A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: mariellefranco.com.br/Divulgação
Foto: mariellefranco.com.br/Divulgação

Usuários que espalharam boatos sobre Marielle mantêm tuítes no ar

por Chico Marés e Leandro Resende
14.abr.2018 | 10h00 |

Há exatamente um mês, a vereadora Marielle Franco (PSOL) foi brutalmente assassinada no centro do Rio de Janeiro. Seu motorista, Anderson Gomes, também perdeu a vida. O crime, ainda sem solução, teve repercussão mundial, assim como a avalanche de informações falsas que o sucedeu. Há um mês, houve quem acusasse Marielle de ser ligada a uma facção criminosa. Houve também quem dissesse que ela tinha sido namorada de traficante. Mas quem espalhou esse conteúdo? E o que aconteceu com ele 30 dias depois?

O Laboratório de Estudos Sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) elaborou o grafo a seguir. Ele mostra os principais perfis do Twitter que, após a morte de Marielle Franco, publicaram conteúdos que mencionavam palavras-chave como “bandido”, “Comando Vermelho” e/ou “Marcinho VP”, em relação com a vereadora assassinada.

Os nomes mais destacados são perfis com maior interação. Seus tuítes foram os mais compartilhados na semana da morte de Marielle Franco (de 14 a 18 de março).  No total, 3,6 milhões de tweets falaram sobre o crime nas primeiras 42 horas depois do ocorrido. Com base nesta rede, a Lupa analisou 19 perfis que apareceram com destaque. Oito deles relacionaram Marielle a bandidos e mantiveram esse tipo de informação no ar, mesmo depois de o conteúdo ter sido fartamente desmentido.

No YouTube

Não foram apenas correntes de WhatsApp e posts no Twitter e no Facebook que ajudaram a espalhar desinformação sobre Marielle Franco – o YouTube também foi usado. Um dos usuários que obteve repercussão no Twitter, Ricardo Nester (@nestertweets) ostenta quase 1 milhão de seguidores na rede social. Em um texto publicado em 2013, ele ensina outros usuários do Twitter a ganhar seguidores: “siga todos que te seguem, mesmo os perfis fakes”.

Sobre a morte de Marielle, Nester escreveu: “Vaza conversa que mostra que vereadora Marielle traíu(sic) Comando Vermelho”. O link compartilhado no tuíte estava indisponível na tarde da última sexta-feira (13), mas conteúdos semelhantes ainda são encontrados no YouTube. A Lupa fez uma pesquisa com as mesmas palavras-chave usadas por Nester e encontrou sete vídeos no ar. Juntos, eles somavam mais de 72,5 mil visualizações.

Com maior ou menor duração, todos partem de uma série de áudios compartilhados pelo WhatsApp. Neles, dois homens argumentam que “crianças de fuzil” foram os responsáveis pela morte da vereadora. De acordo com imagens obtidas pela TV Globo, o carro onde Marielle estava e foi encontrada morta foi seguido por outro veículo, ao longo de um quilômetro. A Polícia Civil e a Polícia Federal ainda não identificaram nenhum suspeito do crime.

No mesmo vídeo, são reproduzidos outros áudios desses homens, e eles alegam ter visto uma gravação com imagens do crime. “Quem colocou ela lá dentro (da Câmara dos Vereadores) foi o Comando Vermelho”, diz um deles. Não é possível afirmar que Marielle foi eleita pela facção criminosa. Mas pode-se atestar, com base nos números do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que a maioria de seus 46 mil votos – 34% – vieram de eleitores de bairros de classe média das zonas Sul e Norte do Rio, como Laranjeiras, Cosme Velho, Urca, Botafogo, Jardim Botânico, Lagoa e Flamengo. Na Zona Eleitoral que compreende os bairros de Bonsucesso e Ramos – onde está o Complexo de favelas da Maré, onde a vereadora nasceu – Marielle obteve apenas 3,51% de seus votos.

Casal influenciador

Os usuários @ro_moller e @fabi_moller_ são, segundo seus perfis no Twitter, casados. Juntos, têm 96,8 mil seguidores. Fabi escreveu que Marielle era “defensora dos direitos humanos” e que, por isso “respeitava os bandidos”. Rodrigo Moller compartilhou uma das informações que mais repercutiram após a morte da vereadora: o comentário da desembargadora fluminense Marília Castro Neves sobre uma suposta relação de Marielle com bandidos e o Comando Vermelho. “O ideal é esperar as investigações terminarem, no meio político do Brasil e com o Comando Vermelho tudo pode acontecer”, escreveu.

Moller foi considerado o quinto usuário mais influente do debate político no Twitter, de acordo com levantamento publicado pela revista Veja em 2017. Ele é colunista do site Conexão Política, que também aparece como um dos principais perfis influenciadores do debate, de acordo com o levantamento do Labic. O Conexão Política também replicou o comentário da desembargadora Marília Castro Neves – três dias depois do assassinato.

Mesmo após a ampla repercussão do comentário da desembargadora, que admitiu não ter informações sobre o caso e ter apenas reproduzido o que tinha lido, nenhum dos usuários citados apagou seus tuítes. Todas as publicações mencionadas seguem online.

Associação com o traficante Marcinho VP

Como a Lupa mostrou, não era difícil desmentir a informação de que Marielle Franco teria sido casada com o ex-traficante Marcinho VP. Mas, mesmo assim, muitos dos tuítes que mais geraram engajamento após a morte da vereadora faziam esta menção. Caso, por exemplo, do jornalista Miranda Sá. Ele compartilhou uma notícia do Portal G1 e perguntou: “Algum deles lembrou que a morta tinha sido casada com um chefe do tráfico, Marcinho VP?”. Sá manteve a informação publicada mesmo após ter sido questionado por muitos de seus seguidores.

O mesmo ocorreu com o usuário @rbarbosa06: “Ninguém sabe quem matou @mariellefranco, pode ter sido um inimigo do Marcinho VP: traficante, ex-marido e pai da filha dela”, escreveu ele. Alertado de que era uma informação falsa, preferiu manter o tuíte no ar. Outro usuário que apareceu com destaque no grafo do Labic e tomou a mesma atitude foi @tavamartini.

Outros pontos do levantamento

O tuíte que obteve mais repercussão usando as palavras filtradas pelo Labic foi o do empresário Flávio Rocha, pré-candidato à Presidência pelo PRB. Ele, no entanto, não chegou a relacionar Marielle a bandidos, mas fez uma crítica aos que trataram de temas como machismo e racismo após seu assassinato.

Chama atenção, ainda, que três das principais interações registradas após a morte de Marielle foram sobre o compartilhamento de uma entrevista dada pelo traficante Marcinho VP ao UOL – em outubro de 2017, cinco meses antes do crime.

O levantamento do Labic considerou publicações feitas entre 14 de março (quarta-feira), dia em que Marielle foi assassinada, e 18 de março, o domingo seguinte. Neste período, foram analisadas mais de 11 mil interações entre os usuários.

Leia outras checagens de ‘Cidades’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo