questões político-sindicais

Governo Temer apela ao PT para impedir greve dos petroleiros

Pelo telefone, ministro Marun pediu a deputados petistas que intercedessem junto a sindicalistas, mas ouviu que não podiam fazer nada

Luiza Miguez e Mariana Haubert
29maio2018_22h18
ILUSTRAÇÃO DE PAULA CARDOSO A PARTIR DE FOTO DE FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, telefonou a deputados petistas pedindo ajuda para evitar a greve dos petroleiros, marcada para começar nesta quarta-feira. Os telefonemas ocorreram na segunda-feira, quando a greve dos caminhoneiros ainda paralisava grande parte do país.  Dois deputados confirmaram ter recebido as ligações. E disseram que suas respostas foram negativas para o ministro.

Paulo Pimenta, do PT gaúcho, disse ter recebido ligação de Marun, em seu celular, por volta das dez horas da manhã de segunda. Segundo ele, o ministro fez um relato alarmado ao líder da bancada do PT na Câmara. “Demonstrava preocupação com as greves dos caminhoneiros e também a dos petroleiros, e sobre um eventual cenário ainda mais delicado que uma crise de desabastecimento poderia acarretar”, afirmou Pimenta à piauí.

O deputado Carlos Zarattini, do PT de São Paulo, também foi procurado pelo ministro na segunda. Marun pedia que ele tentasse falar com os sindicatos. “Mas como é que a gente vai influenciar em pauta de sindicato? Eles têm diversas tendências políticas, não é assim”, afirmou.

A greve dos petroleiros foi anunciada para começar à meia-noite de quarta-feira, convocada pela Federação Única dos Petroleiros, a FUP, por 72 horas, e pela Federação Nacional do Petróleo, a FNP. “Eu expliquei para ele que a nossa postura é de não reconhecer o governo, estamos na trincheira do ‘Fora, Temer’”, disse Pimenta, sobre a conversa com Marun.  Ainda a respeito da pressão do governo, o parlamentar disse que o ministro “ligou para a pessoa errada”.

Longe dos microfones, parlamentares do PT veem com preocupação o novo movimento grevista. Para alguns deles, a paralisação pode acabar reforçando discursos direitistas, assim como aconteceu na dos caminhoneiros, em que parte dos manifestantes pediu, dentre outras demandas, uma intervenção militar no país.

Diante do fracasso das tentativas de Marun de usar os petistas para evitar a greve dos petroleiros, outros governistas partiram para outro tipo de tática. Em entrevista ao Poder360, o líder do MDB no Senado, Romero Jucá, acusou o PT de querer “aumentar a confusão e o desabastecimento provocados pela greve dos caminhoneiros”. Ao mesmo tempo, o governo conseguiu que o Tribunal Superior do Trabalho julgasse a greve ilegal. A ministra Maria de Assis Calsing concedeu liminar favorável ao governo e escreveu na decisão que a paralisação é “aparentemente” abusiva.

A notícia da pressão de Marun ao PT chegou também à Federação Única dos Petroleiros, a FUP, que congrega 14 sindicatos e que tem entre seus membros pessoas próximas ao partido. A Federação manteve a greve, a despeito da decisão do TST.

O discurso petista que antes era pela radicalização do movimento dos petroleiros passou a ser de moderação. “A greve dos petroleiros estava marcada com antecedência. Não tem como voltar atrás. Mas está restrita à área de produção. Não haverá corte de abastecimento”, disse o senador Lindbergh Farias ao Poder360.

Luiza Miguez (siga @luizammiguez no Twitter)

Luiza Miguez é repórter, checadora de apuração e produtora da rádio piauí

Mariana Haubert (siga @marihaubert no Twitter)

É jornalista.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

Novo cargo, novo trampolim para Doria no Facebook

Depois de quase dois anos de queda, interações no perfil do tucano mais que dobram após a posse; movimento é atípico em relação a outros governadores

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Mais textos
1

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

2

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

3

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

4

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

5

Genocídio

Em reportagem de 1969, o extermínio sem fim dos índios no Brasil

7

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século

8

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

10

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional