anais da República

A organização

Como Marcelo Odebrecht chegou ao comando da maior empreiteira do país – e acabou na prisão

Malu Gaspar
O avô Norberto, o pai Emílio e o filho Marcelo, diante do retrato do patriarca, também Emílio. Envolvida em escândalos há décadas, a Odebrecht sempre saiu incólume. Com a Lava Jato, deve produzir o maior inventário da corrupção no Brasil
O avô Norberto, o pai Emílio e o filho Marcelo, diante do retrato do patriarca, também Emílio. Envolvida em escândalos há décadas, a Odebrecht sempre saiu incólume. Com a Lava Jato, deve produzir o maior inventário da corrupção no Brasil FOTO: ACERVO ODEBRECHT

Marcelo Bahia Odebrecht tinha uma expressão impassível quando se sentou diante de três delegados da Polícia Federal em Curitiba, em maio passado. Aquela seria a sua primeira conversa “amigável” com os responsáveis por seu caso desde que fora preso, quase um ano antes. Os agentes federais do outro lado da mesa sabiam que o mais importante empreiteiro do país negociava afinal a delação premiada, depois de passar meses dentro de uma cela que media 4 metros de largura por outros 4 de comprimento. Sabiam também – item importante do manual de códigos não escritos da Operação Lava Jato – que, mesmo quando os advogados já avisaram aos investigadores que seu cliente decidiu falar, era preciso ouvir a notícia do próprio candidato a delator.

Sentado à mesa de reuniões com uma advogada a seu lado, Marcelo usava uma camiseta azul surrada, calça de moletom cinza e tênis – espécie de uniforme que adotou na prisão. Apesar das roupas gastas sobre o corpo magro, mantinha o porte aprumado, altivo. Quieto, esperou pelas perguntas. Afinal, ele iria realmente falar o que sabia? Iria admitir ter cometido os crimes de que era acusado? Sim, Marcelo confirmou. “Mas vocês têm de ver o que é caixa dois e o que é corrupção”, disse, quase como quem dá instruções a subordinados. Os federais reagiram. “Não é você quem vai nos dizer de qual crime será acusado.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Malu Gaspar

Malu Gaspar, repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

A sua melhor tradução

Um glossário para entender a fala dos morros cariocas, segundo a prosa do escritor Geovani Martins

O Processo – observação em crise

Como todo observador intransigente, diretora Maria Augusta mais constata do que revela no documentário sobre o impeachment de Rousseff

Lula pode estar na cadeia e na urna ao mesmo tempo?

A rara combinação de chances que permitiria uma candidatura do ex-presidente conduzida de dentro da prisão

Febre cede, mas epidemia ainda mata

Desinformação e corte de verbas sustentam mortes por febre amarela; busca pela doença no Google cai 80%

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

A Melhor Escolha – jornada para redimir o passado

Filme de Richard Linklater tenta repetir fórmula de outros longas do cineasta, mas falha do ponto de vista comercial e artístico

Rabino pede desculpas por participar de ato ecumênico no ABC

Em vídeo, Alexandre Leone disse que participação em evento inter-religioso em favor de Lula foi “desacertada”

Intervenção no Rio cancela missão militar do Brasil na África

Governo Temer havia se comprometido a enviar 1 mil soldados à República Centro-Africana, mas desistiu

O dia em que a história não aconteceu

A sexta-feira se anunciava como o dia em que Lula seria preso, faria um discurso histórico ou fugiria: no fim, nem recorde de curiosidade bateu

Noite em claro no sindicato

Melancolia e euforia durante a vigília nos Metalúrgicos do ABC contra prisão de Lula

Mais textos