autoficção

Boceta de pandora

Memórias de um jovem professor na Praça da República

José Miguel Wisnik
Na livraria, antes de partir para o banco, fiz uma concessão ao princípio de prazer: me regalei com os <i>Écrits</i> de Lacan, cujo artigo sobre “a etapa do espelho na formação do Eu” eu vinha namorando e querendo cotejar com o famigerado conto “O espelho”, de Machado, cujos enigmas me atazanavam
Na livraria, antes de partir para o banco, fiz uma concessão ao princípio de prazer: me regalei com os Écrits de Lacan, cujo artigo sobre “a etapa do espelho na formação do Eu” eu vinha namorando e querendo cotejar com o famigerado conto “O espelho”, de Machado, cujos enigmas me atazanavam FOTO: JUCA MARTINS_ACERVO INSTITUTO MOREIRA SALLES

Alguns metros depois da saída do banco o rapaz magro me pediu ajuda. Vinha de Osasco, não conhecia o Centro de São Paulo, queria me explicar o lugar aonde precisava ir, mas até nisso se atrapalhava. Mais que de uma informação trivial, havia nele um vago pedido de atenção, acompanhado de certo desamparo. Eu teria passado reto, acenando com um gesto de pressa justificada. Tinha contas a pagar em vários lugares do Centro e o fim da tarde me esperava com um futebol de salão entre amigos. É verdade, também, que tinha dinheiro vivo para pagá-las, depois de longo período no vermelho. Talvez por isso sentisse as árvores emaranhadas da Praça da República mais envolventes e o quadrilátero de gente movido por uma força que parecia vir do chão. A perspectiva de futebol coroava o dia, que já saía no lucro. Certa sensação artificial de folga contribuiu para devolver minha atenção a ele.

Me contou que estava ali a mando do pai, que o incumbira de uma missão meio obscura e cercada de responsabilidade. Conforme as instruções escritas no pedaço de papel que me mostrava, deveria se dirigir ao prédio da Recebedoria de Apólices Federal, procurar determinado guichê e entregar um documento (que guardava na bolsa atada à cintura) a certo senhor de nome Silas. Fez alusão confusa a expectativa de recompensa – o senhor Silas teria prometido, sempre através do pai, retribuir com um valor não determinado, mas que esperava que fosse, dizia singelamente, “talvez um relógio”.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

José Miguel Wisnik

Músico, compositor, ensaísta e professor de literatura na USP, é autor de "Veneno Remédio: o Futebol e o Brasil", pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Civilização e barbárie

Jair Bolsonaro não é um candidato a mais na disputa

Maria vai com as outras #4: Profissão família

A jornalista Leticia Nascimento, o radialista Paulinho Coruja e a atriz Vanessa Lóes contam como deixaram suas carreiras para cuidar dos filhos e da vida doméstica

piauí estreia colunas diárias sobre as eleições

Nove cientistas políticos e jornalistas vão debater a campanha deste ano

As Boas Maneiras – sinal de alerta

Filme de Marco Dutra e Juliana Rojas coloca em cena a improvável relação homossexual entre patroa e empregada para despistar o espectador de seu verdadeiro tema

Dario, o órfão, ex-ladrão e ex-grosso que virou Dadá

O campeão mundial em 70 relembra o seu começo no futebol, do primeiro chute aos 19 anos ao técnico que percebeu nele, apesar dos tropeções, um goleador

A revolta dos trolls, e a vingança na Justiça

Alvos nas mídias sociais, jornalistas contra-atacam com processos, denúncias ao Ministério Público e conversa com empregadores dos haters

Como uma lesão levou a uma revolução no jeito de chutar

Didi, bicampeão mundial em 58 e 62, explica como criou a “folha seca”, o chute de três dedos mais cheio de veneno do futebol

Garrincha treinava, mas não ouvia o professor

Nilton Santos, Zezé e Aymoré Moreira recuperam as histórias do mais habilidoso – e o que menos se levava a sério – ponta-direita que o Brasil já viu

Outro 1 a 2 em Copa, 68 anos atrás

Zizinho, Barbosa, Nilton Santos e o técnico Flávio Costa reconstituem as horas seguintes ao Maracanaço, a tragédia do Mundial de 1950

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

Mais textos
1

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

2

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

3

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

4

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

5

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

6

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

7

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

8

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

9

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro

10

Auto de Resistência – arte crua para vida bruta

Longa vencedor do 23º Festival de Documentários É Tudo Verdade 2018 revela o lado mais assassino do Estado brasileiro