A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Como funciona o modelo de negócios da Lupa?

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
15.out.2015 | 09h10 |

A Lupa é uma agência de notícias. Vende suas reportagens (checagens) para publicação em outros meios de comunicação. Repete o que fazem agências internacionais como Reuters, AFP, EFE ou Bloomberg, por exemplo.

Em três anos de trabalho, a agência publicou mais de mil postagens – entre checagens, reportagens e artigos. Neste período, foi analisado o grau de veracidade de mais de 1,4 mil frases. Até dezembro de 2018, a Lupa havia feito mais de 120 colunas semanais no jornal Folha de S.Paulo e comentado na rádio CBN – em entradas ao vivo – nada menos do que 500 afirmações feitas por políticos e outras personalidades. Além disso, de maio a dezembro de 2018, verificou mais de 150 postagens feitas no Facebook, em parceria estabelecida com a plataforma e seu Third Party Fact-checking Project.

Folha de S.Paulo, revista Época, Yahoo!, Terra e o portal Metrópoles, do Distrito Federal, são clientes fixos da Agência Lupa e têm direito a publicar ao menos uma coluna por semana. Para tanto, pagam uma taxa mensal, fixada em contrato.

Além deles, nos últimos três anos, a agência levou seu trabalho à rádio CBN e a uma série de outros jornais: Correio (BA), Gazeta do Povo (PR), O Liberal (SP), A Crítica (AM), Correio Braziliense (DF) e O Tempo (MG). Isso sem falar do site Catraca Livre e do canal de TV GloboNews, onde foram testados formatos diferentes de difusão de informação.

A venda de notícias para meios de comunicação ocorre de forma razoavelmente simples: por meio de uma mensalidade fixa. A Lupa faz uma reunião de pauta semanal, estabelece que assunto será checado para cada cliente, faz sua apuração e repassa o resultado a seus assinantes. Não há qualquer interferência editorial externa na elaboração das pautas da Lupa ou na execução das checagens propriamente ditas. E todos os clientes da agência concordam – contratualmente – com isso.

Entre 2015 e 2018, a Lupa contou com um apoio financeiro da Editora Alvinegra, empresa fundada pelo documentarista João Moreira Salles para publicar a revista piauí. Em contrapartida a esse repasse financeiro mensal, a agência se comprometeu a publicar todas suas checagens em seu próprio site (hospedado no portal da revista) e, assim, a irrigar o ambiente digital da publicação.

Em 2017, a Lupa fundou o LupaEducação, estabelecendo sua segunda linha de receita. Hoje em dia, o programa oferece uma linha de palestras e workshops sobre fact-checking a estudantes e profissionais de qualquer formação. Também faz treinamentos in-company.

Em seu primeiro ano, o LupaEducação fez nada menos do que 24 workshops – uma média de dois por mês – e capacitou mais de 3 mil pessoas em todo o país.  Teve como clientes a Veja.com, a NSC e a TV Globo. Entre as palestras e oficinas que ministrou, a maioria foi presencial, mas a Lupa também foi convidada pelo Knight Center/Universidade do Texas a fazer um MOOC, curso online que contou com o apoio do Google e da Associação Nacional de Jornalistas (ANJ) e que reuniu 2.860 alunos.

No segundo ano, foram 34 workshops. O destaque especial fica por conta da rodada nacional feita em parceria com a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e com o Facebook, que resultou no treinamento de 400 jornalistas para as eleições de 2018.

A terceira linha de receita da Lupa vem de projetos feitos com grandes plataformas. Em outubro de 2017, o Facebook, a rádio CBN e o Catraca Livre apoiaram a realização de dois workshops de checagem durante a quarta edição do Festival piauí GloboNews de Jornalismo. Juntos, ele aportaram aproximadamente R$ 35 mil para reunir em São Paulo 14 estudantes de jornalismo e 14 profissionais de comunicação vindos de diversas cidades do Brasil pelo período de dois dias.

Em dezembro de 2017, a Lupa recebeu um repasse de aproximadamente R$ 90 mil do Google para realizar parte das trilhas e os memes que estão disponíveis no site educativo www.fakeounews.org, uma parceria da agência com o Canal Futura em favor da educação digital.

Em 2 de abril de 2018, a Lupa anunciou o Projeto Lupe!, para construção de um chatbot e a gravação de uma série de boletins audiovisuais com checagens focadas no período eleitoral. O Lupe! teve um apoio financeiro do Facebook no valor de R$ 250 mil. Foram contratados para executar esse projeto o App Cívico (desenvolvimento do bot) e o Por quê? Economês em bom português (produção dos vídeos).

Em 10 de maio de 2018, a Lupa foi contratada e passou a integrar o time internacional do Third Party Fact-checking Project, do Facebook. Saiba mais sobre esse projeto aqui.

OUTROS NÚMEROS

Em seu primeiro ano de vida (2016), somando os contratos comerciais assinados com meios de comunicação do Brasil e os repasses feitos pela Editora Alvinegra, a Lupa dispôs de um orçamento anual de aproximadamente R$ 1 milhão. Em seu segundo ano de vida (2017), somando os contratos comerciais e as oficinas ministradas, o orçamento foi de aproximadamente R$ 1,4 milhão. Em seu terceiro ano de vida (2018), a Lupa movimentou cerca de R$ 1,8 milhão.

Todos esses valores foram gastos na contratação dos profissionais que atuam na empresa (em três anos a equipe cresceu de quatro para quinze funcionários), na manutenção do escritório da agência na Zona Sul do Rio de Janeiro, na compra de equipamentos e na produção do material jornalístico publicado no período (viagens, fotografias, banco de imagens etc.).

A Lupa informa que está registrada na Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro como uma empresa privada, no modelo de sociedade anônima (S.A). Tem um conselho administrativo composto por três membros e já está na segunda edição de seu conselho editorial.

Até dezembro de 2018, não havia no plano de negócios da Lupa nenhuma intenção de realizar campanhas de crowdfunding. A empresa também não havia recebido qualquer apoio financeiro de ONGs, institutos, fundos ou entidades de cooperação nacional ou internacional. Continuava sendo reconhecida como um dos membros verificados da International Fact-checking Network (IFCN).

(Atualização feita em 21 de dezembro de 2018)

Conheça os riscos de se fazer fact-checking.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo