anais dos protestos

Deus e o diabo na volta das camisas amarelas

Manifestantes vão às ruas de 17 capitais na véspera do julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF

Camila Zarur e Yasmin Santos
04abr2018_00h43
Ato contra Lula na Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, na terça-feira, 3 de abril
Ato contra Lula na Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, na terça-feira, 3 de abril FOTO: CAMILA ZARUR

“Deus quer que Lula vá para a cadeia”, berrava ao microfone Alexandre Santos, o “Salsicha”, um dos líderes do Movimento Brasil Livre, num ato pela prisão do ex-presidente Lula, nesta terça-feira em São Paulo. Apontando para o céu, Santos comemorava uma trégua da chuva. “Se Deus não quisesse, ia estar um dilúvio aqui, mas isso [a prisão de Lula] é o que Ele quer”, prosseguiu, exaltado. No Rio de Janeiro, o temporal que caiu no meio do protesto na avenida Atlântica, em Copacabana, provocou a invocação da entidade oposta: “Sabe por que choveu? Lula tem um acordo com Satanás”, dizia um manifestante antipetista, encharcado, enquanto espremia o guarda-chuva na porta da estação Cantagalo do metrô, no fim do protesto.

Para além dos apelos para estimular manifestantes ou justificar a baixa adesão, a véspera do julgamento do habeas corpus preventivo do ex-presidente pelo Supremo Tribunal Federal marcou a volta das camisas amarelas da CBF em atos em Brasília e em pelo menos dezessete capitais. Foram cerca de 48 mil manifestantes nessas cidades, segundo estimativas dos organizadores locais. Nada comparável aos atos pelo impeachment de Dilma Rousseff, em 2015 e 2016 encabeçados pelo MBL, Vem Pra Rua e Endireita Brasil, todos também presentes nesta terça-feira , quando 1 milhão e 1,4 milhão de pessoas, respectivamente, se reuniram em atos somente em São Paulo, conforme estimou à época a Polícia Militar.

Presente no ato desta terça-feira na capital paulista, o pré-candidato apoiado pelo MBL, Flávio Rocha, disse, sem citar o nome de Lula, que “o líder da organização criminosa não pode voltar ao poder”. “A gente achava que bastava tirar o PT do governo, mas não bastou, a jararaca era maior do que imaginávamos”, disse. Kim Kataguiri discursou enquanto uma retrospectiva do processo do ex-presidente era projetada no prédio do Masp. Ao som de gritos como “Lula ladrão, seu lugar é na prisão”, um dos líderes do Vem Pra Rua berrava palavras de ordem contra o STF: “Se o STF não cumprir a Constituição, vai enfrentar o povo nas ruas.”

No Rio de Janeiro, cerca de 5 mil pessoas se reuniram na orla de Copacabana, segundo os organizadores. A manifestação, na altura do Posto 5, contava com dois carros de som: um do Vem Pra Rua, outro do MBL. Os movimentos afirmaram terem organizado o ato em conjunto, mas, na prática, havia uma separação clara entre manifestantes dos dois grupos. A maior concentração ficava em frente ao veículo do Vem Pra Rua, com os dois sentidos da avenida Atlântica ocupados. Já no lado do MBL, havia apenas algumas dezenas de pessoas.

Durante o protesto, a revolta se misturava a um clima de festa. Entre gritos de “cadeia sem Lula é fraude” e “Lula na Papuda, o Brasil não é igual a Cuba”, os organizadores tocavam músicas populares como Meu Erro, do Paralamas do Sucesso, e Tempo Perdido, da Legião Urbana. Manifestantes dançavam, bebiam e compravam camisas, bonés e outros acessórios verde e amarelos na feira da orla. “Já vendi três cangas do Brasil hoje”, disse a vendedora Dina Oliveira, de 49 anos.

Um telão foi colocado na calçada oposta à praia, mostrando uma retrospectiva do processo judicial contra Lula. Faixas também foram distribuídas pelos organizadores, com os dizeres “fim da impunidade”, “renovação política” e “todo apoio à Lava Jato”. A exemplo dos protestos de 2015 e 2016, a operação foi homenageada com uma grande bandeira verde e amarela, estendida pelos manifestantes, que também serviu de proteção para o tempo ruim.

Veterano de manifestações, o casal de aposentados Carlos e Rosa Costa, de 68 e 67 anos, explicam por que compareceram ao seu quinto protesto desde 2015. “É para demonstrar a insatisfação com o governo e a situação do país”, disse a professora aposentada da rede municipal, que chegou a viajar a Brasília para participar dos atos pelo impeachment de Dilma, antes de deixarem a orla da praia, por causa da chuva.

Camila Zarur (siga @camilazarur no Twitter)

Camila Zarur é estagiária da piauí

Yasmin Santos (siga @yasminsmp no Twitter)

Yasmin Santos é estagiária do site da piauí. Antes, trabalhou no Museu de Arte do Rio e no Museu Nacional.

Leia também

Relacionadas Últimas

A caserna como última instância

Poder militar cresce, Temer ruma para a irrelevância, e Lula fica mais perto da cadeia

Lula, Alckmin e dois canos fumegantes

Tucano atribui ao PT responsabilidade indireta pelos tiros que atingiram a caravana do ex-presidente e confere ao petista o papel de vítima

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty