vultos da política

De trampolim, Facebook vira escorregador de Doria

Página do tucano perdeu 94% das interações; saída da prefeitura após 15 meses no cargo provoca avalanche de críticas na rede

Allan de Abreu e José Roberto de Toledo
14mar2018_14h41

Em outubro de 2016, Thalita Barbosa, de 25 anos, ajudou a eleger João Doria, do PSDB, prefeito de São Paulo. A vendedora de cosméticos diz que não ajudará o tucano a se eleger governador em outubro próximo, porém. O estopim para a sua decepção foi aceso pelo próprio Doria na segunda-feira, 12 de março, quando o prefeito, que não completou nem 15 meses no cargo, anunciou sua pré-candidatura ao governo paulista, quebrando a promessa de ficar os quatro anos de mandato na prefeitura.

“O prefeito desonrou a palavra dele”, resumiu Barbosa à piauí, na terça-feira. Na véspera, logo após Doria anunciar seus planos eleitorais em sua página oficial no Facebook, a vendedora tratou de registrar sua crítica publicamente naquela mídia social. “O senhor é um verdadeiro fanfarrão! […] Vai deixar São Paulo nas mãos do seu vice para assumir o governo do estado e depois fará o mesmo deixando o governo para assumir a Presidência?”, questionou.

A vendedora não estava sozinha. Em horas, uma pequena multidão inundou a página de Doria no Facebook com comentários ácidos sobre a atitude do prefeito. Até a tarde desta terça-feira, eram mais de 11 mil postagens, a imensa maioria criticando o tucano. “Mais um traindo o voto do povo de São Paulo. Quem usa prefeitura como trampolim não merece voto nem pra síndico de prédio. O meu não terá!!! Lamentável”, escreveu um internauta. A maior parte se diz traída por Doria. É mais um capítulo da crise digital vivida pelo prefeito – que, até poucos meses atrás, era citado por tucanos tão emplumados quanto Fernando Henrique Cardoso como exemplo de político que sabia usar bem as mídias sociais.

Não mais. A página de Doria no Facebook perdeu 94% das interações. No seu auge, ela registrou quase 8 milhões de comentários, likes e compartilhamentos por mês. Foi em janeiro de 2017. Um ano depois, em fevereiro de 2018, eram menos de meio milhão. Os números foram compilados pela piauí com a ajuda do CrowdTangle, uma ferramenta de monitoramento das mídias sociais distribuída pelo próprio Facebook.

A derrocada digital de Doria começou logo após seu ápice – e não parou mais. De 7,8 milhões em março de 2017, as interações dos usuários com a página dele no Facebook caíram para 5,1 milhões em abril, 2,2 milhões em junho e 1 milhão em outubro. Em fevereiro de 2018, bateram em seu ponto mais baixo: 458 mil. Foram bem menos interações do que as ocorridas no mesmo período nas páginas do senador Álvaro Dias, do Podemos, e do presidenciável João Amoêdo, do Partido Novo.

Coordenador de comunicação pessoal de Doria e responsável pelas mídias sociais do tucano, Daniel Braga atribui a perda de interações na página do prefeito à “queda de audiência” do Facebook como rede social.

O Facebook mudou seu algoritmo ao longo dos últimos meses e isso provocou mudanças no comportamento dos usuários. A perda de relevância, porém, parece ser um fenômeno particular do tucano. Enquanto a de Doria escorregava, as páginas oficiais de Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, e de Jair Bolsonaro, agora no PSL, oscilavam de um mês para o outro mas mantinham o mesmos patamares milionários de interações mensais com os usuários. No caso do militar reformado, entre 3 milhões e 5,6 milhões, como ele registrou em janeiro passado. E, no do ex-presidente, entre 900 mil e 3,6 milhões, também em janeiro de 2018.

Não são apenas comentários e likes. Ao contrário de outros políticos, Doria também começou a perder seguidores no Facebook. Foram 50 mil a menos desde outubro. O prefeito ainda tem 2,759 milhões de seguidores, mas eles se tornaram muito menos ativos do que costumavam ser. Essa perda de entusiasmo coincidiu com a piora significativa da popularidade do prefeito entre os paulistanos. Segundo o Datafolha, os moradores da capital paulista que acham sua gestão ótima ou boa caíram de 44% para 29%, entre fevereiro e novembro de 2017. Ao mesmo tempo, os que a consideram ruim ou péssima triplicavam para 39%.

Trabalhando com Doria desde a pré-campanha à prefeitura paulistana, Daniel Braga disse que já esperava a chuva de críticas no Facebook ao anúncio da pré-candidatura do chefe ao governo paulista. Para ele, o percentual de eleitores do tucano como Thalita Barbosa é “minoria ínfima, quase nada”, e que a maioria são “detratores tradicionais” ou robôs.

Entre eles, afirmou Braga, “há muita bolha vermelha” (referindo-se aos petistas). Mas o auxiliar de Doria atribui parte da culpa ao atual vice-governador de São Paulo, Márcio França, do PSB. “Ele replicou dezenas de postagens críticas ao João na página oficial dele no Twitter. Isso influenciou, com certeza”, disse o marqueteiro.

França, que tem apenas 7,2 mil seguidores no Twitter, rejeitou a hipótese em entrevista à piauí, feita pelo WhatsApp. “Kkkkk”, escreveu o rival do tucano na disputa pelo governo paulista. “Não tem nenhuma lógica que minhas redes sociais pequenas tivessem influência para gerar tanta reação. [As críticas ao tucano] ocorrem pela frustração da palavra descumprida”, disse o pré-candidato do PSB, que disputa com Doria o apoio explícito do governador Geraldo Alckmin na sucessão paulista.

Sobre a avalanche de críticas à pré-candidatura a governador do tucano, Braga afirmou que vai responder “as que merecem ser respondidas”. Foi o caso do internauta identificado como Mauro A. Oca: “Não podemos correr o risco de deixar anos de trabalho bem feito à frente do Governo de São Paulo ser entregue nas mãos de partidos que possam não ter o mesmo nível de comprometimento e responsabilidade”, escreveu o prefeito. “Assumimos esta convocação confiantes de que possamos dar continuidade neste legado, apoiando o Bruno Covas [vice-prefeito] que, temos certeza, representará muito bem nossa cidade.”

Em outubro, a vendedora Thalita Barbosa e os demais críticos de Doria responderão, na urna, se foram convencidos pela justificativa do prefeito para descumprir a palavra empenhada por escrito e de viva voz em repetidas entrevistas dadas por ele ao longo da campanha de 2016. Ele se comprometera a não abandonar a Prefeitura de São Paulo antes de completar o mandato – como seu correligionário José Serra havia feito na década anterior. Mas Serra se elegeu governador mesmo assim.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

PSB veta apoio a Alckmin

Resolução contra tucanos aprovada pelo partido aposta em Joaquim Barbosa, mas deixa brecha para Ciro Gomes

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

8

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

9

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

10

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?