A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

SobreElas: ampliação de programa de proteção à mulher fica no papel na PB

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
16.mar.2018 | 12h00 |

A Paraíba tem uma secretaria voltada exclusivamente para a promoção de políticas públicas para as mulheres. Mas, apesar disso, algumas promessas registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pelo governador reeleito Ricardo Coutinho (PSB) em 2014, durante sua campanha, ficaram pelo caminho.

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), por sua vez, não colocou promessas específicas voltadas para mulheres em seu programa de governo.  Em nota, a prefeitura enviou um relatório das ações feitas pela Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas Para Mulheres em janeiro de 2018.

No mês em que se celebra o Dia Internacional da Mulher, a Lupa volta às promessas feitas às eleitoras nas campanhas de 2014 e 2016 para ver se saíram ou não do papel. É a série SobreElas. A seguir, o resultado da análise sobre a Paraíba:

“Aperfeiçoar e ampliar o programa Mulher Protegida”
Página 36 do programa de governo que Ricardo Coutinho (PSB), hoje governador da Paraíba, registrou no TSE em 2014Entre 2014, ano em que Coutinho se reelegeu, e 2017, a verba para “atenção à mulher, população negra e LGBTs”, usada para custear o programa Mulher Protegida, caiu. De acordo com os dados do Portal da Transparência da Paraíba, foram gastos R$ 796,6 mil em 2014 e R$ 789,4 mil no ano passado. O valor chegou a cair para R$ 241,7 mil em 2015.

Apesar da diminuição nos valores, no mesmo período, a Paraíba conseguiu reduzir as taxas de “crimes violentos letais e intencionais” com vítimas mulheres – esse índice agrega as ocorrências de homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. De acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública da Paraíba, o índice de mortes de mulheres nesses tipos de crimes caiu de 5,12 casos a cada 100 mil mulheres em 2014 para 3,66 em 2017.

O Mulher Protegida foi criado em 2013, durante o primeiro mandato de Coutinho. O programa tem como objetivos prevenir, fiscalizar e ajudar na punição de agressores de mulheres e é comandado pela Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade Humana.

Procurado, Ricardo Coutinho não retornou.

Leia outras checagens da série SobreElas / Leia outras deste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo