vultos da República

A cara do PMDB

Quem é, de onde veio e o que quer o chefe do maior partido brasileiro e candidato a vice-presidente de Dilma Rousseff

Consuelo Dieguez
Michel Temer e Dilma Rousseff têm uma relação tão distante que Marcio Thomaz Bastos, amigo de ambos, propôs que eles, pelo menos, abandonassem o tratamento de “senhor” e “senhora”
Michel Temer e Dilma Rousseff têm uma relação tão distante que Marcio Thomaz Bastos, amigo de ambos, propôs que eles, pelo menos, abandonassem o tratamento de “senhor” e “senhora” FOTO: ORLANDO BRITO_OBRITONEWS

O deputado Michel Temer, do PMDB, recebeu, em meados de abril de 1998, um jovem advogado, cuja família conhecia de longa data, para um almoço tête-à-tête na residência oficial da presidência da Câmara dos Deputados. Mal haviam começado a comer quando o rapaz criticou a nomeação do senador Renan Calheiros para o Ministério da Justiça. “Não sei como o presidente Fernando Henrique pôde fazer uma escolha tão desastrosa”, disse. Temer olhou com um pouco mais de interesse o interlocutor e, sem alterar a expressão e a voz, respondeu: “O Renan foi escolhido pelo PMDB; portanto, é uma escolha minha.” E levantou-se logo em seguida, alegando que precisava dar um telefonema. Não voltou. Um mordomo pediu ao moço que se retirasse, dizendo que Temer estava ocupado e não poderia continuar o almoço. O PMDB é isso: lealdade.

Passados sete anos, Renan Calheiros chamou Temer ao seu gabinete. Era uma conversa crucial para o deputado. Ele se lançara candidato à presidência da Câmara pela segunda vez. Precisava do apoio do companheiro de partido, que tinha ascendência sobre um grupo de parlamentares e era respeitado pelo governo petista. O senador garantiu que diria ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que Temer era a escolha do PMDB. Naquela mesma noite, Temer soube que, na reunião com Lula, ao invés do seu nome, Calheiros defendera o de seu principal oponente: Aldo Rebelo, do Partido Comunista do Brasil. Com o apoio do Planalto, o deputado do PCdoB elegeu-se presidente da Câmara. O PMDB é isso: traição.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Consuelo Dieguez

Consuelo Dieguez, repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

Maria vai com as outras #10: Fim da temporada – Divisão sexual do trabalho

No último episódio desta temporada, a jornalista e escritora Rosiska Darcy de Oliveira fala dos primórdios do movimento feminista no Brasil e no mundo, do exílio durante a ditadura e do seu livro "Reengenharia do Tempo", sobre a divisão sexual do trabalho.

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem

O lado M da eleição

Mulheres negras no poder são o outro destaque das urnas

Foro de Teresina #22: O arrastão da direita, a derrota da mídia tradicional e o favoritismo de Bolsonaro

O podcast de política da piauí analisa a corrida presidencial após o primeiro turno

Cinema político – o risco da obsolescência

Crítico escreve carta aberta aos cineastas brasileiros: “Falhamos por omissão”

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

Bancada policial e militar mais do que dobra na Câmara

Deputados eleitos vinculados às Forças Armadas ou às polícias passam de 12 em 2014 para 28 nesta eleição

Maria vai com as outras extra: ao vivo no Foro de Teresina

Ouça a participação de Branca Vianna no podcast de política da piauí; o bloco debateu o peso da mulheres na eleição 2018

Mais textos
1

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

2

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

3

A festa que Bolsonaro cancelou

O PSL enviou 300 convites para celebrar a vitória já no primeiro turno, num hotel na Barra da Tijuca. No fim, sobrou para aliados justificar por que não ganhou

4

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

5

O PT em segundo lugar

Ameaça autoritária exige pacto de refundação institucional

6

A acusadora

Como a advogada Janaina Paschoal, uma desconhecida professora da USP, se transformou em peça-chave do impeachment

7

Extremo centro x extrema direita

Do entendimento entre PT e PSDB depende a democracia no Brasil

8

Arrastão da direita redefine o país

Foro de Teresina destrincha realidade política que emerge do primeiro turno

9

O candidato da esquerda

Pouco conhecido, sem nunca ter feito vida partidária ou disputado votos, o ministro Fernando Haddad parte em busca dos militantes do PT, dos paulistanos e da prefeitura

10

O guarda da esquina e sua hora

Reflexões em torno de um slogan de Jair Bolsonaro