A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução

#Verificamos: Frade ‘famoso’ não ‘divulga a cura do câncer’

por Leandro Resende e Cristina Tardáguila
08.jun.2018 | 17h02 |

Circulam no Facebook e no Youtube diversos links com a “notícia” de que um frade brasileiro teria descoberto a cura do câncer. Trata-se de uma receita que mistura 500 gramas de mel, com 350 gramas de babosa (aloe vera) e seis colheres de chá de álcool (rum, whisky ou vodka). Por meio do projeto de verificação de notícias do Facebook, usuários da plataforma denunciaram postagens com esse conteúdo e solicitaram que elas fossem checadas. Confira a seguir a análise da Lupa:

“Frade famoso divulga a cura do câncer”
Título de postagens feitas pelos sites SempreQuestione, TVCidadeSBT e VejaIssoWeb e que já somam mais de 183 mil interações no Facebook

FALSO

Uma busca na internet revela que o “frade famoso” é Frei Romano Zago, que chegou inclusive a escrever um livro sobre a suposta cura do câncer. Numa entrevista feita com ele, no entanto, Zago diz que a cura seria possível – não certa. Em seguida, a gravação lista uma série de medidas que precisam ser tomadas para que a poderosa receita seja realmente “eficaz” contra tumores. São elas:

“O pé de babosa tem que ter pelo menos cinco anos de vida. A babosa deve ser colhida no escuro, depois de cinco dias sem chuva. Ela não deve ser colhida com orvalho. A preparação deve ser feita no escuro e o remédio deve ser guardado também no escuro, num vidro dentro da geladeira. O medicamento deve ser tomado no escuro, antes das refeições”.

O site SempreQuestione, que divulgou essa informação nas redes sociais nos últimos dias, acrescenta um dado: “utilizes uma colher de madeira ou de plástico, não de metal”. Os demais destacam que essa receita não vem à tona porque a indústria farmacêutica impede sua divulgação por conta de interesses comerciais.

Em nota, a Sociedade Brasileira de Oncologia (SBOC) destaca “a importância de os pacientes seguirem os tratamentos convencionais, recomendados por médicos oncologistas clínicos, que possuem protocolos de pesquisa e controles sistemáticos de seus efeitos”. Diz “informações falsas disseminadas na internet, criam falsas esperanças a pacientes e prejudicam seus tratamentos”. E reitera “seu apoio apenas a condutas que tenham evidências científicas de benefício clínico no tratamento do câncer”.

O Cancer Research UK, ONG britânica especializada em acompanhar pesquisas em favor da cura do câncer, fala sobre o uso de babosa (aloe vera) em seu site. Diz que muitas pessoas que têm essa doença usam esse produto natural para curar queimaduras causadas pela radioterapia e que isso é inclusive recomendado por enfermeiras e médicos. Mas, logo em seguida, afirma que há pessoas que injetam, engolem ou bebem aloe vera no intuito de curar o câncer e que isso é indevido: “Nós não recomendamos que você troque seu tratamento convencional por aloe vera”.

Boatos sobre a cura do câncer são tão sérios nos Estados Unidos que a ‘Food And Drug Administration (FDA), agência federal responsável pela comercialização de alimentos e medicamentos, decidiu divulgar uma lista com produtos que costumam ser associados à suposta cura da doença. No texto, há a orientação para que os consumidores fiquem atentos aos boatos, que frequentemente sugerem o tratamento de “todos os tipos de câncer” e outras “curas milagrosas”.  

*Nota: esta checagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook.

Editado por: Chico Marés e Clara Becker

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo