esquina

Einstein versus Einstein

Davi derrota Golias no tribunal

Roberto Kaz
Andrés Sandoval_2018

O dentista Einstein Oliver tomou um susto quando entrou no site do Superior Tribunal de Justiça numa terça-feira de abril. Emocionado, chamou os filhos e ligou para a advogada. “Foi unânime!”, repetiu aos prantos enquanto lia as páginas do acórdão. Era sua primeira vitória após dezessete anos de uma batalha judicial que ele travava contra o Hospital Israelita Albert Einstein, um dos maiores de São Paulo, situado no bairro do Morumbi.

O duelo de Einstein, o dentista, contra Einstein, o hospital privado, começou no dia 16 de fevereiro de 2001, quando Oliver foi visitado por um oficial de cartório em seu pequeno consultório – o Instituto Einstein de Saúde –, localizado num bairro de classe média baixa paulistano. O oficial trazia uma notificação extrajudicial, em que o dentista era acusado de fazer uso ilegal da marca “Einstein”, já registrada pelo hospital. O estabelecimento exigia que o nome da clínica dentária fosse mudado em oito dias. Três meses depois, o dentista foi processado.

Einstein Oliver é um homem grande e desajeitado de 50 anos que mora com os três filhos num sobrado em São Paulo. Nasceu em São José do Rio Preto, filho de um Pitágoras e irmão de um Thales (o avô gostava de matemática). Morou também em Barretos e Piracicaba, o que acabou por lhe conferir um sotaque caipira triplamente destilado. Foi na cidade natal que abriu sua primeira clínica, o Instituto Einstein da Boca, especializado em implantes dentários.

Em 1999, Oliver mudou-se para São Paulo com a família. Nos primeiros anos na capital, trabalhou como autônomo, num consultório montado num imóvel que pertencia ao então sogro. Em 2001, decidiu abrir uma empresa própria para diminuir o custo com impostos. Foi ao cartório disposto a registrar o nome da clínica que abrira em Rio Preto. O tabelião, no entanto, insinuou que o termo “boca” remetia às bocas de fumo, e o convenceu a trocá-lo por “saúde”. A consulta aos arquivos municipais indicou que o nome estava vago, e a empresa foi registrada conforme a sugestão do tabelião.

Semanas depois, Oliver foi notificado pelo hospital. Vieram em seguida o processo e uma liminar que o impedia de usar a expressão “Albert Einstein” em qualquer contexto comercial, sob pena de multa diária de mil reais. De nada adiantou argumentar que ele já não o fazia (afinal, Oliver usava apenas seu prenome, sem o Albert). Receoso, achou por bem trocar o letreiro por outro mais genérico, que dizia apenas “Clínica de cirurgias e consultório dentário”.

Não bastasse a encrenca com o hospital, pouco tempo depois o Conselho Regional de Odontologia fez uma visita de fiscalização e determinou que o dentista voltasse a incluir seu nome na placa, para se adequar ao estatuto da entidade. Encurralado, Oliver capitulou. “Tirei a placa, tirei tudo. Parei também de anunciar em jornal de bairro, porque a liminar impedia qualquer tipo de publicidade.” Sua clientela, que já não era vasta – “Quem faz implante dentário não costuma contar pros amigos” – evaporou de vez. Em 2012, o dentista passou a vender linguiça.

Representado por um escritório de advocacia especializado em marcas e patentes, o Hospital Albert Einstein acumulou sentenças favoráveis à medida que o processo tramitava nas varas de São Paulo e Brasília. Em 2010, às vésperas do julgamento em segunda instância, o advogado de Oliver deixou o caso. O dentista recorreu então a uma vizinha, Emília Soares de Souza, de 77 anos, que era mãe de um cliente do seu consultório.

Souza não cobrou nada de Oliver e entrou no caso desesperançosa. “Era um hospital gigante contra uma advogada sem nome e nem banca.” Para reivindicar o direito sobre a marca “Albert Einstein”, o estabelecimento alegou que Hans Albert, filho do cientista, dera o consentimento verbal para assentar a pedra fundamental da construção numa visita a São Paulo em 1958. A advogada intuiu que poderia virar o jogo se tivesse acesso ao testamento do físico alemão.

Após ler biografias e cartas de Einstein, Souza encontrou uma cópia do testamento nos autos de outro processo envolvendo uma disputa pelo nome do cientista, no qual o hospital também era parte. “Einstein se divorciou quando Hans era adolescente e fez seu testamento em nome da secretária e da enteada”, explicou a advogada. “Depois da morte delas, tudo ficaria sob a guarda da Universidade Hebraica de Jerusalém.” O filho Hans, portanto, não teria a prerrogativa de autorizar ou não o uso do nome do pai, de acordo com seu raciocínio.

O argumento não convenceu os desembargadores de São Paulo, nem o ministro Marco Aurélio Bellizze, do STJ, que decidiu em favor do hospital de maneira monocrática. Parecia o fim da linha para o dentista. Só que a jurisprudência registrava casos similares que, no passado, haviam sido julgados com resultado oposto em instâncias inferiores (uma das decisões favoreceu a rede americana de restaurantes Einstein Bros., que pretendia se instalar no Brasil). A advogada fez um agravo interno no próprio STJ, que culminou com a vitória de Oliver em abril. O hospital ainda pode entrar com recursos protelatórios.

“É um caso de má-fé”, alegou a advogada Lorimary Gomes Garcia, que representa o hospital. O dentista, argumentou ela, poderia ter registrado a empresa com o nome completo, mas não o fez. “O problema é também do consumidor, que confia na marca Albert Einstein e pode ser induzido ao erro.” Por fim, concluiu Garcia, deveria prevalecer o critério de anterioridade. “O hospital começou a ser erguido antes de o senhor Einstein Oliver nascer.”

O dentista continua vendendo linguiça, que traz de São José do Rio Preto e repassa para restaurantes de São Paulo (escaldado, batizou a nova empresa com nome e sobrenome: Einstein Oliver Comércio de Produtos Alimentícios Ltda.). Pretende reabrir o consultório, sem prejuízo para a venda de embutidos. “Vai me custar mais de 50 mil reais, mas dou um jeito.” O nome? “Instituto Einstein de Saúde, claro.” Suspirou. “O Einstein da saúde sou eu.”

Roberto Kaz

Roberto Kaz

Roberto Kaz, repórter da piauí, é autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

Novo cargo, novo trampolim para Doria no Facebook

Depois de quase dois anos de queda, interações no perfil do tucano mais que dobram após a posse; movimento é atípico em relação a outros governadores

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Mais textos
1

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

2

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

3

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

4

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

5

Genocídio

Em reportagem de 1969, o extermínio sem fim dos índios no Brasil

7

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século

8

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

10

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional