questões de poder I

A democracia na crise da meia-idade

As atuais ameaças à ordem democrática são muito diferentes do fascismo e dos golpes do passado

David Runciman
Quando um homem na crise da meia-idade compra uma motocicleta, sempre há algum perigo, mas nada que se compare ao de um jovem de 17 anos com uma moto. A democracia americana está vivendo a sua crise da maturidade – e Trump é a motocicleta
Quando um homem na crise da meia-idade compra uma motocicleta, sempre há algum perigo, mas nada que se compare ao de um jovem de 17 anos com uma moto. A democracia americana está vivendo a sua crise da maturidade – e Trump é a motocicleta FOTO: AP PHOTO_PATRICK SEMANSKY

Nada dura para sempre. A democracia sempre esteve destinada a passar para as páginas da história, em algum momento. Ninguém, nem mesmo Francis Fukuyama – que anunciou o fim da história em 1989 –, jamais acreditou que as virtudes do regime democrático bastariam para torná-lo imortal. Mas até bem pouco tempo atrás, a maioria dos cidadãos das democracias ocidentais poderia imaginar que o fim ainda estava distante. Jamais esperariam que isso ocorresse durante as suas vidas. Pouquíssimos pensariam que pudesse vir a acontecer diante dos seus olhos.

No entanto aqui estamos, antes que a segunda década do século XXI chegue ao fim, e de súbito essa questão se coloca: é assim que acaba a democracia?

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

David Runciman

David Runciman é professor de política na Universidade de Cambridge

Leia também

Relacionadas Últimas

O Brasil e a recessão democrática

Como o cenário político global ajuda a entender a nossa crise – e vice-versa

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Foro de Teresina #54: O trânsito de Bolsonaro, o bate-cabeça da oposição e o elogio da agressão

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4
5

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

7

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

9

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

10

Bolso esvazia bolsonarismo

Estagnação da economia é a maior razão de arrependimento de quem votou em Bolsonaro mas acha o governo ruim ou péssimo