esquina

A solidão do macuco

Razões para salvar uma ave rara

Cíntia Bertolino
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2015

Uma meia dúzia de gansos, outros tantos patos e um peru passeavam espalhafatosos e barulhentos pelo quintal de chão batido no sítio do criador rural e pesquisador Gilson Arruda, em Cordeiro, na região serrana fluminense, no início de julho. Aparentemente alheias à algazarra, quietas e empoleiradas, outras vinte aves permaneciam presas num grande viveiro, com direito à sombra das árvores frutíferas da propriedade e à água fresca que brotava de um chafariz.

Orgulho do criador, as duas dezenas de altivos Tinamus solitarius– ou, mais simplesmente, macucos – são raros exemplares de uma ave da família das perdizes. Antes comuns na paisagem da Mata Atlântica, em toda a costa brasileira, hoje estão reduzidos a um número incerto, desconhecido pelo próprio Ministério do Meio Ambiente, e ameaçados de extinção em cinco estados brasileiros.

Enquanto Arruda discursava sobre as aves, dentro da gaiola, uma fêmea mais velha e gorducha foi se aproximando dele pé ante pé – até que, atrevida, começou a lhe bicar o cadarço do tênis, numa tentativa quase bem-sucedida de desfazer o laço. Ao lado do proprietário rural, o carioca Paulo de Abreu e Lima, mestre em cultura e comunicação alimentar pela Università degli Studi di Scienze Gastronomiche, na Itália, observava a ave.

Os dois são provavelmente os maiores entusiastas de macucos no país. Arruda é alto, magro, acostumado à vida ao ar livre. Aos 45 anos, os cabelos já começam a ficar grisalhos. Abreu e Lima, de 38 anos, tem pouco mais de 1,60 metro e ostenta uma barba espessa, farta e bem cuidada. Foi a paixão de ambos pela ave incomum que os levou a lançar, no ano passado, uma iniciativa de preservação do bicho, o projeto Aves Nativas da Mata Atlântica – Avicultura, Valor Agregado e Gastronomia, que recebeu apoio oficial e verba da Faperj, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro.

Está nos planos da dupla construir um criadouro científico, capaz de abrigar um plantel de até 5 mil aves, muito maior do que o atual viveiro de Arruda. Além disso, prometem mapear a presença do animal na mata fluminense e, em algum momento, começar o processo de repovoamento. O macuco foi parar na lista de aves vulneráveis do Ibama por causa da destruição de seu hábitat ao longo de cinco séculos de ocupação do país. Arruda e Abreu e Lima estão confiantes de que podem reverter o processo e salvar a espécie.

 

Do lado de fora do viveiro, a dupla enumerava as características únicas que fazem do Tinamus solitarius uma criatura quase fantástica. Os pés finos sustentam uma carcaça ovalada coberta por penas pequenas e macias, que se sobrepõem como se fossem escamas. O peito largo dá a impressão de um animal grande, pesado, mas normalmente eles não passam dos 2 quilos. O pescoço é pequeno e delicado; os olhos, sagazes.

As fêmeas botam ovos azul-turquesa, em tonalidade semelhante aos mantos cerúleos de santos renascentistas. Ovos postos, vão cuidar de outros afazeres, pois são os machos os responsáveis por chocar e cuidar dos filhotes. São eles, por exemplo, que protegem os pequenos da chuva, com suas asas de penas impermeáveis. A cera que recobre a penugem – e se desprende nas mãos de quem acaricia o macuco – funciona como uma capa intransponível e mantém os filhotes protegidos. “A natureza é um negócio, mesmo”, disse Arruda, espirrando água numa das aves para demonstrar a impermeabilidade das penas.

Os macucos também são solitários e autossuficientes. Machos e fêmeas se encontram apenas para acasalar, entre agosto e setembro, e no fim de dezembro se separam. Há quem diga que praticam o casamento perfeito.

A beleza do bicho não impediu que os portugueses, ao chegarem ao Brasil, descobrissem imediatamente as qualidades gastronômicas da ave – “maior que nenhuma galinha de Portugal” –, que os índios gostavam de preparar assada ou moqueada. Logo, o peito carnudo do macuco começou a ser muito apreciado também além-mar. Durante o Império, a receita mais difundida foi a canja. Dom Pedro II adorava o prato preparado com macuco, conta o escritor J. A. Dias Lopes no livro A Canja do Imperador.

 

É sob uma ótica parecida com a do último monarca brasileiro que Paulo de Abreu e Lima olha para suas aves de predileção. O mestre em cultura alimentar viveu uma década fora do país. Além da formação gastronômica na Europa, trabalhou por algum tempo em Nova York, para a revista La Cucina Italiana. Rodava o mundo atrás de produtos raros. Tomou gosto pela coisa e tornou-se um dedicado apreciador da carne de caça. Faisões, tetrazes, veados, gansos selvagens e cabras-de-leque já passaram por seu prato.

Ainda assim, não sabia da existência dos macucos até voltar ao Brasil, em 2011. O pai de sua namorada na época mencionou o bicho, durante uma viagem. No banco traseiro do carro, Abreu e Lima pegou o celular e recorreu ao Google para saber do que se tratava. A descoberta o fez salivar. Procurou por experts em macucos, descobriu Gilson Arruda, e a afinidade foi imediata. Nascido e criado na serra fluminense, Arruda admirava a ave desde a infância. Na zona rural, ele disse, caçar macuco era uma tradição que passava de pai para filho.

Hoje conservacionista, Arruda discorda de Abreu e Lima quanto ao que fazer quando os macucos se multiplicarem nas gaiolas do projeto e na natureza. Ele sabe que, no fim das contas, o amigo quer ver a ave na panela. “Há um certo tabu no Brasil em relação ao consumo de carnes de animais silvestres, mas existe um valor cultural muito forte nessa tradição esquecida. A carne de macuco é especial: é escura, com gordura entremeada e muito saborosa”, descreveu Abreu e Lima.

A refeição, contudo, deve demorar para ficar pronta. Os dois calculam que será preciso esperar pelo menos quatro anos para que o projeto tenha sucesso, e o mundo possa afinal provar, sem culpa, a famosa canja do imperador. “Se bem que existem maneiras melhores de cozinhar macuco”, garantiu Abreu e Lima, explicando que gosta de deixar a carne marinando por bastante tempo para só então cozinhá-la, lentamente.

Cíntia Bertolino

Leia também

Últimas Mais Lidas

Político mais popular no Facebook não fala de política na rede

Deputado federal baiano Irmão Lázaro atribui seus 8,5 milhões de seguidores a não postar sobre o que faz no Congresso: “É uma gritaria”

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

Assista à Maratona Piauí Serrapilheira

Evento reuniu grandes cientistas para falar sobre o futuro próximo da ciência brasileira

De Sanctis, de proscrito a guru

Depois de sete anos na geladeira, o juiz Fausto De Sanctis está de volta à área criminal – e é procurado para conselhos por colegas como Bretas

Mais textos
1

Nota sobre o calabouço

Brás Cubas e os castigos aos escravos no Rio

2

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

3

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

4

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

5

Anatomia de uma delação

Como os donos da JBS e a Procuradoria-Geral da República acertaram um acordo de colaboração premiada – e por que ele desmoronou

6

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

7

De Sanctis, de proscrito a guru

Depois de sete anos na geladeira, o juiz Fausto De Sanctis está de volta à área criminal – e é procurado para conselhos por colegas como Bretas

8

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

10

O Brasil e a recessão democrática

Como o cenário político global ajuda a entender a nossa crise – e vice-versa