STF passa Lava Jato para juiz de Flamengo e Santa Fé

26abr2018_17h41
 “Sai que é sua, réu!”, tem gritado Galvão Bueno, toda vez que Gilmar Mendes expede um novo habeas corpus
“Sai que é sua, réu!”, tem gritado Galvão Bueno, toda vez que Gilmar Mendes expede um novo habeas corpus

SUPREMAZO “Bem, amigos da Rede Moro, apita o árbitro Daniel Fedorczuk para dar início a mais uma partida da Lava Jato. Haja delação!” A frase foi dita pelo narrador e jurista Galvão Bueno para marcar a nova fase da Lava Jato. Pelo novo entendimento do STF, os processos sobre o ex-presidente Lula saem do domínio de Sérgio Moro para ficar, a partir de hoje, sob o comando do juiz uruguaio Daniel Fedorczuk, que apitou o jogo polêmico entre Flamengo e Santa Fé pela Libertadores.

“O Fedorczuk, com esse nome, já nasceu predestinado”, comentou o ministro Gilmar Mendes, que fez questão de elogiar a firmeza jurídica do árbitro. “Ontem, ele teve coragem de apitar o fim do jogo enquanto o Flamengo estava na iminência de marcar um gol. São de homens assim, decididos, que o Judiciário precisa.” Gilmar lembrou um velho dizer jurídico, segundo o qual “a Justiça é cega e tem lesão no quinto metatarso”.

Em Brasília, a decisão foi comemorada pela cúpula do PT, do PSDB, do MDB, do PCB, do PP e principalmente por Rodrigo Maia, o “Botafogo”. “Se prejudicou o Flamengo, já tem o meu aval”, comentou o presidente da Câmara. A primeira audiência do novo juiz está marcada para a próxima quarta-feira, no auditório 7 da segunda sub-sessão do Supremo também conhecido, entre os fãs do mundo jurídico, pelo apelido carinhoso de Gilmarzão.