anais da tecnologia

Dois anos que abalaram o Facebook – e o mundo

Como a maior empresa das redes sociais tomou o rumo do desastre

Nicholas Thompson e Fred Vogelstein
A ambição de Zuckerberg tinha sido criar outra internet, ou talvez outro mundo, dentro do Facebook, e induzir as pessoas a usá-lo ao máximo; o modelo do negócio se baseava na publicidade, que tem apetite infinito pelo tempo das pessoas
A ambição de Zuckerberg tinha sido criar outra internet, ou talvez outro mundo, dentro do Facebook, e induzir as pessoas a usá-lo ao máximo; o modelo do negócio se baseava na publicidade, que tem apetite infinito pelo tempo das pessoas FOTO: MISTER THOMS

I

Num dos últimos dias de fevereiro de 2016, Mark Zuckerberg fez circular um memorando entre todos os funcionários do Facebook, tratando de um gesto inquietante da parte do pessoal. A mensagem dizia respeito a certas paredes da sede da empresa, em Menlo Park, na Califórnia, usadas como um mural onde qualquer funcionário pode deixar sua assinatura ou escrever algumas palavras. Em mais de uma ocasião, alguém tinha riscado as palavras Black Lives Matter [Vidas Negras Importam] e escrevera por cima All Lives Matter [Todas as Vidas Importam]. Zuckerberg queria que o responsável parasse com aquilo. “Que Vidas Negras Importam não significa que as demais não tenham importância”, dizia o memorando. “Nunca impusemos regras sobre o que as pessoas podem ou não escrever nos nossos murais”, continuava o texto, mas “riscar o que outro escreveu significa silenciar a palavra alheia, ou [dizer] que a palavra de uns vale mais que a de outros.” As rasuras, afirmava, estavam sendo investigadas.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Nicholas Thompson

Nicholas Thompson é diretor de redação da Wired.

Fred Vogelstein

Fred Vogelstein é editor da Wired.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Do porto de Santos à marina em Miami

Afilhado político de Temer que comandou Codesp acumula patrimônio milionário e offshore no Caribe

O Brasil dos debates e o Brasil real

Temos apenas 45 dias para falar sobre os reais problemas do país

Foro de Teresina #14: O ventríloquo de Haddad, a sucessão no Rio e o primeiro-ministro de Bolsonaro

O podcast de política da piauí debate os desdobramentos mais recentes da corrida eleitoral

O Animal Cordial – horas de desespero em noite de cão

Para crítico, a violência extrema anula os propósitos libertários almejados pelo longa

Muito Deus, pouca mulher

Uma análise visual dos programas de governo dos candidatos a presidente

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

Produtor de soja do MS é autor de “outdoor rural” pró-Bolsonaro

Projeto Comprova descobriu quem é o responsável pela imagem que viralizou e circula na internet desde o ano passado

A culpa do alto clero

Arranjo institucional do país aumenta a influência do dinheiro na política

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

Mais textos
1

A guerra do PCC

Facção se internacionaliza com tráfico de cocaína, e pela primeira vez Marcola vê seu poder ameaçado

2

O debate traduzido para o mercado financeiro

Em pesquisa para bancos, Ciro foi apontado como o candidato mais simpático, e Bolsonaro, o mais alvejado; piauí acompanhou o programa em consultoria que monitora redes sociais para as instituições

3

Alexandre, o Grande

Lembranças de uma vida inimitável

4

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

5

A morte de um “X-9” ameaça a paz de Marcola no PCC

Galo Cego era considerado um traidor por parte da facção; foi a quinta morte na guerra interna do “partido”

6

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

7

Muito Deus, pouca mulher

Uma análise visual dos programas de governo dos candidatos a presidente

8

No sofá, com a crise

Desempregados passam a lavar carros em ruas do Rio e serviço conta até com sofá para os clientes. Um deles pergunta: “Prefere que eu assalte?”

9

Dívida milionária, tortura psicológica e chacina sem tiros intrigam polícia

Em Santa Catarina, família é assassinada com uso de técnica de asfixia química até então desconhecida por investigadores

10

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais