A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

O Brasil na rota da tocha olímpica x o Brasil real

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
04.maio.2016 | 15h42 |

Desde a manhã de terça-feira (3), a tocha olímpica está em território brasileiro para visitar 327 cidades e anunciar a proximidade dos Jogos Olímpicos. Segundo o calendário do comitê organizador, daqui a três meses, em 4 de agosto, a chama chegará ao Rio de Janeiro para participar da cerimônia oficial de abertura dos Jogos, marcada para acontecer no dia seguinte. A ideia por trás dessa peregrinação é envolver “todo o país no clima” olímpico.

Interessada em checar o que a tocha – e o mundo, a partir dela – verá do Brasil nesse percurso de três meses, a Lupa se debruçou sobre o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM).

E a principal conclusão obtida ao comparar o IDHM das 5.565 cidades brasileiras analisadas na última edição do estudo, publicada em 2013, e o IDHM dos 327 municípios que serão visitados pela tocha é que a chama olímpica verá um país mais “humanamente desenvolvido” do que o real, em termos proporcionais.

O indicador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) leva em consideração a esperança de vida ao nascer, a escolaridade da população adulta, o fluxo escolar entre os jovens e a renda per capita de cada cidade para, em seguida, atribuir ao município uma nota de zero a 1 (sendo esta a mais alta), numa escala que pode ter até três casas decimais.

Veja AQUI o levantamento da Lupa na íntegra e abaixo as demais conclusões. (English version here):

1) Entre as 327 cidades que integram o percurso da tocha, 182 (55%) têm IDHM acima da média nacional, que é de 0,727. Nacionalmente, das 5.565 cidades analisadas no último estudo disponível, 1.135 (20%, proporção bem mais baixa) têm essa característica.

2) O Brasil tem 32 cidades com desenvolvimento humano “muito baixo”, ou seja, com IDHM entre 0 e 0,499. Elas representam 0,6% das 5.565 cidades analisadas pelo Pnud. Em sua trajetória pelo país, a tocha não verá nenhum dos municípios com IDHM “muito baixo”. Reveja aqui o levantamento na íntegra.

3) Um total de 1.367 cidades tem IDHM “baixo”, com índice entre 0,500 e 0,599. Isso representa 24,6% do total de municípios. Mas a representação desse grupo entre as cidades que receberão a tocha é bem inferior. Apenas 20 localidades com IDHM “baixo” verão a chama, 6,1% do total do percurso estabelecido.

4) O Brasil tem 2.333 municípios com IDHM “médio”, entre 0,600 e 0,699. Isso quer dizer que 40,1% de suas cidades se incluem neste grupo, fazendo dele o maior. No caminho da tocha, há 78 delas, num conjunto que representa apenas 23,8% da lista das cidades que serão visitadas.

5) Nacionalmente, 1.889 municípios (33,9%) têm IDHM “alto”, com indicador entre 0,700 e 0,799. Das 327 cidades no caminho da chama olímpica, a maioria (196, ou 59,9%) estão nesse grupo, que é o maior em percentual.

6) Por fim, o Brasil tem 44 cidades com IDHM “muito alto” (0,8% do total dos municípios). A chama passará por 33, ou seja, 3/4 delas. Numa proporção (10%) bastante superior à observada no país como um todo.

7) A cidade menos desenvolvida (IDHM mais baixo) a receber a tocha é Murici, em Alagoas. O município de 26 mil habitantes está em 5.416º lugar entre as 5.565 cidades do país. A expectativa de vida ao nascer por lá é de 66,1 anos, e 39,5% de sua população é analfabeta. Cerca de um quarto de seus habitantes vivem em situação de extrema pobreza.

8) São Caetano do Sul (SP) está no extremo oposto. Aparece em primeiro lugar no IDHM e também receberá a tocha. A cidade paulista tem cerca de 150 mil habitantes, seis vezes a mais que Murici, e a esperança de vida ao nascer  por lá é de 78,2 anos, 12 a mais do que na cidade alagoana. O percentual de analfabetos é de apenas 1,8%, e o percentual de pessoas em extrema pobreza, de 0,09%.

CRITÉRIO DE ESCOLHA

Lupa procurou o comitê organizador da Rio 2016 para entender o critério de escolha das 327 cidades. Por meio de sua assessoria de imprensa, a entidade informou que o principal objetivo do revezamento da tocha “é engajar a população com os Jogos e levar o espírito Olímpico a todos os cantos do país” e que “a escolha das cidades foi feita com o intuito de mostrar a diversidade do povo brasileiro e, é claro, a partir do interesse das cidades”.

Em seguida, a entidade acrescentou que “o comitê Rio 2016 traçou a rota, que partiu também de uma decisão logística. A partir daí, buscou-se a parceria com as cidades para que elas se engajassem no projeto, entrando com os serviços públicos, segurança, serviços médicos e controle de tráfego”.

Por fim, o comitê destacou que também é importante “ressaltar que essas cidades, principalmente as que recebem as celebrações de fim de dia, deveriam ter estrutura para receber o comboio, que tem por volta de 500 pessoas.”

* Nota: A partir da publicação desta checagem, a Lupa começa a fazer no Twitter o acompanhamento do caminho da tocha, informando IDHM de cada cidade visitada, a esperança de vida ao nascer nela, seu índice de analfabetismo e seu percentual de pessoas em extrema pobreza. Tudo com base no estudo do Pnud. Acompanhe nosso tuitaço em @LupaNews.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo