A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

SobreElas: Beto Richa comemora igualdade que não existe no Paraná

por Hellen Guimarães
12.mar.2018 | 12h00 |

Nos programas de governo que enviaram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2014 e 2016, respectivamente, o governador do Paraná e o prefeito de Curitiba não registraram propostas de políticas públicas detalhadas e especificamente voltadas para as mulheres.

Beto Richa (PSDB), que concorria à reeleição, descreveu no texto as “conquistas” de seu primeiro mandato. Disse que, no Paraná, as mulheres não estavam em desvantagem em relação aos homens no que diz respeito ao mercado de trabalho. Veja abaixo o detalhamento.

Rafael Greca (PMN) enviou nota em que lista ações tomadas por sua administração com relação as mulheres e afirmou: “o fato de não estar no plano de governo registrado para a eleição não quer dizer que o tema não está sendo contemplado pela gestão”.  

No mês em que se celebra o Dia Internacional da Mulher, a Lupa volta às promessas feitas às eleitoras nas campanhas de 2014 e 2016 para ver se saíram ou não do papel. Trata-se da série SobreElas. A seguir, o resultado da análise do Paraná:

“Os indicadores de (…) inserção no mercado de trabalho apontam que as mulheres não se encontram em situação de desvantagem em relação aos homens”
Beto Richa (PSDB), governador do Paraná, no programa de governo que registrou no TSE em 2014Richa usa dados de 2012 para embasar seu programa de governo e afirmar que, no Paraná, as mulheres não estavam em “situação de desvantagem”. Mas, segundo o IBGE, naquele ano, enquanto 69,8% da população masculina estava inserida no mercado de trabalho no Estado, entre a população feminina, esse índice caía para 64,4%. Ou seja: os dados de inserção no mercado de trabalho mostram que, sim, havia desigualdade entre os gêneros.

Além disso, as mulheres recebiam, em média, 18,8% a menos do que os homens no Paraná em 2012, de acordo com a Relação Anual de Indicadores Sociais do Ministério do Trabalho. Os dados mais recentes disponíveis mostram que essa diferença ainda era de 15,5% em 2016. E, apesar de as mulheres estudarem mais do que os homens, elas ganham muito menos do que eles nos cargos que exigem nível de escolaridade avançado. Nas vagas de grau superior completo, essa disparidade era de 41,5% em 2012 no Paraná. Em 2016, de 36,4%.

Em nota, Richa sustenta que a diferença salarial vem caindo no estado. Segundo ele, dados do IBGE compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes) mostram que a diferença era de 32% em 2012 e de 26% em 2016 – sempre em favor dos homens.

Leia outras checagens da série SobreElas / Leia outras deste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo