esquina

A dinastia de Tieta

A cachorrada ilustre de Brasília

Carol Pires
Andrés Sandoval_2018

Quem é convidado para jantar na casa do deputado piauiense Heráclito Fortes, no Lago Sul, em Brasília, invariavelmente espera pelo anfitrião, sempre atrasado por causa  dos compromissos na Câmara. Enquanto isso, quem faz sala é Tieta, uma cadela da raça jack russell terrier. Na presença de estranhos, Tieta se apressa em sentar na poltrona preferida de Fortes, de estilo barroco e em couro marrom, comprada em Miami. Dali não arreda a pata até que o titular chegue para ocupá-la.

Simpática e vigilante, Tieta é branquinha com as orelhas pretas e não tem mais que 30 centímetros de altura. Costuma mordiscar canelas à mostra. Ciumenta, ataca mulheres de saia, mas não as que vestem calça. Na hora do jantar, se aquieta à espera que o dono – escondido de Mariana, sua mulher – lhe dê algum petisco. Sentada embaixo da mesa, em seus 3 anos de vida a cadelinha acompanhou os principais bastidores da política brasiliense. “Tieta é uma dama”, disse Fortes à piauí. “Me ajuda. Participa das rodas. Foi testemunha ocular do impeachment.” (Na hora do voto, porém, o deputado dedicou o “sim” à mulher, às filhas e aos netos – Tieta não foi lembrada.)

Derrotado na tentativa de reeleger-se senador pelo DEM em 2010, quando o ex-presidente Lula o escolheu como desafeto prioritário a ser abatido nas urnas, Fortes voltou para Teresina e passou um tempo expatriado da política brasiliense. Na mesma época perdeu seu cachorro de longa data, o maltês Lilito. “Fica um vazio, né?”, ele comentou.

Tieta, hoje conhecida como “a mascote do impeachment”, é o símbolo da volta por cima de Fortes. Acompanhou o dono quando ele regressou a Brasília em 2014 – ano de reeleição de Dilma Rousseff –, eleito pelo PSB. Enquanto o deputado se articulava para retomar seu lugar no olimpo da oposição, ela namorou Xavier, outro jack russell de Fortes, e teve filhotes, um dos quais hoje mora no Palácio do Jaburu. Oferecido a Michelzinho, filho do presidente Temer, o primogênito de Tieta é o primeiro-cão Picoly.

O canil pode dizer muito sobre os ocupantes de um palácio. Os Obama tinham Bo e Sunny, cães d’água portugueses simpáticos e cheios de energia, enquanto Donald Trump é o primeiro presidente norte-americano em 150 anos a não criar um cachorro na Casa Branca. Já Vladimir Putin se vale das mascotes para endossar sua política externa agressiva: em 2007, o presidente russo levou sua cadela Koni, um portentoso labrador preto, a uma reunião com a chanceler alemã Angela Merkel, que não esconde seu medo de cães. E, no Palácio de Windsor, o canil vem passando por uma debacle: em abril morreu Willow, o último dos trinta cachorros corgi da rainha – ele desfilou na Olimpíada de Londres e até saiu na capa da Vanity Fair, clicado pela fotógrafa-celebridade Annie Leibovitz.

Na Venezuela, Hugo Chávez tinha um cachorro mucuchí, única raça nativa do país, de nome Nevado. Como símbolo do legado bolivariano, o irmão de Chávez presenteou Cristina Kirchner com um filhote que ela batizou de Simón. E, se o ex-presidente colombiano Álvaro Uribe, um representante da alta sociedade, anda acompanhado de seu pug, o uruguaio José Mujica, conhecido como “o presidente mais pobre do mundo”, cuida de Manuela, uma vira-lata perneta.

Já em Brasília, um dos cães mais conhecidos da cidade foi Nego. Labrador do ex-todo-poderoso José Dirceu até o dono cair no escândalo do mensalão, acabou nas mãos de Dilma Rousseff, que também herdou de Dirceu o cargo na Casa Civil, a residência oficial e o posto de sucessora de Lula. Nego ficou famoso ao aparecer na primeira campanha de Dilma caminhando com ela pela orla do lago Paranoá. Com a eleição da dona, foi morar no Palácio da Alvorada, onde corria atrás das emas que vivem por lá. Terminou exilado na Granja do Torto. No segundo mandato de Dilma, Nego adoeceu e, tal qual a crise política, entrou em fase acelerada da doença em dezembro de 2015. Diagnosticado com mielopatia degenerativa canina, ele estava cansado – fazia catorze anos que vivia no centro do poder. Sucumbiu durante o processo de impeachment.

Foi no ocaso de Nego que nasceu Tieta, a jack russell de Heráclito Fortes. Não muito comum no Brasil, a raça, de origem inglesa, é muito usada na caça à raposa ou no pastoreio de ovelhas. No léxico brasiliense, dir-se-ia que ela articula a maioria. “Eles usam desse cachorro pra organizar o rebanho. É uma coisa muito engraçada, ele pula, corre atrás, morde a canela do carneiro”, diverte-se o deputado.

À imagem dos cargos no governo, os frutos das duas ninhadas de Tieta foram distribuídos entre os aliados do dono. Ela é mãe da cachorrada mais ilustre de Brasília. Bom emedebista, Temer foi o primeiro a reclamar seu quinhão. Já presidente interino, em uma visita a Fortes ele viu os rebentos e perguntou se “já estavam todos comprometidos”. Thor, seu golden retriever, era muito grande para brincar com Michelzinho, então com 7 anos. Tão logo Temer voltou da primeira viagem como presidente empossado, um filhote de Tieta foi morar no Jaburu.

Picoly – nome dado por Michelzinho – andou agitando a vida no palácio. Recentemente, o cãozinho quase se afogou no lago Paranoá ao perseguir um pato. Diante da inércia dos agentes que faziam sua segurança, a primeira-dama não hesitou em se jogar na água para salvar o animal. Não tardou para que o jornalista Ricardo Noblat revelasse nas redes sociais que a imprensa também tinha sido contemplada na partilha dos filhotes de Tieta: o cachorro dele é irmão de ninhada de Picoly e ganhou o nome de Uber.

Outro filhote de Tieta, um ano mais novo que Picoly e Uber, é Google, que Fortes deu a outro aliado, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco. Ganhou esse nome porque “é uma coisa nova, moderna, útil”. No caso dele, nem tão útil por enquanto: tem sido visto com um adestrador, contratado para atenuar sua elevada autoestima (avança em cachorros muito maiores que ele).

“Ofereci um para o Moreira porque ele é um invejoso”, contou Fortes. “Viu que eu tinha dado um a Michel e ficou cobiçando.” A princípio o ministro lhe disse que o filhote era para o neto, que é filho de Rodrigo Maia, presidente da Câmara. “Mas ele está com o cachorro até hoje. Procure saber.”

Procurado, Moreira Franco negou a alegação. “Pensei que ele tinha me dado porque somos amigos há décadas”, protestou. “Mas, agora que eu sei que o Noblat também ganhou um, entendi que ele está fazendo política com aquela cachorra.”

Carol Pires

Carol Pires é colaboradora do New York Times en Español e redatora do Greg News, na HBO. Foi repórter da piauí de 2012 a 2016

Leia também

Últimas Mais Lidas

O lobby como antídoto

O grupo de pressão da indústria perdeu a sétima batalha seguida para o lobby dos artistas e ambientalistas na votação do “PL do Veneno” – mas a guerra continua

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

Foro de Teresina #6: O aborto na eleição, os paradoxos de Marina e a absolvição de Gleisi

O podcast de política da piauí debate o impacto da descriminalização do aborto na Argentina sobre as eleições brasileiras, as contradições de Marina Silva e o revés da Lava Jato no caso Gleisi Hoffmann

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #2

Em seu segundo episódio, o podcast que não tem compromisso com a eternidade debate o talento da equipe do Marrocos e o potencial sísmico dos torcedores mexicanos

45 anos de pena por um palpite errado

Titular da seleção de 50, Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo; De Gea é candidato a descobrir

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

Mais textos
1

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

2

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

3

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

4

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

5

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

6

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

7

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

8

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira