anais da intervenção

Delegado da Polícia Federal quer mandados de busca coletivos em favelas cariocas

Para chefe antinarcóticos da PF no Rio, armas escondidas justificariam autorização judicial para busca indiscriminada em casas nos morros; defensoria diz que isso é “ilegal” e reforça “seletividade do sistema penal”

Allan de Abreu
16fev2018_22h04
Militares patrulham a Estrada da Gávea, na favela da Rocinha, em operação em setembro de 2017
Militares patrulham a Estrada da Gávea, na favela da Rocinha, em operação em setembro de 2017 FOTO: EDUARDO ANIZELLI_FOLHAPRESS

Odelegado federal Carlos Eduardo Antunes Thomé defende que o Judiciário conceda mandados de busca coletivos nas favelas cariocas durante a intervenção militar na segurança do Rio de Janeiro. Ele é chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal no estado.

“Será de extrema importância que haja apoio do Poder Judiciário na expedição de mandado de busca coletivo no interior das favelas, pois todos sabemos que armas, drogas e bandidos são escondidos nas casas de moradores de bem durante as operações policiais”, disse, em entrevista à piauí. “Não há como se chegar a índices de criminalidade toleráveis sem a implementação de ações enérgicas em locais conflagrados.”

O argumento é rebatido pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro. “Os mandados coletivos ou genéricos configuram instrumento inconstitucional, ilegal, ilegítimo e atentatório à inviolabilidade domiciliar. A legitimação da intervenção punitiva exige respeito à Constituição Federal e à legislação processual. Essas medidas autoritárias destinam-se sempre aos negros e pobres residentes em favelas, reforçando a seletividade do sistema penal”, disse Fábio Amado, coordenador do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria.

Nesta sexta-feira, 16 de fevereiro, o presidente Michel Temer decretou intervenção federal na segurança pública do estado do Rio. Com isso, a área passa ao controle do general do Exército Walter Souza Braga Neto, do Comando Militar do Leste. O secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá, pediu exoneração do cargo. A medida é válida até o fim deste ano e não se aplica a órgãos federais como a PF, apenas às polícias estaduais: polícias Civil, Militar e Rodoviária.

Para o delegado Thomé, o Judiciário “deixa muito a desejar” no combate à criminalidade no Rio. “Ações enérgicas certamente irão resultar em mortes de criminosos, por isso a necessidade de respaldo do Poder Judiciário e do MP [Ministério Público] para reconhecerem a legitimidade da ação. Não podem agir com receio de posteriormente serem responsabilizados indiscriminadamente.”

O chefe antinarcóticos da PF fluminense também defende mudanças no policiamento das comunidades onde há Unidades de Polícia Pacificadora, as UPPs, com a transferência dos policiais do interior das favelas para reforçar os batalhões do entorno, o que, segundo ele, vai reduzir os roubos na cidade. Ele prega ainda a criação de um “cinturão de segurança” nas comunidades em que as UPPs não têm tido bons resultados na redução de crimes, a fim de impedir a entrada e saída de armas e drogas.

Por fim, Thomé prega o investimento em ações de inteligência policial e medidas sócio-educativas. “É imprescindível que o poder público entre com outras frentes nessas localidades: saúde, educação, capacitação para o trabalho, incentivos às empresas para a criação de empregos, lazer, cultura.”

Um outro policial federal lotado no Rio ouvido pela piauí, sob anonimato, criticou a decisão do governo federal. “É um tiro no pé. O problema da segurança pública no Estado não se resolve com tanque na rua. É o Exército chegar [na comunidade] e os criminosos fogem e se escondem. [A medida do governo Temer] parece muito receita de bolo, e não é tão simples assim.”

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

Leia também

Relacionadas Últimas

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

Mal-estar na caserna

Intervenção no Rio expõe divergências entre generais e empurra o Exército para o centro do processo eleitoral

Sergei Loznitsa – decadência e degradação onipresentes

A Rússia filmada pelo cineasta ucraniano mostra ao resto do mundo qual caminho não seguir

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

No Brasil, passeata passa antes pela escola

Pesquisa da Pew Research mostra que 29% dos brasileiros mais escolarizados dizem participar de protestos, contra 8% dos que têm menos anos de estudo – a maior diferença entre 14 países

Ingressos à venda para o Festival Piauí GloboNews de Jornalismo

Estudantes e professores pagam meia-entrada, e assinantes da revista têm desconto

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Correndo riscos

Eficiente na campanha, o medo não serve a Bolsonaro para governar o país

Buscas por “Fascismo” batem recorde no Google

Curiosidade atingiu o auge no domingo da eleição, com dez vezes mais pesquisas do que a média; "Jair Bolsonaro" é um dos principais assuntos relacionados

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

3

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

6

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

7

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

8

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

9

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

10

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia