esquina

À beira do xeque-mate

Um clube de xadrez em crise

Daniel Salles
IMAGEM: ANDRÉS SANDOVAL

Luismar Brito considerou alta a probabilidade de achar ao menos um oponente naquela quarta-feira abafada do inverno paulistano. “Se chove ou faz frio, as chances são mínimas”, explicaria depois. Eram quatro da tarde quando ele avançou até o número 154 da rua Araújo, a uma quadra do célebre edifício Copan, no Centro da cidade. Ao me avistar perto do elevador, julgou estar com sorte e esboçou um sorriso. “Vai para o clube?”, indagou, medindo o possível adversário de cima a baixo. Informado de que se tratava de um mero repórter a trabalho, desmanchou o sorriso. Recuperou o ânimo assim que desembarcou no 3º andar do predinho e ouviu uma conversa. Mas se decepcionou novamente tão logo percebeu que era apenas Marcos Bertolete, o secretário da agremiação, ao telefone. Como de hábito, o Clube de Xadrez São Paulo se encontrava às moscas.

Espalhadas sobre um carpete que imita um tabuleiro, nas cores mostarda e roxo, as quase cinquenta mesas da instituição centenária só costumam acomodar uma quantidade razoável de enxadristas às sextas e aos sábados. É quando ocorrem os torneios regulares, que rendem 100 ou 200 reais de prêmio e arrebanham, em média, trinta competidores. Para participar, quem não é sócio precisa desembolsar 10 ou 15 reais. Os associados, que devem contribuir com uma mensalidade de 40 reais, ficam isentos da taxa nas disputas de sexta e pagam somente 5 reais nas de sábado. Resumem-se a vinte gatos pingados – na lista de sócios, constam outros oitenta nomes, que não estão com as contas em dia ou nunca dão as caras.

O clube viu o jogo virar umas três décadas atrás, mal as partidas online de xadrez ganharam terreno. Antes, nos anos 70, a entidade viveu momentos gloriosos. Três dos quatro andares do prédio se destinavam à prática do esporte, um deles com direito a restaurante e barbearia, para a sorte dos mais de 800 associados da época. “Os executivos faziam a happy hour ali e até traziam as esposas”, contou Bertolete, um quase sessentão que usa óculos de armação grossa e se aloja numa salinha em frente ao elevador. Frequentador do espaço há vinte anos, assumiu o posto de secretário há sete. “Quando aceitei o cargo, o lugar estava em petição de miséria”, relembrou. Bonachão, passa boa parte do expediente assistindo a filmes no YouTube. “A coisa andava tão ruim por aqui que não tinha computador nem wi-fi, e a iluminação era péssima.”

 

Fundado em junho de 1902 por um grupo de alemães, o clube se localiza no atual endereço desde novembro de 1960. Tirando o estacionamento, todo o edifício pertence à associação. Foi doado por um grupo liderado pelo mineiro Márcio Elísio de Freitas. O advogado e enxadrista, que presidiu tanto a agremiação quanto a Confederação Brasileira de Xadrez, morreu em 1988. Hoje quem comanda a entidade é seu filho, o empresário Celso Villares de Freitas.

Como os sócios rarearam e as contas se tornaram difíceis de saldar, a instituição agora se limita a um andar. Os outos três estão nas mãos de inquilinos. O primeiro é ocupado pela Academia Paulista de Esgrima. No piso acima, funciona um templo maçônico e, no último andar, o estúdio do fotógrafo moçambicano Zee Nunes, especializado em moda. A vizinhança convive em aparente harmonia e, segundo consta, nenhum esgrimista ou maçom se converteu em enxadrista ou vice-versa.

 

Paraibano de João Pessoa, Luismar Brito não leva o jogo propriamente na esportiva. Ganha a vida com eventuais prêmios de torneios e ensinando as manhas do tabuleiro para seis alunos por semana. “Está cada vez mais difícil arranjar novos”, queixou-se, enquanto se acomodava numa das mesas do clube. “Quem vai querer professor quando dá para aprender tudo pela internet?”

Os cabelos brancos e as bochechas caídas de Brito não negam seus 63 anos. Ungido mestre pela Federação Internacional de Xadrez, começou a manejar os peões ainda criança, por influência de um avô. Desde então, não parou mais de competir. Na década de 70, quando já ostentava o título de campeão paraibano, tentou a sorte no Rio de Janeiro e em São Paulo. Depois, resolveu morar nos Estados Unidos, onde venceu o concorrido torneio National Open, de 1984, em Las Vegas. Também passou temporadas na Inglaterra e na Austrália. De volta ao Brasil, conviveu com enxadristas famosos, como o gaúcho Henrique da Costa Mecking, o Mequinho, que chegou a ser o terceiro melhor do mundo.

Brito sempre torceu o nariz para o avanço da informática sobre o xadrez, embora reconheça suas vantagens. “O computador nos ajuda a estudar e a corrigir as jogadas, além de permitir que enfrentemos oponentes de diversos países sem sair de casa. É por isso que o esporte vem evoluindo tanto.” Mas disputar partidas com o próprio computador não o anima. “Qual a graça? A gente cansa; a máquina, não.” Ele se recorda bem do mítico jogo entre o enxadrista Garry Kasparov, nascido no Azerbaijão, e o Deep Blue, computador que podia calcular 200 milhões de lances por segundo. Desenvolvido pela IBM, o cérebro eletrônico derrotou o campeão mundial em maio de 1997. “Foi um choque. Não achei que Kasparov perderia.”

O azerbaijano, que já visitou São Paulo, nunca pisou na sede do clube, diferentemente de outras lendas da modalidade, como o cubano José Raúl Capablanca e o franco-russo Alexander Alekhine. Apesar de não pertencer à constelação das grandes estrelas, Brito sabe que suas conquistas lhe conferem status de autoridade. Não à toa, desfruta de alguns privilégios na agremiação. Um deles é o de frequentá-la sem ser associado. “O clube sai ganhando em me ter como habitué”, resumiu, à medida que tirava da bolsa um velho notebook. Já que ninguém mais apareceu naquele dia, passou a tarde jogando contra um japonês que nunca viu na vida.

Daniel Salles

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

4

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

5

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

6

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

7

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

8

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”