esquina

Azul é seu manto

Uma querela sagrada no Sul

Ricardo Lacerda
IMAGEM: ANDRÉS SANDOVAL

A catedral de Cachoeira do Sul, cidade de 85 mil habitantes na região central gaúcha, é uma igreja de estilo colonial que chama a atenção pela arquitetura imponente. Seu interior, contudo, tem aparência mais despojada. Ali há apenas uma dúzia de vitrais e peças sacras, dentre as quais se destaca a estátua de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, que dá nome ao templo. Com cerca de 1 metro de altura, a peça está postada ao fundo do altar, à esquerda do Cristo crucificado.

A imagem da santa – padroeira da cidade – foi trazida por militares portugueses nos primórdios da edificação, inaugurada em 1799. Suas mãos estão cruzadas na altura do peito, e um manto azul cai de maneira assimétrica sobre o ombro e parte do braço esquerdos. Sob seus pés, três cabeças de anjos emergem de uma nuvem.

A estátua ganhou companhia em 1929, por ocasião de uma reforma em que a catedral adquiriu elementos barrocos, tendo suas laterais alargadas e as torres dos flancos elevadas. Em seu frontão, no vértice da igreja, foi instalada outra estátua da santa, de 4 metros de altura. Com isso, a igreja ficou mais alta que o Château d’Eau, um torreão neoclássico que fica do outro lado da praça e que pode, com certa boa vontade, ser chamado de chafariz. Há quem diga que a colocação da santa era uma resposta à estátua profana de Netuno, o deus romano dos mares, que ornamenta o topo do monumento. De fato, as duas esculturas parecem se encarar.

A priori, a nova estátua também deveria representar Nossa Senhora da Conceição. No entanto, saltam aos olhos algumas diferenças em relação à imagem no interior da igreja. A santa do lado externo tem os braços estendidos para a frente e as mãos abertas, em concessão de graças. Em sua cabeça há um véu branco, ao passo que o manto azul recai sobre os ombros uniformemente. Ela carrega ainda uma coroa com uma cruz e pisa num globo com uma serpente, símbolo do pecado original – elementos que correspondem à iconografia tradicional de Nossa Senhora das Graças.

Por quase nove décadas a estátua instalada em 1929 se manteve imaculadamente branca, até que ganhou cores num processo de restauro iniciado no ano passado. O arroubo inovador é obra do padre Hélvio Luiz Cândido, um sujeito atencioso de baixa estatura e cabelos grisalhos. À frente da paróquia há catorze anos, o sacerdote teve a ideia enquanto tomava chimarrão na praça em frente à igreja.

O banho de tinta realçou as diferenças entre as duas estátuas e inflamou a controvérsia que há décadas era mantida à boca miúda. Coube ao Jornal do Povo, um diário local, dar destaque à dúvida que atiçava cada vez mais fiéis: “Nossa Senhora da Conceição ou das Graças na Catedral?”

 

Antes mesmo do fatídico restauro, já havia quem pusesse em dúvida a real identidade da santa do lado de fora da catedral. “Sempre houve zum-zum entre os mais entendidos, mas em petit comité”, afirmou Mirian Ritzel, uma estudiosa da história de Cachoeira do Sul que trabalha no Arquivo Histórico municipal da cidade. Ritzel ouviu o alerta pela primeira vez no fim dos anos 80, da artista plástica Mariluce Vidal, então sua colega de trabalho no Museu Municipal.

Por sua vez, Vidal – uma pós-graduada em história da arte –, disse saber da confusão desde muito jovem. “Minha irmã é Maria da Graça e tínhamos a santa em nosso quarto”, contou. “Cresci com aquela imagem com as mãos para baixo.” Durante uma exposição de imagens sacras no começo dos anos 80, ela chegou a levar o questionamento ao padre titular da época, que prontamente negou haver equívoco.

Alguns cachoeirenses continuam irredutíveis. “Não tem polêmica nenhuma”, asseverou secamente uma senhora após a missa matutina de um domingo de agosto. “Para nós, cristãos, trata-se da Imaculada Conceição”, completou. A amiga que a acompanhava tinha outra opinião: “Sempre soube que era Nossa Senhora das Graças.”

Em julho, a Rádio GVC FM recorreu a um pesquisador de iconografia religiosa para dirimir a polêmica. “Santa da Catedral é mesmo Conceição”, concluiu a reportagem publicada em seu site. O especialista consultado – um professor de música da Universidade Federal de Pelotas – explicou que Nossa Senhora das Graças é o apelido dado no Brasil e em Portugal a uma representação francesa da Conceição. Segundo o pesquisador, no começo do século XX houve uma tentativa de substituir a iconografia tradicional luso-brasileira pela francesa. É exatamente isso o que teria acontecido em Cachoeira do Sul.

Outro especialista consultado pela piauí, contudo, discordou. Altamir Moreira, doutor em teoria, história e crítica da arte pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, explicou haver versões menos conhecidas da Imaculada Conceição – entre elas, uma em que ela pisa numa serpente. “Mesmo assim, considerando a posição das mãos, meu juízo circunstancial tende a reforçar a atribuição da imagem como uma versão iconográfica de Nossa Senhora das Graças”, explicou, aludindo à estátua do frontão da igreja. “Desconheço variantes da Imaculada Conceição representadas em posição de braços abertos em simetria espelhada.”

 

Padre Hélvio não deixou de notar a ironia da polêmica. “A estátua estava ali há quase 100 anos e ninguém a percebia”, afirmou. “Só depois da pintura as pessoas começaram a perguntar de onde foi que a trouxemos.” Mas ele não parece muito preocupado com o alarido. Observou que, desde que a catedral começou a ser restaurada, o fluxo de fiéis à igreja aumentou – as missas de domingo têm reunido até 500 pessoas. E destacou a repercussão positiva da polêmica: “As pessoas começaram a se interessar mais, e isso é educativo.”

Desde que a controvérsia ganhou visibilidade, padre Hélvio passou a ser procurado por jornalistas. Em nenhuma das inúmeras entrevistas que deu ele admitiu haver qualquer erro, mas tampouco foi muito conclusivo. À piauí, ele afirmou que pode ter havido um engano, e que o debate segue aberto. Mas revelou pela primeira vez sua opinião sobre a controvérsia: “Acho que é a Nossa Senhora das Graças.”

Ricardo Lacerda

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

4

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

5

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

6

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

7

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

8

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”