Investigado por sonegação fiscal, Neymar fecha contrato bilionário com Gilmar Mendes

25ago2017_19h16

TORRE EIFFEL – As autoridades tributárias brasileiras e espanholas parecem determinadas a não deixar o principal jogador do futebol brasileiro em paz. Condenado por sonegação de imposto de renda, conluio e fraude por uma corte administrativa do Rio de Janeiro, Neymar está prestes a ser julgado por evasão de divisas e penteado ignominioso por um tribunal espanhol.

O atacante se diz alvo de uma “campanha internacional de lawfare” urdida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – que não perdoa as derrotas impostas ao Corinthians pelo Santos de Neymar – e por um grupo de magistrados espanhois inconformados com a ida do craque para o Paris Saint-Germain.

Procurando se defender da miríade de processos, o atacante fechou um contrato de R$ 1,2 bilhão com o Ministro do STF e presidente do TSE Gilmar Mendes. Numa transmissão descontraída feita no Instagram no jogador, pôde-se ouvir o jurista aconselhando o novo associado: “Zagueiro a gente paga, imposto a gente dribla”.

Na manhã desta sexta-feira, Gilmar Mendes declarou, desde o Palácio do Jaburu, sua residência oficial, que não se considera impedido para julgar processos em que Neymar Jr. esteja envolvido. “A regra do impedimento é clara, mas se eu for ter que me declarar impedido toda vez que chego numa questão antes dos meus colegas de equipe, não vai mais existir habeas corpus no brasil”, afirmou o magistrado. “E, essa história de termos o mar no nome é uma patuscada. Como diria o grande poeta Paulinho Moska na Boca de Cantor, “não sou eu quem me navega, quem me libera é o Mar”.

Desde o estabelecimento da parceria, Neymar tem dado diversas entrevistas para esclarecer porque, conforme as regras do futebol, Gilmar Mendes não esteve impedido em nenhuma de suas últimas deliberações. O jogador também passou a acrescentar a hashtag #VoxGilmarVoxDei em todas as suas postagens em redes sociais.