A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

O deputado Waldir Maranhão, presidente interino da Câmara, e Eduardo Cunha, titular afastado (Crédito Câmara dos Deputados)
O deputado Waldir Maranhão, presidente interino da Câmara, e Eduardo Cunha, titular afastado (Crédito Câmara dos Deputados)

Na linha sucessória de Cunha, só dois não têm ocorrências judiciais

por Juliana Dal Piva
05.maio.2016 | 13h19 |

A decisão liminar do ministro Teori Zavascki nesta quinta-feira (5), determinando o afastamento do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados e a suspensão provisória de seu mandato, fez com que a Casa passasse a ser dirigida de forma interina pelo 1º Vice-Presidente, o deputado Waldir Maranhão (PP-MA). A linha sucessória é estabelecida pelo regimento interno da Câmara.

Ciente de que 299 dos 513 deputados têm ocorrências na Justiça e/ou nos Tribunais de Contas do país, a Lupa foi checar junto ao projeto Excelências,  mantido pela Transparência Brasil, os registros judiciais dos parlamentares que poderiam substituir Cunha. Todos eles são integrantes da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados.

De acordo com o Excelências, Maranhão possui seis registros judiciais em tribunais do país até o dia 16 de março de 2016. Desses registros, três são inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF). Um é ligado à Operação Lava-Jato, da Polícia Federal, que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras. Nos outros dois inquéritos, o deputado é investigado por lavagem de dinheiro no esquema investigado pela Operação Miqueias, também da Polícia Federal, sobre desvio de recursos de fundos de pensão e lavagem de dinheiro.

Maranhão, que já atua como presidente interino da Câmara, ainda responde a uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Maranhão. Na Justiça Eleitoral, teve rejeitada prestação de contas referente às eleições de 2010 (quando concorreu para deputado federal) por recebimento de recurso de fonte não identificada. Por fim, ele ainda é alvo de representação movida pelo Ministério Público Eleitoral por captação ilícita de recursos.

Vale ressaltar que Maranhão, ao contrário de Cunha, não é réu no STF.

No resto da linha sucessória, apenas dois deputados não possuem ocorrências judiciais, segundo dados disponíveis no Excelências. O primeiro deles é o 2º Vice-Presidente, deputado Giacobo (PR-PR), que assumiria na falta de Cunha e de Maranhão, e o segundo é a deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP), que ocupa o cargo de 3ª Secretária e estaria em quinto lugar na linha de sucessão, depois de Cunha.

De acordo com o regimento, se nem o presidente da Câmara nem os dois vices puderem ocupar o cargo, o responsável por dirigir a Casa seria, então, o 1º Secretário. Atualmente, o posto é do deputado Beto Mansur (PRB-SP). Entre os 513 parlamentares eleitos em 2014, Mansur é o que tem o maior número de registros na Justiça e nos Tribunais de ContasAo todo, são 47 ocorrências.

Mansur possui quatro condenações na Justiça por condições de trabalho degradante, análogas à de escravo, a que os trabalhadores empregados em suas fazendas eram submetidos. A sentença da primeira instância foi confirmada pela segunda instância, mas Mansur recorre.

O deputado ainda foi condenado duas vezes a ressarcir os cofres públicos por dano ao erário e por dispensa irregular de licitação no município de Santos. A quarta condenação estabelece o pagamento de indenização por danos morais e materiais por omissão relativa à segurança do trabalho. Mansur recorre de tudo.

O parlamentar ainda é réu no STF em dois processos. Na AP-635, responde por “redução à condição análoga à de escravo”, e, na AP-580, é acusado de “crime de responsabilidade”. 

Depois de Mansur, ocupando o quarto lugar na linha sucessória de Cunha, está o 2º Secretário, Felipe Bornier (PROS-RJ). Ele é alvo de investigação do Ministério Público Eleitoral por uso indevido de meios de comunicação nas eleições de 2014.

A presidência da Câmara ainda poderia ser eventualmente ocupada pelo 4º Secretário, Alex Canziani (PTB-PR). O parlamentar é réu em ação civil pública por improbidade administrativa com dano ao erário, movida pelo Ministério Público do Paraná.  No mesmo processo, ele teve decretada a indisponibilidade de seus bens e a quebra de sigilo bancário. Ele recorre. 

Após os quatro secretários, a Mesa Diretora ainda disporia de mais quatro suplentes. Todos eles possuem ocorrências judiciais: Mandetta, (DEM-MS, tem três registros, um deles é inquérito no STF); Gilberto Nascimento (PSC-SP – tem sete inquéritos ou processos em andamento); Luiza Erundina (PSOL-SP – tem uma ocorrência), e Ricardo Izar (PP-SP – tem também uma ocorrência). 

A decisão do ministro Teori Zavascki sobre Cunha atende a um pedido feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em dezembro de 2015. Janot argumentou que o deputado usava o cargo para dificultar as ações da Operação Lava-Jato. Em março, o plenário do STF decidiu por unanimidade aceitar a denúncia da PGR contra Cunha por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Na tarde desta quinta-feira (5), o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgará a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 402, que questiona a constitucionalidade do exercício dos cargos que estão na linha de substituição da Presidência da República por pessoas que sejam réus perante o STF. A decisão poderá impactar mais uma vez na vida política do deputado Eduardo Cunha, seus sucessores e outros cargos do legislativo e executivo.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo