Em busca de receita, Temer privatiza Jaburu para encontros noturnos

22ago2017_19h24

MOTEL DISTRITÃO – Desde que torrou suas últimas reservas para garantir que a denúncia apresentada pela Procuradoria não fosse aprovada pela Câmara, o Governo tem procurado fontes extras de receita, desesperadamente. Consta que Temer incumbiu um subsecretário de Fazenda com a missão de firmar parcerias frutíferas com sites como Tudo Gostoso, Panelinha e UOL Receitas. Ana Maria Braga também foi convocada em caráter de emergência.

Os flamingos do Planalto foram vendidos a preço de ouro para Paulo Barros, carnavalesco da escola de samba Portela, que pretende usar as penas da ave exótica para adornar a fantasia da rainha de bateria. Para o samba-enredo “Ocaso do Alvorada”, Barros afirma que adoraria ter dona Norma Tedeschi, mãe de Marcela Temer, como destaque no carro “Família Vende Tudo”.

Ao ser comunicado por técnicos do planejamento que a privatização da Eletrobras não geraria caixa o suficiente para comprar os votos dos deputados para a segunda denúncia a ser apresentada por Janot, o presidente tomou uma medida drástica: decidiu transformar a residência oficial da vice-presidência, celebrizada por inúmeros encontros fortuitos noturnos com figuras como Gilmar Mendes, Joesley Batista e Raquel Dodge, num “hotel romântico”, segundo a própria presidência.

Reagindo imediatamente à notícia, o Procurador-Geral da República, a propósito da clientela senil que o Jaburu deve atrair, afirmou: “mesmo se não tiver bambu, vai ter flecha”.