esquina

Ativismo indoor

O paladino da natureza na Wikipédia

Bernardo Esteves
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

Caía a tarde quando, na cobertura de um predinho em Porto Alegre, o artista plástico Ricardo André Frantz se refugiou num cômodo um tanto bagunçado, que ele chama de “minha caverna”, e ligou o computador. O espaço lhe serve de ateliê, como atestam as manchas de tinta nos ladrilhos e as telas encostadas num canto. Frantz acomodou-se numa cadeira de praia, assumiu o teclado do PC preto e pôs-se a atualizar um verbete da Wikipédia que publicara em 2015, “Declínio das populações de peixes marinhos”.

O artigo prenuncia um verdadeiro apocalipse. Por causa da pesca desenfreada e do aquecimento global, os oceanos se encontram à beira de uma tragédia sem precedentes: o extermínio de inúmeras espécies aquáticas. Da última vez que os mares estiveram em condições parecidas, há 251 milhões de anos, 95% da vida marinha desapareceu. Para corroborar o prognóstico, Tetraktys – codinome que o pintor gaúcho usa na enciclopédia colaborativa – citou papers científicos, reportagens em inglês e um relatório da Organização das Nações Unidas.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Bernardo Esteves

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo é dia de ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

Exclusão de perfil irregular no WhatsApp não bloqueia rede de desinformação

Mesmo que aplicativo suspenda contas com acesso indevido a bases de usuários, grupos que elas criaram continuam ativos

Eleição explode no YouTube após 1º turno

Volume de vídeos produzidos sobre Bolsonaro e Haddad em uma semana após a votação supera os três meses anteriores; Petista é maior alvo

Tempos assombrosos

O que assusta mais: o futuro político do país ou um ente sobrenatural?

Pelo porto de Santos, duas décadas de propinas

Relatório da Polícia Federal revela como Temer, um coronel aposentado, um arquiteto e um economista forjaram um esquema de desvios milionários que começou em 1995

Sergei Loznitsa – decadência e degradação onipresentes

A Rússia filmada pelo cineasta ucraniano mostra ao resto do mundo qual caminho não seguir

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

No Brasil, passeata passa antes pela escola

Pesquisa da Pew Research mostra que 29% dos brasileiros mais escolarizados dizem participar de protestos, contra 8% dos que têm menos anos de estudo – a maior diferença entre 14 países

Ingressos à venda para o Festival Piauí GloboNews de Jornalismo

Estudantes e professores pagam meia-entrada, e assinantes da revista têm desconto

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Mais textos
1

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

2

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

3

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

4

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

7

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

8

Dois empresários paulistas contam por que estimulam Bolsonaro

Fundador da Tecnisa e dono de empresa de monitoramento de mídia marcam encontros entre pré-candidato e comunidade judaica de São Paulo. “Apoio quem seja contra a esquerda”, resume incorporador

9

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

10

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem