anais da República

Do mandato ao mandado e além

Lula admite cumprir mandado de prisão, pega presidenciáveis não-petistas pela mão e sai de cena carregado pelos que o fizeram entrar nela

José Roberto de Toledo
07abr2018_17h40
Após pronunciamento, Lula é carregado pela multidão e acena antes de desaparecer dentro do prédio do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Após pronunciamento, Lula é carregado pela multidão e acena antes de desaparecer dentro do prédio do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC IMAGEM: REPRODUÇÃO TVT_YOUTUBE

Em frente ao sindicato onde diz ter nascido e com um microfone na mão, Lula da Silva discursou como quem fala pela última vez. Voltou ao 1968 de quando se sindicalizou, passeou pelo 1978 de quando liderou greves que o empurraram para a notoriedade, rememorou a fundação do PT, comemorou sua Presidência e terminou tentando apontar um futuro sem ele para a esquerda em 2018. Depois saiu de cena, coreografada, carregado pelos militantes em meio a uma multidão. Lula perdeu o processo mas ganhou a imagem.

Mestre da cerimônia de sua própria despedida, o ex-presidente pegou pela mão, no alto do carro de som e diante de milhares de pessoas, não um político com mandato, nem sequer um petista, mas o líder de um movimento militante. Apresentou e beijou Guilherme Boulos, líder sem-teto, e pré-candidato a presidente pelo PSOL. Tentou fazer igual com Manuela D’Ávila, pré-candidata pelo PC do B, mas ao fazê-lo, chamou-a de “garota bonita”. Ambos têm menos de 40 anos e ficaram em destaque ao lado de Lula no palanque.

Dos petistas cotados para disputarem a Presidência em seu lugar, um não estava lá, outro ficou no fundo da cena, e o terceiro tem barba e cabelo brancos. A troca de bastão não se completou no partido. Preferido pela máquina do PT, o ex-governador baiano Jaques Wagner não apareceu na cena de despedida de Lula. Mãos cruzadas à frente do corpo, Fernando Haddad parecia tão encabulado no palanque quanto em sua derrotada campanha à reeleição como prefeito de São Paulo. Celso Amorim é diplomata.

A ênfase do discurso de Lula – para além das velhas críticas ao Judiciário e à imprensa – foi sobre a militância. Mencionou um a um os diretores de sindicato que estavam sobre o carro de som. Disse que não voltou a disputar eleição de deputado após a Constituinte por querer mostrar ao PT que quem tem mandato não é mais importante do que quem não tem. Só faltou desenhar que o partido precisa voltar-se para a militância social-sindical de sua origem se quiser preservar algum futuro no cenário político.

Não chegou a ser uma autocrítica, mas poderia ter sido. As greves e ocupações que o Lula com microfone exaltou sábado pararam de acontecer com a frequência que ocorriam justamente após o Lula virar presidente. Ao mesmo tempo, a dedicação do PT voltou-se para a ocupação burocrática de Brasília – como é praxe acontecer com os movimentos políticos que chegam ao poder.

Ao dizer que cumpriria o mandado de prisão em vez do mandato presidencial, ao escolher dois jovens políticos não-petistas como símbolos de seu legado e ao dizer que virou uma ideia, Lula deixou a vida de candidato rumo à cadeia, mas ainda não parece disposto a entrar para a história. Ao abrir novas possibilidades em sua herança política, parece pretender comandar o processo de sua própria sucessão desde a cela em Curitiba. Não será fácil.

Ficará isolado, sem tevê nem comunicação permanente com o que acontece fora do prédio da Polícia Federal. Não se alimentará do contato com seus eleitores, não mais se informará no “chão de fábrica” para perceber para onde tende a opinião pública. Pode ser por alguns dias, por alguns meses ou por alguns anos.

FOTO: FRANCISCO PRONER RAMOS/FARPA FOTOCOLETIVO

Duas imagens sintetizam o sábado derradeiro do Lula candidato em São Bernardo do Campo. A primeira, messiânica, foi captada por um fotógrafo de 18 anos, nascido em Curitiba e radicado no Rio de Janeiro. Francisco Proner Ramos enquadrou Lula no meio de uma compacta massa humana sendo carregado nos ombros e com braços esticados em sua direção. Ramos fotografou o ex-presidente desde o alto do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Não se vê o prédio,  só Lula no centro, e centenas de pessoas apertadas ao seu redor.

A outra imagem não é uma foto, mas um frame do vídeo da tevê dos Trabalhadores, que transmitiu o evento ao vivo. É a última vez que Lula aparece em cena. O ex-presidente destaca-se da multidão à sua volta por estar nos ombros de um militante. No instante anterior a desaparecer dentro do prédio do sindicato, Lula se volta para trás e acena com a mão esquerda, justamente a mão que se tornou sua marca registrada por faltar-lhe o dedo mínimo, perdido no torno onde trabalhava como metalúrgico.

Em ambas, aparece como líder de massas, mas na segunda é claro o sentido da despedida. Qual se revelará mais premonitória?

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

Noite em claro no sindicato

Melancolia e euforia durante a vigília nos Metalúrgicos do ABC contra prisão de Lula

O dia em que a história não aconteceu

A sexta-feira se anunciava como o dia em que Lula seria preso, faria um discurso histórico ou fugiria: no fim, nem recorde de curiosidade bateu

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

7

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

8

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor

10

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos