esquina

Choque de elegância

Manual de etiqueta para vereadores

Roberto Kaz
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2017

Quem atentou ao nome artístico do empresário Pery Rodrigues dos Santos – mais conhecido como Pery Cartola – talvez adivinhasse o que vinha pela frente. Em janeiro, mal foi eleito presidente da Câmara dos Vereadores de São Bernardo do Campo, Cartola decidiu promover um choque de elegância na Casa. Debruçou-se sobre manuais de conduta de grupos privados, como a Gol, a Volvo e a Sociedade Brasileira de Coaching. Depois recorreu a textos pinçados em sites de empresas que, segundo definiu, “se preocupam com a imagem”, como o Habib’s e o Magazine Luiza. Ao fim de duas semanas, fez nascer sua própria obra, intitulada Manual de Respeito ao Cidadão. Distribuiu-a aos servidores da Câmara.

Em questão de dias, Cartola virou personagem nacional. “Câmara no ABC cria manual de conduta e inclui até como deve ser aperto de mão”, noticiou o site G1. “Vereador deve evitar beijinho e gravata de bichinho”, explicou o site da revista Veja. O Fantástico dedicou cinco minutos de uma noite de domingo para esmiuçar os pormenores do manual. “Sou um cara retraído, sofri muito com a exposição”, ele contou, numa conversa recente em seu gabinete na Câmara de São Bernardo. “Mas depois disso umas quinze cidades me pediram o manual, por terem problemas semelhantes.”

Pery Cartola é um homem tímido, de 37 anos, que namora a mesma mulher – com quem teve duas filhas – desde os 14 anos de idade. Formou-se em administração e foi dono de loja, mas no fundo sempre nutriu a esperança de seguir os passos do pai, Waldir Cartola, que chegou a ser deputado estadual por São Bernardo. Em 2012, Cartola, o filho, tornou-se vereador pelo Partido Popular Socialista. Quatro anos depois disputou a reeleição pelo Partido da Social Democracia Brasileira, tendo como plataforma os direitos dos animais. “Todas as leis de São Bernardo voltadas à proteção dos animais são de minha autoria”, lembrou o edil, com orgulho. Como se sagrou o vereador mais votado da cidade, no último pleito, acabou sendo escolhido também para presidir a Câmara.

Do alto de seu novo cargo, Pery Cartola resolveu combater certos hábitos que o haviam incomodado nos anos de simples vereança, em que militava como um a mais no plenário da Casa. “Venho da filosofia americana de fast-food, em que as empresas se preocupam muito com a imagem”, explicou ele, que é dono de uma filial da rede Habib’s. “E ouvia muita reclamação dos munícipes sobre a falta de preparo de quem trabalhava aqui. Não só sobre a vestimenta, mas sobre a educação das pessoas.” Como um João Doria, resolveu aplicar a lógica privada ao funcionamento da coisa pública. Surgiu então o código de conduta.

As primeiras reações na imprensa até foram positivas, lembrou Cartola. “Mas aí saiu uma matéria no ABCD, que é um jornal de viés petista”, lamentou. A reportagem citava trechos do manual que diziam respeito à vestimenta (mulheres deveriam ter “cuidado com babados e rendas”, aos homens cabia evitar “gravata de bichinho”); ao perfume (elas deveriam priorizar “colônias frescas ou lavanda”, eles deveriam evitar essências fortes); e à forma do cumprimento (o aperto de mão, para homens e mulheres, deveria “ser firme com três sacudidas”). O tratado, que entre outras normas de etiqueta contraindicava o uso de meias claras com terno escuro, foi logo criticado por vereadores e pelo presidente do sindicato dos servidores públicos de São Bernardo. “O documento tinha 29 páginas, e só uma delas falava de vestimenta”, lamentou Cartola. “Tentaram deturpar o que eu fiz.”

Dias depois, cioso da reação negativa, o presidente da Câmara de São Bernardo fez um recall do texto original, retirando-o de circulação.

 

O manual atual, com onze páginas a menos, versa de forma mais sóbria sobre os modos dos funcionários. “Seja qual for o local de trabalho, é preciso ter bom senso para não cair na vulgaridade”, recomenda o texto, na seção sobre indumentária. “Não é permitido trabalhar com trajes de descontração, bermuda, shorts, regatas, chinelos, camisa de times.”

Há dicas para quem organiza uma reunião. “Você que convocou a reunião, chegue antes dos convidados. É muito deselegante atrasar-se e deixá-los esperando”, diz o texto, lembrando também que é fundamental servir “água e café”. Há sugestões, também, para quem se ocupa do telefone: “Procure atender no máximo até o terceiro toque e evite perguntar ‘Quem fala?’. Só faça esta pergunta se não conseguir identificar quem está falando.”

Na nova versão do manual, aboliu-se a exigência do aperto de mão com exatas três sacudidas, mas as formas de cumprimento continuam tendo relevância. “‘Bom dia’, ‘Por favor’, ‘Com licença’, ‘Obrigado’ (Homem) e ‘Obrigada’ (Mulher)”, enumera o guia de etiqueta, são “palavras importantes para o relacionamento diário”. Há, por fim, um trecho que trata do eterno dilema de saber o que se deve fazer com a carne onde se ganha o pão. “Namorar um colega de trabalho não é proibido”, explica o documento. “Se você estiver namorando um colega, discrição é o principal mandamento. Respeite o seu horário de trabalho, não namore pelos corredores, ao telefone, e-mail, MSN corporativo e similares. O namoro é para o final de expediente e em outros locais.”

Apesar de culpar a imprensa pelas críticas e dores de cabeça que enfrentou, Pery Cartola admite que a primeira versão do manual era algo exagerada. “Minha esposa e minhas filhas haviam dito que poderia dar problema, mas não ouvi com atenção. Naquele momento eu precisava chocar”, explicou, justificando, com um exemplo específico, as medidas quase desesperadas: “A gente era motivo de chacota por causa de funcionário que vinha de terno, gravata e meia branca.” Desde então, garante o vereador, heresias desse tipo não ocorreram mais. “As reclamações caíram muito. E não temos mais os excessos. Você anda nos corredores da Câmara e vê o resultado.”

Roberto Kaz

Roberto Kaz

Roberto Kaz, repórter da piauí, é autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty