esquina

Babado, confusão e gritaria

Uma fofoqueira no YouTube

Luiza Miguez
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2017

Sentada numa cadeira de escritório, a moça de cabelos negros e pele muito branca olha para a câmera, apruma o corpo e enumera as notícias do dia com a ênfase de quem anuncia um desastre aéreo: Taciele Alcolea chora nas redes sociais ao receber sobremesa em restaurante; Niina Secrets é tachada de feia pelo pai de uma fã; Kéfera Buchmann afasta-se da internet após a morte de sua cachorra, a pug Potyra. O vídeo com as insólitas manchetes entrou no ar há oito meses e, por enquanto, soma quase 750 mil visualizações. Nada mal para a novata Juliana Nogueira, a Ju, idealizadora e apresentadora do Já Contei?, canal que desde o fim de 2015 se dedica a um filão pouco explorado no YouTube. Três vezes por semana, a gaúcha de 28 anos e dicção “não muito boa”, nas palavras dela própria, vira uma espécie de Sonia Abrão da geração Y. Sem sair da casa térrea que divide com o marido e uma bebê, põe-se a fofocar sobre youtubers famosos – comunicadores que, à semelhança de Taciele Alcolea (3 milhões de seguidores), Niina Secrets (2 milhões de seguidores) e Kéfera Buchmann (10 milhões de seguidores), protagonizam videoblogs e atraem uma legião de jovens internautas.

“Quanta futilidade!”, comentou um dos que viram o programa de oito meses atrás. “Como uma pessoa consegue ganhar dinheiro falando da vida alheia?”, questionou outro. Críticas nem um pouco construtivas costumam perseguir a apresentadora, que parece dar de ombros. “Dizem que não tenho mais o que fazer. Mas a verdade é que o público do Já Contei? só aumenta.” Hoje o canal recebe, em média, 1 milhão e meio de visitas mensais.

Depois de produzir aproximadamente 300 vídeos de fofocas, Ju Nogueira acredita que aprendeu o caminho do sucesso. Por um lado, segue a receita clássica dos fofoqueiros televisivos e joga luz sobre a vida afetiva dos personagens que retrata. “Fulano terminou namoro? Quebrou o pau com sicrano? Rompeu uma amizade antiga? É isso que o pessoal curte”, explica. Por outro lado, procura fugir de uma prática comum entre jornalistas que cobrem as celebridades: mostrá-las em eventos patrocinados. Se um youtuber viaja para um destino paradisíaco a convite de uma empresa, a criadora do canal tende a ignorá-lo. Sabe que, numa circunstância tão controlada, dificilmente vai descolar alguma informação picante. “Mas se a pessoa viaja e posta foto de biquíni com o corpo alterado no Photoshop, aí é notícia.”

 

Formada em administração numa faculdade particular de Porto Alegre, a apresentadora nasceu em Butiá, cidade com 21 mil habitantes no interior do Rio Grande do Sul, onde voltou a morar há quatro anos, quando se casou com o namorado de adolescência. “Nossa vida aqui é pacata. A gente fica em casa, vai à praça, fica em casa de novo…” Ela relembra que tomou gosto pela internet em 2014, logo após largar um emprego de relações públicas para cuidar prioritariamente das tarefas domésticas. Sentindo necessidade de um hobby, lançou seu primeiro canal no YouTube, o 7makeup, em que dava dicas de maquiagem e ensinava receitas de doces. Tinha cerca de 3 mil espectadores, mas não se empolgava muito com os assuntos que abordava.

Numa noite de insônia, já grávida, resolveu mudar de rumo. Como acessava continuamente as redes sociais, notou que, vira e mexe, pipocavam “tretas entre youtubers no Twitter ou no Facebook”. “Pouca gente entendia o que estava acontecendo porque cada um pegava um pedaço da história. Mas eu acompanhava tudo de todo mundo.” Conseguia, assim, reconstituir com certa precisão “os babados, as confusões e as gritarias”. Some-se a isso o fato de adorar colunas de fofocas como a de Leo Dias, no jornal O Dia, e pronto: o Já Contei? começava a se desenhar.

O embrião do canal surgiu em dezembro de 2015. Era apenas um quadro do 7makeup, mas rapidamente alcançou um público cinco vezes maior que o das receitas e dicas de beleza. Três meses depois, ainda surpresa com o boom de audiência, Ju Nogueira abandonou a culinária e a maquiagem para tratar exclusivamente dos youtubers. Passaram-se mais alguns meses, e a dona de casa amealhou 100 mil novos seguidores.

Os números ascendentes acabaram despertando a atenção de pequenas empresas e marcas gigantescas, como Pepsi e L’Oréal, todas interessadas em anunciar ou fazer ações promocionais no Já Contei?. Com o dinheiro que ganhou até agora, a apresentadora pôde investir em equipamentos para o canal e melhorar o cenário dos programas. Evita, no entanto, revelar quanto fatura. Diz somente que o marido ainda banca a maior parte dos gastos familiares.

 

Obsessiva e agitada, Ju Nogueira monitora uns cinquenta youtubers por dia. Num vídeo do canal, descreveu sua rotina: “Estou fazendo minhas coisas, e o Snapchat fica rolando. Estou arrumando a casa e deixo o YouTube passando. Estou cuidando da minha filha e dou uma olhadinha no Instagram.” Ela também recebe sugestões dos espectadores. São entre vinte e trinta mensagens diárias, que lhe apontam os assuntos mais discutidos nas redes sociais dos vlogueiros.

Claro que nem todos os famosos se calam diante das alfinetadas do Já Contei?. Niina Secrets, por exemplo, postou um comentário no canal reclamando de um vídeo que expunha o término de seu namoro. Outros ameaçaram a apresentadora com processos, o que a fez abdicar de mencioná-los. Recuos à parte, Ju Nogueira não se deixa atormentar por crises de consciência. “Simplesmente divulgo o que o público quer saber”, justifica-se. “Quem se expõe são os próprios youtubers. Eu sou apenas a pessoa que conta o babado.”

Luiza Miguez

Luiza Miguez é checadora de apuração e repórter da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Civilização e barbárie

Jair Bolsonaro não é um candidato a mais na disputa

Maria vai com as outras #4: Profissão família

A jornalista Leticia Nascimento, o radialista Paulinho Coruja e a atriz Vanessa Lóes contam como deixaram suas carreiras para cuidar dos filhos e da vida doméstica

piauí estreia colunas diárias sobre as eleições

Nove cientistas políticos e jornalistas vão debater a campanha deste ano

As Boas Maneiras – sinal de alerta

Filme de Marco Dutra e Juliana Rojas coloca em cena a improvável relação homossexual entre patroa e empregada para despistar o espectador de seu verdadeiro tema

Dario, o órfão, ex-ladrão e ex-grosso que virou Dadá

O campeão mundial em 70 relembra o seu começo no futebol, do primeiro chute aos 19 anos ao técnico que percebeu nele, apesar dos tropeções, um goleador

A revolta dos trolls, e a vingança na Justiça

Alvos nas mídias sociais, jornalistas contra-atacam com processos, denúncias ao Ministério Público e conversa com empregadores dos haters

Como uma lesão levou a uma revolução no jeito de chutar

Didi, bicampeão mundial em 58 e 62, explica como criou a “folha seca”, o chute de três dedos mais cheio de veneno do futebol

Garrincha treinava, mas não ouvia o professor

Nilton Santos, Zezé e Aymoré Moreira recuperam as histórias do mais habilidoso – e o que menos se levava a sério – ponta-direita que o Brasil já viu

Outro 1 a 2 em Copa, 68 anos atrás

Zizinho, Barbosa, Nilton Santos e o técnico Flávio Costa reconstituem as horas seguintes ao Maracanaço, a tragédia do Mundial de 1950

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

Mais textos
1

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

2

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

3

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

4

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

5

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

6

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

7

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

8

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

9

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

10

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro