questões cinematográficas

Era o Hotel Cambridge – um filme extraordinário

Fora do comum ou sem paralelo no cinema brasileiro atual, o filme de Eliane Caffé deve ser visto, debatido e reconhecido como um marco

Eduardo Escorel
30mar2017_15h54

Era o Hotel Cambridge é extraordinário em vários sentidos:
Fora do comum ou sem paralelo no cinema brasileiro atual, o filme é apresentado como resultado da criação coletiva da Frente de Luta por Moradia (FLM), do Grupo Refugiados e Imigrantes Sem Teto (GRIST) e da Escola da Cidade, e da direção de Eliane Caffé a partir do roteiro que ela escreveu com Luis Alberto de Abreu e Inês Figueiró;

Notável, Era o Hotel Cambridge trata de tema atual relevante e não reduz o drama dos refugiados sem moradia, brasileiros e estrangeiros, a uma trama romanceada;

Admirável, o filme cria uma narrativa em forma de mosaico, no qual as sequências são peças de forma irregular intercambiáveis dotadas de certa autonomia. Sem deixar de ter até mais de um clímax – a ocupação e a ação do Batalhão de Choque da Polícia Militar para cumprir a ordem judicial de reintegração de posse – não confere a nenhum deles função catártica convencional;

Esplêndido, consegue dar conta de múltiplos fios e formas narrativas, sendo algumas das mais marcantes os quadros vivos e os diálogos à distância, via internet, dois dos quais são dos seus melhores momentos – as conversas do congolês com seu irmão e a canção colombiana (será colombiana mesmo, ou mexicana? A conferir);

Magnífico, trabalha com imagens heterogêneas, de procedências variadas e através de cenas documentais de outros filmes torna visíveis as memórias de refugiados estrangeiros;

Imprevisto, surpreende e desconcerta, virtudes raras em meio à reiterada mesmice do cinema brasileiro predominante;

Inusual, não segue fórmulas narrativas consagradas. Nesse sentido, deve ter dificuldade de estabelecer um elo com espectadores habituados às receitas consagradas do entretenimento audiovisual;

Grandioso, orquestra com habilidade um grande grupo de personagens principais, secundários e figurantes, alguns com mais destaque, mas sem se concentrar com exclusividade em nenhum deles;

Em resumo, um filme a ser visto e debatido, sobre o qual vale a pena pensar, que deve vir a ser reconhecido como um marco do cinema brasileiro.

Como, porém, nem tudo são flores nesta vida, além do próprio título Era o Hotel Cambridge, que não me parece uma escolha feliz, há alguns aspectos menos notáveis no filme.

Em primeiro lugar, a visão idealizada da maioria dos personagens que formam um painel humano heterogêneo interessante, mas com poucas nuances. Além disso, a celebração assembleísta que predomina, mesmo em situações tensas ou de risco, confere a Era o Hotel Cambridge um tom festivo pouco verossímil. A tal ponto que na primeira vez que assisti ao filme, sábado à noite, entre aplausos esparsos, ouviu-se também um “Fora Temer!”. É verdade que no dia seguinte, quando assisti a Era o Hotel Cambridge pela segunda vez, em outro cinema, a plateia foi mais comedida e pareceu ter apreciado o filme por seus próprios méritos.

Em entrevista a Rodrigo Fonseca publicada na Revista de Cinema (disponível aqui), Eliane Caffé declarou com todas as letras que “o nosso filme é, assumidamente, um instrumento de luta para a FLM”. Estamos, portanto, diante da intenção deliberada de usar o cinema a serviço de uma causa. Sendo assim, Era o Hotel Cambridge teria função mobilizadora e persuassiva. Seria, nas palavras da própria diretora, um filme institucional de propaganda. Resta conferir se será bem sucedido nesse sentido. Ou se, pelo contrário, como acredito, seu verdadeiro valor independe dessa missão utilitária.

Mais interessante é outro trecho da mesma entrevista, no qual Caffé afirma que seu processo de criação é orientado hoje pela busca da “questão certa, a que melhor possa representar os conflitos humanos, perguntar pelo ser humano. Saber perguntar pelo ser humano, de maneira certa, é o que mais me preocupa hoje em dia. Sinto que, conforme eu vou envelhecendo, vou entendendo melhor o mundo e a brutalidade de suas relações”.

Há duas questões interdependentes implícitas nesse trecho da entrevista – a procura pelo tema certo (ou a “questão certa”) e pela forma correta (“a maneira certa” de perguntar ou contar). Em Era o Hotel Cambridge, Eliane Caffé conseguiu o que procurava nos dois casos, o que não é pouca coisa.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

Um ano, dois atos e a mesma dúvida

Manifestação em memória de Marielle Franco no aniversário de sua morte tem mais música e dança que há um ano, mas a mesma pergunta sem resposta: quem mandou matá-la?

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

Maria vai com as outras #4: Às vezes não gosto da minha cara

Uma modelo, uma estudante de medicina e uma tradutora falam sobre padrões de beleza, beleza como capital de trabalho e a obrigação social de ser bonita

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

O cabeleireiro do Cascão

Um trabalho digital de ponta

5

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

6

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

7

Minha dor não sai no jornal

Eu era fotógrafo de O Dia, em 2008, quando fui morar numa favela para fazer uma reportagem sobre as milícias. Fui descoberto, torturado e humilhado. Perdi minha mulher, meus filhos, os amigos, a casa, o Rio, o sol, a praia, o futebol, tudo

8

O silêncio do vereador

Uma semana com Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio

9

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista