A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Vídeo não mostra professoras obrigando menino a usar batom

por Tiago Aguiar
01.nov.2017 | 15h31 |

Circula nas redes sociais um vídeo que mostra uma criança sendo supostamente forçada por uma professora a usar batom. Levantamento produzido pelo Monitor do Debate Político no Meio Digital, projeto de análise de redes mantido pela Universidade de São Paulo (USP), mostra que, só no Facebook, a gravação já tem mais de dois milhões de visualizações e 80 mil compartilhamentos.

O site Jornal da Cidade Online difundiu o vídeo e, sozinho, já computou mais de 25 mil compartilhamentos dele. Em sua postagem, a página relaciona a gravação a um  abaixo-assinado contra a participação da filósofa Judith Butler em um seminário que o SESC Pompeia pretende realizar em São Paulo na próxima terça-feira (7). Para o site, Judith é a “idealizadora e uma das principais promotoras da ideologia de gênero” e o vídeo seria um exemplo do que pode acontecer nas escolas do país.

A gravação, no entanto, não tem qualquer associação com esse assunto, com a filósofa nem com batom.Recortes-Posts_FALSO

De acordo com o Ministério Público do Distrito Federal, as imagens foram feitas em junho de 2015 e fazem parte de uma denúncia por maus tratos de crianças apresentada contra o Colégio Ipê Centro Educacional, em Águas Claras, no Distrito Federal.

Segundo o MP, a gravação não mostra professoras obrigando um menino a usar batom nem tem qualquer conexão com o debate sobre ideologia de gênero. 

Nas imagens, feitas por outra funcionária da escola, as professoras obrigam uma criança a ingerir uma cápsula de Ômega 3. Essa informação consta na sentença que levou à condenação da escola. No documento oficial da 3ª Vara Cível de Taguatinga, a juíza descreveu a cena com clareza: “Em 19/06/2015, as educadoras teriam lhe obrigado, de forma vexatória, a ingerir uma cápsula de Ômega 3”. Novamente, nada de batom, filosofia ou ideologia de gênero. Esse vídeo, inclusive, é apenas um de uma série em que foram flagrados outros casos de maus tratos.

Batom Aluno

Apesar disso, em discurso feito no último dia 24, o deputado Lincoln Portela (PRB-MG) proliferou a informação equivocada. Na tribuna, disse o seguinte: “Hoje, por exemplo, eu vi. Ainda não me preocupei em saber de qual foi o país [porque] eu precisava fazer este pronunciamento aqui. Mas duas professoras obrigando uma criança de seis anos a passar batom”.

Procurado para comentar o vídeo e as informações do MP sobre sua verdadeira história, o deputado não retornou.

Em setembro, o Jornal da Cidade Online foi flagrado postando fotos de uma edição antiga do Rock in Rio como se tratasse de uma informação sobre a edição de 2017. O material também foi checado pela Lupa.

Leia outras checagens de ‘Cidades’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo