A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

Ministro da Educação ganha prêmio com base em dados exagerados

por Hellen Guimarães
04.dez.2017 | 06h00 |

Na sexta-feira (24), o ministro da Educação, Mendonça Filho, recebeu o Prêmio Fernando de Azevedo/Educador do Ano 2016. A homenagem é concedida pela Academia Brasileira de Educação (ABE) e tem em seu histórico de homenageados o ex-secretário de Educação de São Paulo Gabriel Chalita, o ex-secretário de Segurança do Rio de Janeiro José Mariano Beltrame e os ex-ministros da Educação Fernando Haddad e José Henrique Paim.

A escolha da ABE repercutiu nas redes sociais: uns elogiaram a gestão de Mendonça Filho, destacando projetos como a Reforma do Ensino Médio. Outros criticaram os cortes em investimentos na área, reconhecidos pelo próprio editorial bimestral da instituição. Em entrevista concedida à Agência Brasil, o presidente da ABE informou que a escolha de Mendonça Filho havia sido unânime e destacou realizações do ministro em Pernambuco, estado onde foi vice-governador e governador. A Lupa checou algumas frases dessa entrevista.

Seu belo trabalho [de Mendonça Filho] em Pernambuco fez com que o estado hoje seja um dos mais avançados do país em qualidade educacional
Carlos Alberto Serpa, presidente da ABE, em entrevista à Agência BrasilRECORTES-POSTS-EXAGERADOMendonça Filho foi vice-governador de Pernambuco entre 1999 e 2006, na chapa de Jarbas Vasconcelos, que comandou o estado. Enquanto ele esteve no cargo, não houve mudança significativa na classificação de Pernambuco no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Depois que Mendonça Filho deixou o governo, no entanto, Pernambuco apresentou gradativa melhora dos seus índices educacionais.

Segundo o Ideb 2005, o primeiro da série histórica e relativo ao período em que o ministro era vice-governador de Pernambuco, a rede estadual pública daquele estado era a 19ª melhor do país nas séries iniciais do ensino fundamental (1º a 5º anos), num empate com o Amapá, e a 18ª no ranking do ensino médio. O pior resultado era o do fim do ensino fundamental (6º a 9º anos), em que o estado ocupava a última posição.

No Ideb 2007, o primeiro após a saída de Mendonça Filho do governo pernambucano, o cenário pouco mudou. A rede de educação manteve a última posição nos anos finais do ensino fundamental e subiu duas posições nos anos iniciais, indo para o 16º lugar. O Ensino Médio, por sua vez, piorou: caiu três posições e passou a ocupar o 21º lugar.

Os Ideb 2009, 2011 e 2013 registraram resultados positivos para Pernambuco. Eles refletiram resultados obtidos durantes os governos de Eduardo Campos (2007-2014) e Paulo Câmara (2015 – hoje), ambos do PSB.

Os dados mais atuais, referentes a 2015, mostram grande melhora na classificação da rede estadual pernambucana. Embora o estado tenha caído para 18º lugar no ranking dos anos iniciais do ensino fundamental, ocupa hoje a 10ª colocação nas séries finais e divide a liderança com São Paulo no ranking do ensino médio.

O Ideb é publicado de dois em dois anos desde 2007 e avalia sempre o biênio anterior a seu lançamento. Em 2017, por exemplo, foi divulgado o Ideb 2015. A íntegra dos dados está disponível no portal do Inep e podem ser conferidos aqui.

Procurada para comentar a checagem, a ABE não retornou.

O Ministério da Educação, por sua vez, emitiu uma nota destacando que “o que o ministro tem afirmado, inclusive no discurso feito na entrega do prêmio Educador do Ano pela Academia Brasileira de Educação, é que o sucesso da política de escolas em tempo integral no Estado, que levou Pernambucano a alcançar a primeira posição no Ideb em 2016, deve-se a continuidade ao longo das gestões de cinco governadores que se sucederam desde 2004: Jarbas Vasconcelos, Mendonça Filho, Eduardo Campos, João Lyra e Paulo Câmara”.


“Essa qualidade da educação brasileira ele [Mendonça Filho] já tinha conseguido em seu estado natal, nas cidades em que morou, no estado em que governou, adotando essa política de tempo integral”
Carlos Alberto Serpa, presidente da ABE, em cerimônia de entrega do Prêmio Educador do AnoRECORTES-POSTS-VERDADEIRO-MASO projeto da rede integral de Pernambuco de fato foi criado por um decreto de 2004 do então governador, Jarbas Vasconcelos. Na época, Mendonça Filho era o vice-governador. Vale ressaltar, no entanto, que o projeto só virou política de estado em 2008, dois anos depois de Mendonça Filho deixar o governo, e que ainda era bem incipiente ao fim de sua gestão.

O ministro deixou o governo de Pernambuco em 2006. Naquele ano, a rede tinha 25 escolas: 20 integrais e cinco técnicas. Em 2014, quando acabou a gestão de Eduardo Campos/João Lyra Neto, o número era 13 vezes maior. O estado tinha 125 escolas integrais, 175 semi-integrais e 27 escolas técnicas, totalizando 327 unidades.

Os dados são do Balanço de 2014 da Secretaria de Educação de Pernambuco. Atualmente, a rede tem 369 escolas.

Procurados para comentar a checagem, a ABE não retornou.

Em nota, o ministério destacou partes dos discurso que Mendonça Filho fez no dia da entrega da homenagem. “Hoje, cerca de metade de rede estadual funciona em tempo integral, e o ensino médio em Pernambuco virou referência nacional, fatos que mostram que política pública de qualidade, como o próprio nome diz, não pode ser propriedade de governos ou de bandeiras partidárias, mas sim uma conquista da sociedade”.

O ministério ainda ressaltou que “a política de indução das escolas em tempo integral, que vai levar esse modelo vitorioso para todos os estados do país, vai ter pela primeira vez apoio financeiro do Governo Federal, garantindo 500 mil novas vagas no ensino médio em tempo integral’.

Leia outras checagens de ‘País’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo