esquina

Atlas político

O abrasileiramento de um romeno

Gabriela Caesar
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2014

Faltava uma hora para o começo da reunião com a cúpula da Fundação Getulio Vargas do Rio quando o cientista político Andrei Roman, doutorando na Universidade Harvard, pegou um mototáxi no alto da favela do Vidigal. Tinha ido visitar um amigo e estava surpreso com o sol daquela tarde, uma segunda-feira de setembro que havia amanhecido nublada. De jeans, sapato e camisa social verde, Roman subiu na traseira da moto que o conduziu até o pé do morro, na avenida Niemeyer.

“Você conseguiu contar quantas placas do Pezão tinha no caminho?”, perguntou-me depois de saltar do veículo, referindo-se ao agora reeleito – na época candidato – governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, do PMDB. Pagou 5 reais, o dobro do preço da passagem, e recusou o troco.

Já dentro do táxi que o levaria à sede da FGV, na praia de Botafogo, Roman, de 29 anos, contou que sempre quis conhecer o Brasil. Cursava a faculdade no pequeno Colby College, no estado americano do Maine, e escolheu o país quando teve a chance de fazer um intercâmbio. Em 2006, morou cinco meses com uma família em Fortaleza. Antes de retornar aos Estados Unidos, passou um mês numa comunidade quilombola em Garanhuns, Pernambuco.

“Descobri uma simplicidade no pensamento, um jeito de lidar com a vida que mudou minha perspectiva”, disse. “São pessoas muito pobres, mas muito abertas. Quando eu falava que era da Romênia, eles não entendiam que era um lugar fora do Brasil. Achavam que era Rondônia ou algo assim.”

Roman então decidiu que voltaria ao Brasil. Em 2010, fez estágio na empresa APPM – Análise, Pesquisa e Planejamento de Mercado –, que à época assessorava a candidatura de José Serra, do PSDB, à Presidência. “Foi a pior campanha para presidente que eu já vi. Com base em pesquisas, fiz modelos para mostrar como você podia atrair o voto dos indecisos, mas a campanha nunca mudou de rumo. A decisão era do marqueteiro, e o marqueteiro não estava prestando atenção nas pesquisas”, criticou Roman, que estudou em detalhes as candidaturas presidenciais brasileiras desde a redemocratização.

 

O encontro daquele fim de tarde na FGV foi organizado por Daniel Vargas, colega de Roman em Harvard que, em 2009, durante o governo Lula, ocupou como interino a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência. O romeno apresentaria a vinte convidados o site atlaspolitico.com.br – criado por ele e pelo matemático brasileiro Thiago Costa, também doutorando na universidade americana. O site é uma espécie de quem é quem do Congresso nacional. Foi pensado como um serviço para o acompanhamento da atuação dos políticos e traz, entre outras informações, perfis e um ranking dos parlamentares, com base em critérios como fidelidade partidária, número de discursos, gastos de campanha e votos recebidos.

Uma das ideias da dupla era transformar dados brutos disponíveis nos sites da Câmara, do Senado, do Tribunal Superior Eleitoral, do Congresso em Foco e da Transparência Brasil em uma base de informações de fácil compreensão pelo cidadão comum. Costa criou uma ferramenta com a linguagem de programação Python que repete a ação de fazer downloads das declarações de bens e das prestações de contas de campanha apresentadas pelos parlamentares ao TSE. A operação seria muito mais trabalhosa se realizada manualmente.

Roman vive hoje entre São Paulo, Bucareste, onde mora seu pai, e Cambridge, nos Estados Unidos. Em São Paulo, trabalha no Escritório de Harvard, no 17º andar de um prédio na avenida Paulista, um dos principais palcos dos protestos de junho de 2013. Se, num primeiro momento, sua ideia era escrever sobre clientelismo no Brasil, as manifestações o instigaram a mudar o foco de sua pesquisa.

Desde então ele se dedica a uma análise comparativa entre as manifestações no Brasil e na Turquia, que estouraram na mesma época. Em ambos os casos, identifica movimentos localizados que acabaram detonando manifestações massivas: aqui, contra o aumento das passagens de ônibus; lá, contra a demolição de um dos menores parques públicos de Istambul.

O cientista político contou ter detectado outra característica comum aos dois países: a crise de representatividade. Na Turquia, ela ocorreria devido à perda de espaço dos partidos seculares, tradicionalmente os mais votados pela classe média urbana tradicional, em favor dos islamistas do Partido Justiça e Desenvolvimento. “No Brasil”, comparou, “você não tem grupos ideológicos bem definidos. Como os partidos foram construídos de cima para baixo, não fica muito claro quem de fato eles representam, quem é de esquerda ou de direita. Resta esse sentimento de que todos os partidos são mais ou menos a mesma coisa.”

Roman ainda observa certa relutância dos brasileiros em se identificar como de direita, em razão da ditadura civil-militar de 1964 a 1985. Na Romênia, que passou por uma ditadura comunista, acontece o oposto. “Lá, ser de direita na política é a melhor coisa. Todo mundo respeita. No Brasil, é o maior pecado.”

 

Os criadores do Atlas Político desenvolveram uma metodologia que, partindo dos votos dos parlamentares no Congresso, localiza sua posição no espectro ideológico e em relação ao governo. O resultado confirmou o que Roman já suspeitava: pelo menos na atual legislatura, que se encerra em janeiro, deputados e senadores se aglomeram no centro, em contraste com a polarização que se viu nas ruas e nas redes sociais durante a campanha presidencial.

Animado e trocando algumas sílabas tônicas do português, o romeno disse esperar que o Atlas permita aproximar políticos e cidadãos. Ele cogita transformar o site numa “plataforma mais democrática” de doações para campanhas. “Os internautas poderiam entrar no perfil do político e fazer a doação. Isso ajudaria os candidatos que não têm muita visibilidade, estrutura de campanha nem recursos para fazer o próprio site. Construir uma ferramenta de doação online é muito complicado”, afirmou, sempre sorrindo, e já cogitando a mudança definitiva para o Brasil.

Gabriela Caesar

Leia também

Últimas Mais Lidas

O lobby como antídoto

O grupo de pressão da indústria perdeu a sétima batalha seguida para o lobby dos artistas e ambientalistas na votação do “PL do Veneno” – mas a guerra continua

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

Foro de Teresina #6: O aborto na eleição, os paradoxos de Marina e a absolvição de Gleisi

O podcast de política da piauí debate o impacto da descriminalização do aborto na Argentina sobre as eleições brasileiras, as contradições de Marina Silva e o revés da Lava Jato no caso Gleisi Hoffmann

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #2

Em seu segundo episódio, o podcast que não tem compromisso com a eternidade debate o talento da equipe do Marrocos e o potencial sísmico dos torcedores mexicanos

45 anos de pena por um palpite errado

Titular da seleção de 50, Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo; De Gea é candidato a descobrir

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

Mais textos
1

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

2

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

3

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

4

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira

6

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

7

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

8

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

9

Estranhos no ninho

Guerra no PSDB compromete as ambições 
presidenciais de Geraldo Alckmin

10

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio