despedida

Cachorro bom é cachorro morto

A execução de Bob, o xodó de Heliópolis, por um PM de São Paulo

Roberto Kaz
O cachorro Bob, misto de pit bull com vira-lata, em desenho feito por menino que mora em Heliópolis
O cachorro Bob, misto de pit bull com vira-lata, em desenho feito por menino que mora em Heliópolis

Primeiro foi o tiro. O corpo caído. O policial rindo. A viatura indo embora.

Então veio o choro, que virou raiva, que deu origem à barricada. Fecharam a rua, queimaram entulho, tacaram fogo num ônibus.

“Só faltou a polícia dizer que o cachorro estava armado”, diria, dias mais tarde, uma moradora de Heliópolis, a maior favela de São Paulo. “Do jeito que eles fazem com animal, fazem com gente também.”

Mistura de vira-lata com pit bull, Bob era o xodó da comunidade. Como bom cachorro de rua, não tinha origem, idade nem histórico familiar. Chegou do nada, já adulto, cerca de quatro (ou, para alguns, seis) anos atrás. De início travou amizade com outro cachorro, o Negão, que batia ponto nas biroscas por ali. Com o sumiço do Negão, também do nada, virou a referência canina de quem frequenta a Praça É Nossa – um pequeno conjunto de bares que, apesar do nome, em nada lembra uma praça.

Foi lá que Bob conheceu Daniel [1], um rapaz com cerca de 20 anos, que virou seu cuidador mais leal. Daniel se encarregava de dar banho – às vezes com sabão de coco, às vezes com shampoo para cães – quando Bob ficava sujo demais. “Na praça tem uma bica”, contou. “Eu chegava com uma coleira, ele percebia e já tentava fugir.” Quando a renda permitia, a ducha era complementada com remédio antipulga. Mal tinha tempo de desfilar a limpeza, pois ato contínuo o cachorro se esfregava no chão, recuperando a sujeira que lustrava seu pelo branco e preto.

Era também na praça que Bob costumava dormir e comer. Para o sono, contava com um quarto abandonado nos fundos de um bar, onde uma senhora chamada Hortência botava cobertor, travesseiro e lençol. “Mas os noias roubavam”, ela explicou. “Travesseiro eu dei dois. Cobertor eu perdi a conta. Quando não tinha mais nada, levei toalha para ele se esquentar.” O cachorro chegou a ganhar uma casinha de madeira construída pelos moradores da comunidade. “Mas ela também foi roubada”, lamentou a cuidadora.

Hortência também se encarregava de alimentar o animal. “Ele gostava de arroz, carne, frango, costela, abobrinha e escarola”, lembrou. “Também adorava banana. E quando tinha macarronada com carne moída raspava a panela.” Levava a comida duas vezes ao dia, em potes de plástico. “Se eu demorava, ele vinha para a frente do prédio onde eu moro e ficava olhando para cima, esperando eu aparecer na janela.” A cena ocorreu pela última vez na tarde de 11 de junho, um sábado: “Eu tinha acabado de levar comida. Passaram uns vinte minutos, e vieram correndo me avisar.”

 

Cerca de um ano atrás, contam os moradores de Heliópolis, Bob passou a ter problemas com a Polícia Militar. Certa vez apareceu com as duas patas traseiras marcadas por balas de borracha. Hortência tratou-o com violeta genciana, e Daniel zelou para que o banho não o molhasse da barriga para baixo. Em outra ocasião, o cachorro começou a espumar – dizem que por ter comido carne envenenada. Para tratá-lo, Daniel virou a noite enfiando-lhe leite goela abaixo. De uns tempos para cá, Bob também começou a apresentar um problema nos olhos. A suspeita – decorrente do fato de que ele sempre latia para a polícia – é de que tenha sido atingido por spray de pimenta.

No sábado em que foi executado, Bob brincava com duas crianças em frente ao Rebarba’s Bar e Espetinho, numa rua de entrada da comunidade. Era fim de tarde, e uma viatura passou três vezes, fazendo a vigília. Na quarta, contam, o cachorro tomou um tiro no pescoço, sumário, e estrebuchou na calçada. O carro, um Spin, prosseguiu lentamente, o policial sorrindo, as crianças paradas na rua, assustadas.

Avisada, Hortência correu ao local, debruçou-se sobre o cadáver e começou a chorar. “Foi como se tivessem arrancado um pedaço de mim. Precisou um menino me tirar de cima do cachorro”, ela contou, mostrando no telefone celular uma foto de Bob morto. A comunidade – revoltada com a morte do cão, mas também com o risco corrido pelas crianças – começou a se juntar. No início da noite já havia barricadas na rua.

Não tardou para que a polícia voltasse à cena, com reforços, em busca do cachorro. Houve correria, bomba de gás, parte do povo queimou um ônibus e duas caçambas nos arredores. O corpo de Bob foi escondido numa garagem, e depois, ainda em meio ao caos, enterrado num canteiro, sob a copa de uma árvore.

Às 21h21 daquela noite, a morte foi noticiada na página do Facebook do Paquistão F.C., um time de futebol de Heliópolis. O texto lamentava a perda do “nosso mascote da pior forma possível”, com um tiro desferido por um policial. “Todos que conviviam com ele sabiam o amor que esse cachorro doava às pessoas”, continuava. Nos comentários, Bob foi chamado de “guerreiro”, “anjo” e “defensor quando necessário”. Um rapaz protestou: “Agora diga, Senhor secretário da Segurança, o cachorro estava armado? Ofereceu algum perigo eminente?”

Procurada pela piauí, a Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo alegou que o distúrbio ocorreu porque “a PM realizava patrulhamento no entorno de bailes funk da região para prevenir crimes, garantir a segurança e o sossego da população” (moradores dizem que baile nenhum ocorria naquele horário). A nota ainda alega que “não houve registro de animais feridos”. Duas pessoas foram intimadas pela 2ª Delegacia do Meio Ambiente para depor sobre o caso. Não compareceram.

Daniel, que ainda chora quando fala de Bob, chegou a sonhar com o cachorro: “A gente brincava de esconde-esconde. Eu ficava procurando ele, sem achar, até que ele me dava uma cutucada com o nariz, como se dissesse ‘Tô aqui, ó’.” Hortência não sonhou com o bicho, embora ainda tenha a impressão de ouvi-lo latindo, durante a madrugada: “Mas vou para a janela, olho, e ele não está.”

A coleira de Bob está pendurada, sem uso, na parede de uma barraca de pastel.

[1] Os nomes dos personagens foram alterados.

Roberto Kaz

Roberto Kaz

Repórter da piauí, é autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina especial: aguarde

O programa, que contou com a participação da jornalista Maria Cristina Fernandes, foi gravado ao vivo durante o evento que reuniu os melhores podcasters do país

Entre gargalhadas, cotidiano e estratégia: os podcasts de humor

Linguagem politicamente incorreta e medo da repetição estão entre as preocupações dos realizadores 

Em podcasts jornalísticos, muito planejamento e pouco improviso

Produção diversificada e roteiro bem construído ajudam a resumir informação e análise

Um podcast pra chamar de seu: os temas de cada tribo

Futebol, feminismo e história motivam conteúdos produzidos para grupos específicos; para realizadores, nem todo patrocínio é bom

Podcast, um novo modelo de negócio

Mesa de abertura da segunda edição do evento discutiu estratégias de financiamento 

Acompanhe a transmissão ao vivo da segunda Maratona Piauí CBN de Podcast

Encontro está sendo transmitido em áudio e em vídeo nos sites e redes sociais da piauí e da CBN

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Acordo de WhatsApp para manter Frota no PSL não resiste a canetada de Bolsonaro

Bancada selou em grupo de aplicativo permanência do deputado, que acabou expulso depois de criticar Eduardo; outros parlamentares devem ser enquadrados

O direito ao cinema

Reflexões de Antonio Candido sobre literatura podem ser adaptadas ao cinema, uma aventura equivalente

Mais textos
1

A vovó fashion

Uma influencer e seus looks ousados

2

A imprevidência chilena

Elogiado por Bolsonaro e Guedes, regime de capitalização implantado no Chile tem aposentadoria média inferior ao salário mínimo

3

Acordo de WhatsApp para manter Frota no PSL não resiste a canetada de Bolsonaro

Bancada selou em grupo de aplicativo permanência do deputado, que acabou expulso depois de criticar Eduardo; outros parlamentares devem ser enquadrados

4

Por que João Gilberto é João Gilberto

Diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo comenta, ao violão, legado do inventor da bossa nova; veja os vídeos

6

Sem saúde nem plano

Por que os planos de saúde privados se tornam inviáveis a partir dos 60 anos e como algumas operadoras conseguem cobrar menos

7

Foro de Teresina #64: A fritura de Moro, a expulsão de Frota e o acordo de Itaipu

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

Um novo epílogo para Eike Batista

Investigação que levou empresário de volta à cadeia mostra como ele enganou investidores e manipulou preço das ações

9

Operação zangão

O combate ao furto de abelhas no interior de Minas Gerais

10

Congresso abana o fogo entre Moro e Bolsonaro

Deputados comemoram desgaste do ministro da Justiça com Bolsonaro, impõem derrotas ao pacote anticrime e mostram descontentamento com o ex-juiz símbolo da Lava Jato