questões político-eleitorais

Huck vai conversar com FHC sobre candidatura

Apresentador vai a São Paulo falar nesta quinta com o ex-presidente; FHC disse que candidatura seria “boa para o Brasil”

José Roberto de Toledo
07fev2018_20h04
FOTOS: EDUARDO KNAPP_FOLHAPRESS E ADRIANO VIZONI_FOLHAPRESS

Luciano Huck voltou. Chegou de Paris, viu o noticiário eleitoral e decidiu conversar com Fernando Henrique Cardoso. O apresentador mal chegou da França, aonde havia ido com Angélica para a festa de aniversário de Neymar, e nesta quinta-feira já embarca para São Paulo, para se encontrar com o ex-presidente. Enquanto ele estava na Europa, FHC deu uma entrevista na qual disse que uma candidatura de Huck à Presidência seria “boa para o Brasil”. O líder tucano justificou-se dizendo que Huck como candidato a presidente arejaria e colocaria “em perigo a política tradicional”.

Por “política tradicional” entenda-se Geraldo Alckmin, também do PSDB, e quase todos os demais candidatos a presidente já anunciados, com exceção de Jair Bolsonaro. FHC tem dito e repetido que o cenário político precisa de renovação. Na sexta-feira da semana passada, um vídeo com uma fala sua foi apresentado durante o lançamento do movimento RenovaBR, que apoia candidatos a deputado que nunca se elegeram antes. Outro orador no mesmo lançamento foi Huck, também gravado em vídeo.

Por pressão da família e dos empregadores, o apresentador da Rede Globo continua dizendo que não é candidato. O melhor verbo para definir a situação dele não é “ser”, mas “estar”. Tudo é transitório e sujeito a mudanças de temperatura e pressão. O artigo publicado por Huck na Folha no fim de 2017afirmando que não era candidato a presidente teve a função de aplacar as pressões que ameaçavam matar a candidatura antes da decolagem. Funcionou.

Huck ainda se comporta como candidato a candidato: prospecta os efeitos de eventual prisão de Lula sobre o eleitorado pobre do Nordeste (o mesmo no qual ele tem maior penetração), negocia com o PPS uma possível filiação, conversa com conselheiros políticos como FHC. Tudo isso enquanto ouve apelos de operadores do mercado financeiro, empresários e de movimentos que ele apoia. Agora! e RenovaBR adorariam ter um puxador de votos.



Do lado oposto estão mãe, padrasto, irmão e mulher. E o patrão. Ter literalmente um “candidato da Globo” disputando a eleição presidencial colocaria a emissora no centro da campanha mais acirrada desde o fim da ditadura. E não mais como estilingue, mas como vidraça. Um dos objetivos das conversas de Huck com conselheiros como FHC é avaliar o tamanho do risco de retaliação por parte da “política tradicional” contra a emissora.

Eleitoralmente, Huck está na turma do dígito solitário. Na pesquisa Datafolha de janeiro, ele apareceu em três cenários de primeiro turno. Marcou 5% e 6% nos dois cartões em que Lula estava entre os candidatos e foi a 8% quando o petista não aparecia na lista. Em dois dos três casos, empatou com Alckmin e com Ciro, mas ficou sempre atrás de Lula, Bolsonaro e Marina. Isso foi depois de o apresentador ter dito que não seria candidato.

A janela de oportunidade está fechando para Huck. Para ter chance de ser candidato, ele precisa estar filiado a um partido até 7 de abril. O DEM, com quem chegou a flertar, está tentando viabilizar a candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Deve lançá-lo durante a convenção do partido, em março. A conversa com a Rede, de Marina Silva, não prosperou. Sobrou o PPS, que também deve abrigar candidatos do Agora! à Câmara.

A volta do Huck candidato depende do que dizem seu conselheiro FHC, a família, o empregador e, principalmente, o eleitor. Sua candidatura só tem viabilidade se o nome de Lula não estiver na urna. Um novo revés judicial ou mesmo a prisão do ex-presidente antes de 7 de abril podem servir de trampolim para o salto acrobático do apresentador rumo à eleição. Será um salto no escuro. Se mortal ou não, ele só saberá seis meses depois.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

Incerteza é a única coisa certa na eleição

Entre eleitores “nem nem” e eventuais órfãos da candidatura Lula, quase dois terços ainda podem mudar seu voto

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana