da Câmara
Revista Piauí Na festa da nata da advocacia curitibana, as delações de Palocci e Cunha dominaram as conversas. "Ou ele delata agora ou nunca mais", disse um advogado que atua no caso do ex-presidente da Câmara FOTOS: SUELLEN LIMA_FOLHAPRESS / PEDRO LADEIRA_FOLHAPRESS
Na festa da nata da advocacia curitibana, as delações de Palocci e Cunha dominaram as conversas. "Ou ele delata agora ou nunca mais", disse um advogado que atua no caso do ex-presidente da Câmara FOTOS: SUELLEN LIMA_FOLHAPRESS / PEDRO LADEIRA_FOLHAPRESS

Na noite de sexta-feira passada, dia 9 de junho, quando a chapa Dilma-Temer era absolvida pelo Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília, da acusação de crime de abuso de poder político e econômico, o Graciosa Country Club – exclusivíssimo clube frequentado pela elite curitibana – abrigava a festa de 100 anos do não menos seleto Instituto dos Advogados do Paraná, o IAP, cujo ingresso se dá apenas por indicação de outros três associados e que tem como beneméritos papas históricos do Direito como Raymundo Faoro e Miguel Reale, já falecidos. Entre os 200 integrantes, está o ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, relator do processo da Lava Jato, que era o convidado de honra da noite.

Fazia um frio de 7ºC em Curitiba, os convivas – que pagaram 500 reais pelo jantar – bebiam vinho português, espumante e uísque doze anos. A refeição, servida à inglesa, incluía peixe, filé-mignon, além de um bufê de antepastos. Um telão exibia os nomes dos 24 escritórios que pagaram coisa de 10 mil reais para patrocinar o evento – entre eles, o da família de Fachin, onde ele atuou por uma década – intercalados com o logo da estatal Itaipu Binacional, que custeou o livro comemorativo da instituição.

Fachin chegou mudo e saiu calado, mas as rodas de conversas da nata da advocacia curitibana – que maneja boa parte das delações premiadas da Lava Jato – estavam em polvorosa. Ainda que a vitória de Temer no TSE pudesse dar sobrevida ao governo, eram os potenciais novos rumos do processo que monopolizavam o assunto dos advogados. Sobretudo, dois casos: o do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, do PMDB, responsável por aceitar o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff; e o de Antonio Palocci, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, ambos presos em Curitiba.

Antes refratário à delação premiada, Cunha já está à procura de um advogado de confiança para dar início às denúncias. A movimentação em busca do profissional agitava a banca de jurisconsultos da cidade. Até então, ele nunca se mostrara disposto a entregar o que sabe, sobretudo depois que sua mulher, Cláudia Cruz, foi inocentada dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A razão da mudança de estratégia é que ele teria se visto pressionado pela notícia de que Lúcio Funaro, tido como um de seus operadores, negocia ele mesmo um acordo de colaboração com a Justiça. “Quer dizer o seguinte: ou ele delata agora, ou nunca mais”, confidenciou-me um advogado que atua indiretamente no processo.

Cunha teme virar um novo Renato Duque – ex-diretor de Serviços da Petrobras – que viu sua delação enfraquecer enquanto moeda de troca por causa da colaboração de Pedro Barusco, ex-gerente de Serviços da estatal. Barusco falou antes de Duque, entregou quase tudo o que o diretor poderia delatar, inclusive o próprio Duque, à época seu chefe. “Eu não vejo mais outra saída para o Eduardo. Ele vem conversando conosco sobre a possibilidade de fazer delação, não é mais resistente à ideia. O depoimento do Funaro vai definir o timing”, disse um advogado próximo ao ex-parlamentar. Daí, a necessidade de outro defensor.

Lúcio Funaro pode confirmar as acusações de Joesley Batista e de Ricardo Saud (diretor de Relações Institucionais do grupo dos irmãos Batista, o J&F) de que Cunha recebia uma mesada de 500 mil reais por semana com consentimento de Temer. Funaro – contaram Joesley e Saud aos investigadores – seria o organizador dos pagamentos.

Um grupo de advogados comentava que Cunha está sem um advogado especialista em delações desde a divulgação dos grampos entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer. Nelas, Joesley diz, em relação ao deputado preso: “Eu fiz o máximo que deu ali, zerei tudo. O que tinha de pendência daqui pra ali zerou.” Para os procuradores, o diálogo deixa claro que se trata de pagamento de propina para que Cunha se mantivesse calado na prisão. No mesmo dia em que a gravação vazou, o então advogado do deputado e um dos principais defensores dos réus da Lava Jato, Marlus Arns, dispensou o cliente.

Cunha impôs condições para escolher um novo representante legal, capaz de costurar um acordo com o Ministério Público em Curitiba: estar baseado em Brasília e concordar em definir os detalhes da delação somente após a saída de Rodrigo Janot da Procuradoria-Geral da República, em setembro. “Ele não confia no Janot”, disse-me um terceiro jurista que atua na Lava Jato.

 

A cargo do advogado Adriano Bretas, a delação de Palocci, segundo advogados, já soma quarenta anexos – cada um deles se refere a um tema ou a um figurão colocado na mesa pelo ex-ministro. Entretanto, a coisa avançava em ritmo lento: como está preso preventivamente desde setembro passado, o petista está com dificuldades em apresentar provas do que afirma aos procuradores. Por isso, eles dizem acreditar que os depoimentos não terminem antes de agosto. Palocci, ao contrário de Cunha, quer que o documento seja assinado por Janot.

Pouco depois da meia-noite, quando os termômetros marcavam 5ºC, Fachin ensaiava uma saída – tão discreta quanto a chegada. Por pouco, ele não cruzou com Reinaldo Costa da Rocha Loures, advogado especializado em Direito Civil, tio de Rodrigo da Rocha Loures, que aparece em vídeos carregando uma mala com 500 mil reais de uma pizzaria de São Paulo e está preso desde o começo do mês a mando de Fachin. Para a procuradoria, Loures é o principal elo que pode incriminar Temer.

Àquela altura, os convivas já dançavam ao som de New York, New York. Num canto do salão, um grupo comentava o resultado do julgamento do TSE. “O tribunal perdeu uma chance de exercer protagonismo na crise. Seria uma saída honrosa para Temer. Agora, ele passará a história como o primeiro presidente a sofrer denúncia criminal”, lamentou um experiente criminalista. Um colega dele, bem mais jovem, foi mais prático. “Quem sabe agora os mercados se acalmem.”

Perto dali, uma turma lembrava do poema evocado pelo presidente do IAP, Hélio Gomes Coelho Júnior, na abertura do evento. Comentavam ter ficado surpresos porque a fala havia sido pouco aplaudida. Escrito por Álvaro de Campos, em 1917, um trecho de Ultimatum diz: “Homens altos/Passai por baixo do meu desprezo/Passai, aristocratas de tanga de ouro/Passai, Frouxos/Passai, radicais do pouco/Quem acredita neles?/Mandem tudo isso para casa/Descascar batatas simbólicas.”

ASSINANTE PIAUÍ

Use o mesmo e-mail e senha cadastrados no site da Ed. Abril no ato da assinatura. Esqueceu a senha ou o e-mail ?