A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

No Rio, candidatos e vices discordam sobre impeachment e projetos para a cidade

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
09.set.2016 | 09h42 |

Os candidatos a prefeito do Rio de Janeiro estão mesmo em sintonia com aqueles que escolheram para ser seus companheiros de chapa? Os políticos que disputam a vice-prefeitura da capital fluminense têm posições realmente alinhadas com aqueles que estarão com eles na urna eletrônica?

Na última semana, a Lupa detectou divergências importantes entre candidatos de uma mesma chapa e preparou um especial para que você possa votar consciente disso. No Rio de Janeiro, quando o assunto é o impeachment da presidente Dilma Rousseff e os projetos de transporte público, a discordância chama a atenção.

PEDRO PAULO E CIDINHA CAMPOS

Na coligação que une o candidato do PMDB à Prefeitura do Rio, Pedro Paulo, e sua vice Cidinha Campos (PDT), uma divergência salta aos olhos: a opinião deles sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Em 15 de abril, dois dias antes da votação da admissibilidade do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, Cidinha escreveu em seu Facebook:

“Eu sou contra o impeachment! Não há crime nos atos praticados por Dilma. O que vejo é um golpe claro, tramado por partidos que até ‘ontem’ ajudavam a Dilma a governar”.

CONTRADITÓRIO

Pedro Paulo, que também é deputado federal, foi aliado da ex-presidente Dilma Rousseff até pouco antes da votação na Câmara. Em 2014, fez campanha junto com o prefeito Eduardo Paes pela reeleição dela. No entanto, quando foi chamado pelo então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, para declarar seu voto, afirmou o seguinte: 

“Senhoras e senhores de todo o Brasil, com a esperança de sair da crise, é preciso mudar.  Pelo Rio de Janeiro, pelo Brasil, eu voto sim”

Procurada na quinta-feira (8), Cidinha disse que mantém a posição contrária à cassação do mandato de Dilma. Sobre a diferença com seu parceiro, afirmou que “Pedro Paulo é o mais preparado para governar a cidade”. Confira a nota.


MOLON E ANDERSON

Na chapa que uniu a Rede Sustentabilidade e o Partido Verde , o candidato Alessandro Molon (Rede) aparece como um dos deputados federais que votou contra a aprovação do processo de impeachment de Dilma Rousseff.

Na época, Molon afirmou que a Câmara chancelaria um impeachment “sem crime de responsabilidade” e disse que os deputados estavam cedendo a “chantagens e pressões de seu presidente, o deputado Eduardo Cunha”.

CONTRADITÓRIO

Roberto Anderson, vice em sua chapa pelo PV, afirmou, em dezembro de 2015, que o “impeachment não é golpe” e que “Dilma é acusada de crimes reais, pedaladas entre eles”.  Anderson também destacou que “não foi Cunha quem propôs o atual processo de impeachment”, mas disse que o ex-presidente da Câmara deveria estar preso.

A Lupa entrou em contato com a campanha de Molon e com Roberto Anderson. Molon reafirmou sua posição. Roberto Anderson disse que mantém a posição e que o impeachment tem pouca relevância para a administração municipal.


CRIVELLA E MAC DOWELL

O senador Marcelo Crivella (PRB) disputa a prefeitura do Rio em uma chapa com o engenheiro e professor Fernando Mac Dowell (PR). Entre os dois, a diferença está na visão sobre os Bus Rapid Transit (BRT) implantados na cidade durante a gestão de Eduardo Paes.

Em seu programa de governo, Crivella diz que pretende:

“Concluir as obras do BRT Transbrasil e garantir sua operação até o final de 2017 e também elaborar um estudo para levar o BRT Transcarioca para o centro da Ilha do Governador”

CONTRADITÓRIO

Especializado em Engenharia de Transportes, Fernando Mac Dowell é um antigo crítico dos corredores construídos pela capital carioca. Em um hang-out feito com o prefeito Eduardo Paes em novembro de 2013, Mac Dowell disse que (aos 42min22s):

“Achar que o BRT vai resolver todos os problemas do Rio de Janeiro, eu discordo sob esse aspecto… Eu sou contra a forma e a maneira de estarem colocando o BRT”.

Na mesma entrevista, o engenheiro ainda disse ao prefeito Eduardo Paes o seguinte:

“O que eu julgo, prefeito, é que o BRT carece de uma visão sistêmica”.

Procurada, a campanha informou na quinta-feira (8) que Fernando Mac Dowell mantém sua posição. O candidato informou que os BRTs não tiveram projeto adequado e que os corredores “tem que levar em conta todo o sistema em torno dele”. Confira nota.

*Esta reportagem foi publicada na edição de 9 de setembro de 2016 do jornal Folha de S.Paulo.

** A equipe da Lupa continua de olho em eventuais divergências e poderá atualizar os textos a qualquer momento.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo