questões pós-comunistas

A nova história de Svetlana Aleksiévitch

Um quadro sombrio da Rússia contemporânea

Orlando Figes
Para a geração da autora, os anos 90 foram uma catástrofe. Elas perderam tudo: um modo de vida, um sistema econômico que garantia segurança, uma ideologia que lhes dava certezas morais, um império gigantesco que sobrepujava divisões étnicas
Para a geração da autora, os anos 90 foram uma catástrofe. Elas perderam tudo: um modo de vida, um sistema econômico que garantia segurança, uma ideologia que lhes dava certezas morais, um império gigantesco que sobrepujava divisões étnicas FOTO: MARGARITA KABAKOVA

Quando ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 2015, Svetlana Aleksiévitch era pouco conhecida fora de seu país, a Bielorrússia, e da ex-União Soviética, onde suas obras eram publicadas em russo. Os jornais correram para se informar sobre aquela escritora e reunir opiniões abalizadas sobre seus “escritos polifônicos, um monumento ao sofrimento e à coragem em nosso tempo”, segundo as palavras de Sara Danius, secretária permanente da Academia Sueca, ao anunciar o prêmio. Em sua justificativa, a academia creditou a Aleksiévitch a invenção de um novo gênero literário, “uma história das emoções” – uma “colagem de vozes humanas de cuidadosa composição”, as quais foram registradas em entrevistas. As histórias orais da autora (porque é isso que são) apresentam-se sob a forma de monólogos e estão menos preocupadas com o registro dos acontecimentos do que com os sentimentos dos entrevistados, isto é, a maneira pela qual a vida interior das pessoas foi moldada por esses eventos históricos.

Não há quem não se comova com os testemunhos de Vozes de Tchernóbil (1997), ou com as entrevistas com soldados soviéticos, suas mães e viúvas em Garotos de Zinco (1989), dedicado à Guerra no Afeganistão de 1979 a 1989. São livros importantes, originais e poderosos, que recontam a história por intermédio de narrativas pessoais e desmancham mitos soviéticos imbuídos da força de verdades humanas. Destilam a voz da memória para transformá-la numa forma de literatura. Como história oral, no entanto, eles não são tão inventivos quanto pensou o júri do Nobel.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Orlando Figes

Orlando Figes é professor no Departamento de História da faculdade Birbeck, Universidade de Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

Maria vai com as outras #2: Mulheres na ciência

Ana Carolina Carnaval, bióloga e professora universitária, e Luize D’Urso, medalhista em olimpíadas de matemática, conversam com Branca Vianna sobre a presença feminina na pesquisa científica

Os nossos astronautas

Os diretores de Futebol explicam por que escolheram o esporte como tema da série documental*

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

Foro de Teresina #5: Epidemia de homicídios, o fracasso da vacina e a Copa da fisiologia

O podcast de política da piauí debate o quadro da violência no Brasil, a expansão do crime organizado e a corrida por alianças na eleição presidencial

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

De volta ao quintal

Apoiado pela diplomacia brasileira, Trump tenta retomar a influência sobre a América Latina, com sanções econômicas e pressão para derrubar regime na Venezuela

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

Mais textos
1

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

2

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

3

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

4

De volta ao quintal

Apoiado pela diplomacia brasileira, Trump tenta retomar a influência sobre a América Latina, com sanções econômicas e pressão para derrubar regime na Venezuela

5

O povo que fez do pinhão uma floresta

Pesquisa inédita revela que as matas de araucária do sul do Brasil foram plantadas por tribos Jês há mil anos; espécie está ameaçada de extinção

6

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

7

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

8

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

9

O pato perde a cabeça

Fiesp fica sem presidente e dois vices por causa da eleição; sindicatos industriais criticam partidarização e uso eleitoreiro de uma das mais ricas federações empresariais do Brasil

10

O bebê que liga o zika à cura de câncer

João Lucas conecta dois achados da medicina brasileira: o zika como causa da microcefalia, e o uso do mesmo vírus para destruir o câncer que mais mata crianças no mundo