esquina

Cada um no seu quadrado

É de Uberlândia o recordista sul-americano de montagem de cubo mágico

Tomás Chiaverini
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2011

Para os pobres de espírito, o cubo mágico é um brinquedo dos mais irritantes. Tentativas obstinadas para deixar cada um de seus seis lados com quadradinhos da mesma cor não costumam render mais do que horas perdidas e frustração. A maioria desiste e larga numa gaveta qualquer o quebra-cabeça endiabrado. Os mais arrebatados destroem o cubo a marretadas ou arremessam-no contra a parede, num compreensível acesso de ira.

Mas, assim como existem aqueles que conseguem assoviar, estalar os dedos, mexer as orelhas ou dobrar a língua, há também uma elite privilegiada capaz de resolver o quebra-cabeça com certa facilidade. Pior: há cidadãos que desembaralham o tinhoso com uma rapidez de dar raiva aos reles mortais. O australiano Feliks Zemdegs, o mais ligeiro do mundo na solução do cubo mágico, ajeitou certa vez os seis lados em espantosos 5,66 segundos – pouco mais de metade do tempo que o jamaicano Usain Bolt levou para bater o recorde dos 100 metros rasos. Zemdegs tem 15 anos.

Não contentes em humilhar o resto da humanidade, alguns ases do cubo mágico preferem montá-lo de olhos fechados, após memorizar a posição de cada peça. Num torneio realizado em 2001, o malaio Chester Lian resolveu, vendado, dezessete cubos em menos de uma hora. E a galeria da fama cubista não estaria completa sem o finlandês Anssi Vanhala, que montou o quebra-cabeça com os pés. Levou 31,56 segundos.

O cultivo de mentes argutas e dedos diligentes para desenovelar o brinquedo também grassou por estas paragens. Num fim de semana de julho, o Brasil sediou um torneio reconhecido pela World Cube Association, a Fifa do cubo mágico. No Sesc de Santos, no litoral de São Paulo, 121 inscritos se encontraram para concorrer em dezoito modalidades. O ambiente foi dominado pelo trec-trec dos cubos que matraqueavam incessantemente nas mãos dos adolescentes – todos ali tinham as mãos ocupadas.

Com apenas um competidor entre os 100 melhores do mundo, o Brasil não é propriamente uma potência na competição. Mas há quem garanta que é questão de tempo até que Gabriel Dechichi (pronuncia-se Dekiki) Barbar, mineiro de Uberlândia, quebre o recorde mundial. Ele postou na internet vídeos em que resolve o problema em menos de 5 segundos. Mas a WCA só reconhece os tempos obtidos em eventos oficiais. O rapaz é o atual número 15 do ranking. Detém o recorde sul-americano em sete categorias.

Dechichi não larga o cubo. Enquanto conversa, o adolescente de 17 anos e 1,90 metro vai embaralhando e reordenando as peças sem olhar. Seu jeito desengonçado de menino que cresceu rápido demais vai só até o pulso: ele tem com as mãos a precisão de um neurocirurgião e a destreza de um crupiê. O rapaz é despachado também nos estudos: enquanto seus colegas terminam o colegial, ele já está no 2º ano da faculdade de engenharia mecânica.

Mas o mérito de desvendar os segredos do cubo não coube a ele. Em tempos de Google, há pouco espaço para mistérios. A solução está ao alcance de qualquer um: quem digitar “Fridrich” no buscador encontrará, passo a passo, a explicação para o método de montagem desenvolvido pela tcheca Jessica Fridrich. Que não se anime o leitor: a solução requer a execução de várias sequências de movimentos para cada caso. Para ser competitivo, é preciso decorar a saída para 119 possibilidades de embaralhamento, cada uma com dezenas de movimentos. O método Fridrich tirou parte da graça de resolver o quebra-cabeça. Em compensação, deu competitividade aos torneios. O último campeonato mundial, realizado em Düsseldorf, em 2009, teve mais de 400 inscritos, em contraste com os pouco mais de dez gatos pingados dos primeiros certames.

 

Um pré-requisito para o bom desempenho é usar um cubo de qualidade, com a tensão exata, que permita às peças deslizarem com suavidade e controle. Recomenda-se evitar os modelos vagabundos das lojas de 1,99 real. Mas tampouco é necessário ir ao outro extremo – há cubos que custam mais de 200 reais. O “Cubo de Rubik” – nome oficial do brinquedo, em homenagem ao arquiteto húngaro que o inventou, em 1974 – é um inexplicável sucesso de vendas. Segundo o jornal The Independent, mais de 300 milhões de unidades já foram vendidos. Não há registro de quantos consumidores conseguiram resolver o quebra-cabeça.

Em Santos, Gabriel Dechichi Barbar pagou o preço por usar um cubo imperfeito. Na categoria com uma só mão, o mineiro estava indo bem, girando os quadradinhos numa rapidez que tornava impossível aos espectadores visualizar as cores, quando uma pecinha se soltou e saiu caprichosamente rolando pela mesa da competição. Mesmo assim, Dechichi bateu o recorde sul-americano, com uma média de 16,57 segundos.

No fim da tarde, o estudante subiu novamente ao palco para a final da categoria principal. Sentou-se na cadeira de plástico diante de uma mesa com um grande mostrador digital. Um fiscal levou seu cubo até voluntários, que o embaralharam de acordo com um modelo gerado por computador. Em seguida, o quebra-cabeça foi colocado na mesa coberto por um recipiente. Com um movimento de cabeça, Dechichi deu um sinal para o juiz e o cubo foi revelado. Ele pôde examinar a configuração das cores durante quinze segundos, e a prova teve início.

O rapaz agarrou o brinquedo e começou a movimentar as peças freneticamente. Para quem via de fora, ele parecia estar girando aleatoriamente os lados do cubo em grande velocidade. De repente, Dechichi largou-o sobre a mesa e bateu as mãos no sensor que interrompeu o cronômetro. Estava resolvido: cada lado de uma cor, como se nunca houvesse existido outra formação. O mostrador marcava 9,47 segundos.

Dechichi saiu ovacionado. Enquanto autografava a camiseta de um garoto, no entanto, lamentou seu desempenho. “Não bati tantos recordes quanto queria” – foram apenas quatro sul-americanos. Ele atribui o rendimento decepcionante à falta de treino. Antes, costumava praticar até quatro horas diárias. Agora, quase não tem mais tempo. Culpa da faculdade. Para o segundo semestre, inscreveu-se em cálculo 3, dinâmica e cálculo numérico.

Tomás Chiaverini

Tomás Chiaverini é jornalista, autor do romance Avesso, publicado pela editora Global.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

Um ano, dois atos e a mesma dúvida

Manifestação em memória de Marielle Franco no aniversário de sua morte tem mais música e dança que há um ano, mas a mesma pergunta sem resposta: quem mandou matá-la?

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

Maria vai com as outras #4: Às vezes não gosto da minha cara

Uma modelo, uma estudante de medicina e uma tradutora falam sobre padrões de beleza, beleza como capital de trabalho e a obrigação social de ser bonita

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

O cabeleireiro do Cascão

Um trabalho digital de ponta

5

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

6

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

7

Minha dor não sai no jornal

Eu era fotógrafo de O Dia, em 2008, quando fui morar numa favela para fazer uma reportagem sobre as milícias. Fui descoberto, torturado e humilhado. Perdi minha mulher, meus filhos, os amigos, a casa, o Rio, o sol, a praia, o futebol, tudo

8

O silêncio do vereador

Uma semana com Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio

9

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista