esquina

De Jetsons a Flintstones

Desencantos tecnológicos do IBGE

Gustavo de Paula
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

Com certo alarde, o IBGE divulgou em abril o início da contagem da população brasileira em cidades de até 170 mil habitantes. A pesquisa é importante porque a partir do número de moradores de um município, o governo calcula o repasse de verbas para as prefeituras. O minicenso tinha duas novidades. O questionário traria uma questão inédita: “O cônjuge é do mesmo sexo?”. A intenção da pergunta é estimar o número de casais gays. A segunda inovação tinha cunho tecnológico. Assim como ocorreu com as urnas eletrônicas, o Brasil sairia na frente ao abandonar lápis, caneta e papel nos levantamentos demográficos. Pela primeira vez, palmtops seriam usados para gravar e transmitir informações de uma pesquisa desse porte.

Foram gastos 91,8 milhões de reais para comprar 82 mil aparelhinhos, feitos em Taiwan. Com eles, em vez de marcar o xis no papel, o entrevistador iria apenas clicar com a caneta de plástico na tela. Os resultados seriam processados em menos da metade do tempo exigido pela compilação manual.

Eram quase 8 da manhã de 16 de abril, início da pesquisa, quando o aposentado Luiz Carlos Curty Moreira foi buscar o crachá com seu nome (errado: “Corty”) e o palmtop no Ciep de Engenheiro Pedreira, em Japeri, na Baixada Fluminense. Ele é um dos 60 mil recenseadores recrutados por concurso público (750 mil inscritos) no ano passado. Durante três meses, o batalhão deve correr o Brasil para fazer 30 milhões de entrevistas. Todos participaram de um curso de 25 horas-aula para aprender a abordar a população e mexer no aparelhinho. Mas boa parte da turma ficou mesmo é transferindo arquivos pessoais de música e fotos. “Deixamos para facilitar a adaptação dos recenseadores”, explicou um figurão do IBGE. Quando o trabalho começou pra valer, a ferramenta foi bloqueada.

Costeleta e bigode bem aparados, camisa pólo verde e cinza, bolsa preta a tiracolo, calça jeans, Luiz Moreira, aos 61 anos, é um veterano das pesquisas. Desde 1970, já participou de nove levantamentos do IBGE. O bico engrossará a renda familiar em até 500 reais por mês. O valor depende do número de entrevistas; os recenseadores são remunerados por produção. Cada entrevista vale de 18 a 46 centavos, conforme a localização da área visitada.

Já no primeiro dia, Moreira soube que apenas quatro dos 29 palmtops de seu setor estavam funcionando. Saiu a campo com três colegas. Ao meio-dia, tentava ligar o aparelhinho pela décima vez. Nada. Só aparecia na tela o desenho de uma ampulheta rodando. “Esse treco não funciona”, disse. Depois de uma hora de tentativas frustradas, voltou para casa sem ter entrevistado ninguém.

Soube-se que parte da rede de transmissão de dados havia pifado. Por isso, a maioria dos aparelhinhos inteligentes não pôde nem ser carregada. Na verdade, quatro dias depois do início da pesquisa, o IBGE só havia conseguido programar 4 mil palms. Levaria ainda quase três semanas para completar o serviço.

No segundo dia, Moreira tomou uma decisão arriscada. Resolveu anotar as entrevistas à mão, num caderno de espiral. Achava que lidar com o aparelhinho era muito difícil. Sua desenvoltura eletrônica se resumia ao controle remoto da televisão. “Eu só tive dois dias para aprender a mexer naquilo”, disse. Incumbiu a filha mais velha de passar as entrevistas do caderno para o aparelhinho todas as noites antes do final da novela das oito.

Para implantar o uso dos palmtops em censos (os Estados Unidos, esse paisinho que ainda está na idade da pedra, tecnologicamente falando, só pensam em fazê-lo por volta de 2 010), o IBGE montou uma estrutura formidável. Todas as cidades seriam habilitadas a transmitir os dados. Foram instalados 1 111 computadores em escolas, prefeituras e associações, para enviar as pesquisas por cabo ou via satélite diretamente à sede do instituto, no Rio de Janeiro. Nas outras 4 500 bases, onde não havia computador, as informações seriam passadas por Bluetooth, recurso que conecta o palmtop a um modem sem usar fios.

No meio do terceiro dia, Moreira se sentiu perdido. Estava diante de uma casa que ele não sabia se integrava o seu setor ou se era atribuição de um colega. Tentou então se localizar num mapa de papel. Outro problema ocorrera com o palmtop: a conexão capenga não permitiu baixar um programa chamado GeoPad, que exibiria um mapa digitalizado da área destinada a cada recenseador. Na dúvida, Moreira resolveu fazer a entrevista. Gastou 25 minutos. No fim do dia, o supervisor informou que aquela casa estava fora do seu setor. O trabalho havia sido em vão. O GeoPad nunca funcionou.

 

Em Japeri, os chefes de Moreira descobriram que ele e metade dos colegas boicotavam o palmtop. “Resolvemos fazer vista grossa porque, na verdade, os que estavam anotando à mão trabalhavam melhor, mais rápido”, disse um dos chefes, que preferiu ficar anônimo “para não criar confusão com o pessoal”.

No início da segunda semana, Moreira foi informado de que devia ficar em casa. Havia um problema técnico: era impossível transmitir os dados do posto de Japeri. Segundo o IBGE, o problema estava nas linhas telefônicas. “Temos de usar linhas locais, que são de péssima qualidade, para discar o 0800 da Embratel”, explicou Heleno Mansoldo, coordenador de informática do censo. Em junho, cerca de 500 postos continuavam sem condições de transmitir qualquer tipo de informação.

O mesmo ocorreu com as transmissões via satélite. Nos 583 municípios em que se programou o uso da tecnologia, o resultado foi um fiasco. Bastava chover para o vento deslocar a antena, interrompendo a conexão.

Moreira passou a enfrentar outro problema desmoralizante: o pagamento do posto de Japeri estava um mês atrasado. O sistema que controla o trabalho do entrevistador e o impede de inventar entrevistas (logo, também de incrementar artificialmente seus vencimentos) tinha travado. O IBGE não podia calcular quem tinha feito o quê. E, portanto, não podia estabelecer o salário de cada um. Em 8 de junho, quase dois meses depois de ter começado as entrevistas, Moreira ainda não tinha visto a cor do dinheiro.

E o processo continuava caótico. Foi quando o IBGE resolveu lançar mão de outra tecnologia de ponta: o correio. Autorizou os postos a copiar os dados em CD e mandá-los por malote. Também permitiu que os entrevistadores enviassem as informações das pesquisas de seus computadores domésticos. Ou seja: depois da janta, o recenseador, de pijama e banho tomado, instalado na sala de sua casa, poderia passar ao IBGE os dados de uma das maiores e mais importantes pesquisas brasileiras. Como começou a dar certo, a ousadia foi além: liberou-se a utilização dos serviços de cibercafés e lanhouses para transmitir os dados.

Em Japeri, foi comunicado aos recenseadores que a última entrevista – a lápis, vá lá – precisa ser feita até o dia 31 de julho. O resultado tem de estar pronto um mês depois. Com ar desconfiado, Luiz Moreira disse: “Quero só ver”.

Gustavo de Paula

Leia também

Últimas Mais Lidas

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

AO VIVO: assista à Maratona Piauí Serrapilheira

Evento reúne grandes cientistas para falar sobre o futuro próximo da ciência brasileira

De Sanctis, de proscrito a guru

Depois de sete anos na geladeira, o juiz Fausto De Sanctis está de volta à área criminal – e é procurado para conselhos por colegas como Bretas

Saiba como acompanhar a Maratona

Haverá cobertura e transmissão ao vivo pela internet

Mais textos