Aécio e Perrela grampeados: civilidade de tucano faz PF desconfiar de uso de linguagem cifrada

30maio2017_19h26

CLÁUDIO – Uma conversa telefônica interceptada do senador afastado Aécio Neves com o também senador Zezé Perrela acendeu a luz amarela na Polícia Federal. No diálogo, o tucano repreende Perrela por tratá-lo como mais um entre os políticos citados em delações da Lava Jato, jogando “todo mundo na lama”, indistintamente. Claramente irritado, Aécio quase não usa palavrões durante os cerca de 5 minutos de gravação.

“Estou perplexo!”, reagiu o perito Daniel Palhares, acostumado ao linguajar característico do tucano em conversas privadas, ao ouvir a conversa pela primeira vez. Depois de beber um copo d’água com açúcar e ser amparado por colegas, Palhares analisou o diálogo para o piauí Herald. Embora Aécio comece dizendo que “poucas vezes [viu] uma declaração tão escrota”, o senador dá prosseguimento à conversa sem recorrer a qualquer outra palavra de baixo calão. “Minha hipótese é a de que Aécio iniciou a conversa com um palavrão para nos despistar”, afirmou o técnico. “Em nenhuma outra ligação ele fala de modo tão polido, o que indica que não estava falando com naturalidade”.

Um dos trechos que intrigou os peritos, em que o senador afastado diz que a campanha de Perrela “foi financiada na Lua, pela semente lá sua, pela quentinha do Alvimar”, já está sendo decodificado pelo departamento de criptografia da PF. A passagem considerada mais impenetrável, contudo, é outra. Aquela em que o tucano diz: “Quem conhece o Aécio, quem conhece o Anastasia, sabe da correção deles”.