anais dos protestos

Deus e o diabo na volta das camisas amarelas

Manifestantes vão às ruas de 17 capitais na véspera do julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF

Camila Zarur e Yasmin Santos
04abr2018_00h43
Ato contra Lula na Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, na terça-feira, 3 de abril
Ato contra Lula na Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, na terça-feira, 3 de abril FOTO: CAMILA ZARUR

“Deus quer que Lula vá para a cadeia”, berrava ao microfone Alexandre Santos, o “Salsicha”, um dos líderes do Movimento Brasil Livre, num ato pela prisão do ex-presidente Lula, nesta terça-feira em São Paulo. Apontando para o céu, Santos comemorava uma trégua da chuva. “Se Deus não quisesse, ia estar um dilúvio aqui, mas isso [a prisão de Lula] é o que Ele quer”, prosseguiu, exaltado. No Rio de Janeiro, o temporal que caiu no meio do protesto na avenida Atlântica, em Copacabana, provocou a invocação da entidade oposta: “Sabe por que choveu? Lula tem um acordo com Satanás”, dizia um manifestante antipetista, encharcado, enquanto espremia o guarda-chuva na porta da estação Cantagalo do metrô, no fim do protesto.

Para além dos apelos para estimular manifestantes ou justificar a baixa adesão, a véspera do julgamento do habeas corpus preventivo do ex-presidente pelo Supremo Tribunal Federal marcou a volta das camisas amarelas da CBF em atos em Brasília e em pelo menos dezessete capitais. Foram cerca de 48 mil manifestantes nessas cidades, segundo estimativas dos organizadores locais. Nada comparável aos atos pelo impeachment de Dilma Rousseff, em 2015 e 2016 encabeçados pelo MBL, Vem Pra Rua e Endireita Brasil, todos também presentes nesta terça-feira , quando 1 milhão e 1,4 milhão de pessoas, respectivamente, se reuniram em atos somente em São Paulo, conforme estimou à época a Polícia Militar.

Presente no ato desta terça-feira na capital paulista, o pré-candidato apoiado pelo MBL, Flávio Rocha, disse, sem citar o nome de Lula, que “o líder da organização criminosa não pode voltar ao poder”. “A gente achava que bastava tirar o PT do governo, mas não bastou, a jararaca era maior do que imaginávamos”, disse. Kim Kataguiri discursou enquanto uma retrospectiva do processo do ex-presidente era projetada no prédio do Masp. Ao som de gritos como “Lula ladrão, seu lugar é na prisão”, um dos líderes do Vem Pra Rua berrava palavras de ordem contra o STF: “Se o STF não cumprir a Constituição, vai enfrentar o povo nas ruas.”

No Rio de Janeiro, cerca de 5 mil pessoas se reuniram na orla de Copacabana, segundo os organizadores. A manifestação, na altura do Posto 5, contava com dois carros de som: um do Vem Pra Rua, outro do MBL. Os movimentos afirmaram terem organizado o ato em conjunto, mas, na prática, havia uma separação clara entre manifestantes dos dois grupos. A maior concentração ficava em frente ao veículo do Vem Pra Rua, com os dois sentidos da avenida Atlântica ocupados. Já no lado do MBL, havia apenas algumas dezenas de pessoas.

Durante o protesto, a revolta se misturava a um clima de festa. Entre gritos de “cadeia sem Lula é fraude” e “Lula na Papuda, o Brasil não é igual a Cuba”, os organizadores tocavam músicas populares como Meu Erro, do Paralamas do Sucesso, e Tempo Perdido, da Legião Urbana. Manifestantes dançavam, bebiam e compravam camisas, bonés e outros acessórios verde e amarelos na feira da orla. “Já vendi três cangas do Brasil hoje”, disse a vendedora Dina Oliveira, de 49 anos.

Um telão foi colocado na calçada oposta à praia, mostrando uma retrospectiva do processo judicial contra Lula. Faixas também foram distribuídas pelos organizadores, com os dizeres “fim da impunidade”, “renovação política” e “todo apoio à Lava Jato”. A exemplo dos protestos de 2015 e 2016, a operação foi homenageada com uma grande bandeira verde e amarela, estendida pelos manifestantes, que também serviu de proteção para o tempo ruim.

Veterano de manifestações, o casal de aposentados Carlos e Rosa Costa, de 68 e 67 anos, explicam por que compareceram ao seu quinto protesto desde 2015. “É para demonstrar a insatisfação com o governo e a situação do país”, disse a professora aposentada da rede municipal, que chegou a viajar a Brasília para participar dos atos pelo impeachment de Dilma, antes de deixarem a orla da praia, por causa da chuva.

Camila Zarur (siga @camilazarur no Twitter)

Camila Zarur é jornalista. Trabalhou na piauí e no jornal O Globo

Yasmin Santos (siga @yasminsmp no Twitter)

Yasmin Santos é estagiária de jornalismo da piauí. Antes, trabalhou no Museu de Arte do Rio e no Museu Nacional

Leia também

Relacionadas Últimas

A caserna como última instância

Poder militar cresce, Temer ruma para a irrelevância, e Lula fica mais perto da cadeia

Lula, Alckmin e dois canos fumegantes

Tucano atribui ao PT responsabilidade indireta pelos tiros que atingiram a caravana do ex-presidente e confere ao petista o papel de vítima

Foro de Teresina #48: O avanço da Previdência, os ataques de Carluxo e a redução da pena de Lula

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“PSL é a Geni do governo Bolsonaro”

Líder do partido no Senado diz que ministros são mal-educados com a base e que nunca falou com Santos Cruz

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

Operação cerca-índio

Grilagem, desmatamento e perseguição a líderes assombram territórios indígenas em Rondônia

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

Maria vai com as outras #7: Rugas de preocupação

Uma professora de inglês e uma física falam sobre como envelhecer afetou suas carreiras, suas vidas pessoais, a maneira como se apresentam e o que escolhem para vestir

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

3

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

4

O apocalipse dos insetos

O futuro sinistro de um mundo sem mosquitos nem abelhas

5

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

6

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

7

Sob Bolsonaro, militares perdem popularidade

Pesquisa inédita do Ibope revela queda de 13 pontos na preferência por governo militar entre brasileiros

8

Há vagas, só não são boas

De cada 200 empregos criados em 2018, 171 pagavam até dois salários mínimos

9

O chanceler do regresso

Os planos de Ernesto Araújo para salvar o Brasil e o Ocidente

10

Ordem no bandejão

Universitários se reúnem para celebrar o conservadorismo