perfil

A juíza

As dificuldades de Cármen Lúcia para lidar com os incêndios da República

Consuelo Dieguez
Cármen Lúcia disse a assessores que cabe aos políticos encontrar, entre eles, um nome caso Temer seja apeado do poder. “Eu respeito muito a política. Mas o meu papel é de juíza”, afirma
Cármen Lúcia disse a assessores que cabe aos políticos encontrar, entre eles, um nome caso Temer seja apeado do poder. “Eu respeito muito a política. Mas o meu papel é de juíza”, afirma FOTO: FELLIPE SAMPAIO_SCO/STF

No começo da noite de 4 de abril passado, a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, abriu a ampla porta branca de madeira de sua casa, no Lago Sul, em Brasília, para que eu entrasse. Vestia uma calça de malha cinza, uma camiseta escura e usava chinelos. Era uma das raras vezes em que a ministra se encontrava em casa naquele horário. Normalmente, ela só deixa o tribunal depois das nove. Ao entrar, entreguei-lhe a edição da revista piauí que acabara de ser publicada, cuja chamada de capa informava: “Rafael Cariello vai à Hungria e mostra como uma democracia entra em crise.” Cármen Lúcia leu o texto em voz alta, voltou os grandes olhos escuros para mim e disse, em tom maroto: “Precisava ter ido tão longe?”

Poucas semanas depois daquele comentário espirituoso, a crise na democracia brasileira se agudizaria de forma impressionante. No dia 17 de maio, a Procuradoria-Geral da República encaminhou ao STF um pedido de abertura de inquérito contra o presidente da República, Michel Temer, por suspeita de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa. No dia seguinte, quando o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo, aceitou o pedido da procuradoria, o principal mandatário do país passou à condição de investigado.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Consuelo Dieguez

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

O que Há em Ti e o que está por vir

Cinemas do Rio não abrem porque não podem comercializar seu principal produto - comida

Não adianta culpar o boi

Câmbio, exportação e demanda interna explicam aumento do preço da carne

Ciência política regulamentada

Em resposta ao artigo “Deixa a moça trabalhar”, autores  defendem regulamentação da profissão de cientista político

O arroz do pobre na fritura do ministro

Apetite eleitoral de Bolsonaro rejeita os movimentos do mercado

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

4

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

5

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

10

Warst du schon mal in Bahia?

A passagem da seleção alemã pela praia de Santo André