carta de Havana e de Bogotá

A guerrilha na mesa

Como as Farc e um doutor em línguas mortas negociam em Cuba o fim de um conflito de cinquenta anos na Colômbia

Carol Pires
Em Havana, sentam-se à mesa emissários das Farc (em primeiro plano) e do governo colombiano. Iniciado há vinte meses, o diálogo abarca cinco pontos, incluindo o narcotráfico e a futura participação de guerrilheiros na política. A demora para um acordo final fortalece os opositores da negociação
Em Havana, sentam-se à mesa emissários das Farc (em primeiro plano) e do governo colombiano. Iniciado há vinte meses, o diálogo abarca cinco pontos, incluindo o narcotráfico e a futura participação de guerrilheiros na política. A demora para um acordo final fortalece os opositores da negociação FOTO: DIVULGAÇÃO_FOTO DE OMAR NIETO REMOLINA

  versión en español

Não eram nem oito da manhã de 28 de fevereiro quando Fabián Ramírez chegou ao Palácio de Convenções, um edifício de 1979 na zona de embaixadas em Havana. Baixo, troncudo e bronzeado, com o bigode longo e ralo que é sua marca registrada, no lugar do costumeiro uniforme de camuflagem ele vestia calça social e camisa guayabera branca. Ramírez, codinome de José Benito Cabrera Cuevas, é um dos comandantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as Farc. Contra ele existem 42 ordens de prisão e duas condenações por terrorismo, sequestro, subversão e homicídio qualificado. O governo americano já ofereceu 2,5 milhões de dólares por informações que levem a sua captura.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Carol Pires

É jornalista, roteirista, colaboradora do New York Times e colunista da Época online. Foi repórter da piauí de 2012 a 2016

Leia também

Últimas Mais Lidas

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Mais textos
1

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

2

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

3

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

4

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

5

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

6

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

7

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

8

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

9

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

10

Alexandre de Moraes absolve Alexandre de Moraes em caso de plágio

Antenado com o espírito de seu tempo, Alexandre de Moraes, recém-aprovado como ministro do Supremo Tribunal Federal, usou de suas prerrogativas para se defender das acusações de plágio. "Vou escolher meu julgador. Nesse caso, serei eu mesmo."