Gilmar exige que Azeredo reapareça para poder expedir um Habeas Corpus

23maio2018_14h20
Gilmar tem cultivado o Habeas Corpus de Aécio em horta hidropônica. “Vai estar tinindo no dia em que for colhido.”
Gilmar tem cultivado o Habeas Corpus de Aécio em horta hidropônica. “Vai estar tinindo no dia em que for colhido.”

RODA MORTA – “Mentiroso. Caluniador. Mentiroso e caluniador. Caluniador e mentiroso.” Foi com essas palavras que o ministro do STF Gilmar Mendes se referiu ao ex-governador tucano Eduardo Azeredo, considerado foragido depois de ter a prisão confirmada em segunda instância no caso do Mensalão mineiro. “Foi no mínimo falta de caráter da parte do Eduardo. Como fica minha reputação agora?”, perguntou o magistrado.

Gilmar se referia ao fato de ter passado a noite redigindo um habeas corpus para o ex-governador, que já seria expedido nesta semana. “Mas se ele não se entregar, de que vai valer tanto esforço da minha parte? Como posso soltar quem não está preso? O Einstein já dizia que um habeas corpus não pode habitar dois espaços ao mesmo tempo.”

Para além do esforço, Gilmar se disse “pessoalmente magoado” com Azeredo. “Eu já soltei Garotinho, Adriana Ancelmo, Jacob Barata, Paulo Preto. Até petista eu já soltei. Como não ia soltar um cara que foi governador pelo PSDB? É muita falta de consideração…”