esquina

Em águas turvas

A substituta de Sérgio Moro

Julia Duailibi
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

Era dia de competição, e o grupo de nadadores se encontrou logo cedo na sede do Círculo Militar do Paraná, um clube em Curitiba. De lá partiram em dois carros até a represa do Capivari, distante 70 quilômetros da cidade. Embora já fosse dezembro, fazia frio. As ruas tinham pouco tráfego naquela manhã nublada de domingo. Na bagagem, os atletas levavam macacões de borracha. Serviriam para tornar suportável o mergulho na represa de coloração verde-escura, às margens da BR-116.

Pouco a pouco, dezenas de nadadores se concentravam à beira d’água, as toucas coloridas, óculos de natação na cabeça ou cobrindo os olhos. Às 9h34 foi dada a largada. Os competidores mergulharam, prontos para matar, não no peito, mas a braçadas, os 2 quilômetros da maratona aquática. Não demorou muito para que uma das nadadoras se destacasse e tomasse a frente do grupo: a magistrada Gabriela Hardt.

Alta, cabelos claros, porte atlético e músculos bem definidos, a juíza federal de 42 anos está acostumada a nadar em “águas turvas”, expressão que foi usada pela presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, para se referir aos casos de corrupção revelados pela Operação Lava Jato. Há dois anos, Hardt é substituta direta do juiz Sérgio Moro na 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba – e, neste mês de janeiro, Moro está de férias. A juíza-nadadora passa a ser, portanto, responsável pela ação judicial mais importante do Brasil. Deve encarar águas mais revoltas que as da represa do Capivari.

Dias antes daquela competição, no final de novembro, deputados federais haviam aprovado a toque de caixa e na calada da noite mudanças num pacote anticorrupção que havia sido proposto por iniciativa popular. Entre as “inovações” dos legisladores, muitos deles ameaçados por acusações vindas de Curitiba e ligadas à corrupção na Petrobras, estava a possibilidade de juízes responderem por abuso de autoridade caso atuassem com “motivação político-partidária”. A iniciativa foi interpretada como uma retaliação a Moro e aos investigadores da Lava Jato.

Hardt usou o Facebook para reagir, no dia seguinte à votação. “Que juízes e promotores os brasileiros esperam [ter] depois dessa?”, reclamou. O pacote ainda precisa tramitar no Senado antes de ser aprovado. Em outro comentário na rede social, a juíza mostrou-se aguerrida: “Vamos gritar”, declarou. Naquele domingo, enquanto ela disputava a maratona aquática, milhares de manifestantes começavam a se concentrar nas ruas de Curitiba – e de outras capitais brasileiras – em defesa de Moro e da Lava Jato.

 

Gabriela Hardt nasceu em Curitiba, mas foi registrada em São Mateus do Sul, no Paraná, a cerca de 155 quilômetros da capital. Na cidade, onde cresceu, ainda funciona uma usina da Petrobras que processa xisto e transforma a rocha em combustível. Seu pai, o engenheiro químico Jorge Hardt Filho, trabalhou na empresa por mais de duas décadas. Numa espécie de desabafo, no início deste ano, ele publicou um comentário num site de notícias: “A quadrilha do Lula instalada na Petrobras não roubou só bilhões. Roubou o futuro da empresa.”

No clube dos empregados da estatal, a menina aprendeu a nadar e começou a competir. Ia com frequência treinar na piscina, ainda cedo, antes das aulas. Ao sair da escola, voltava ao clube e praticava um pouco mais.

Quase seguiu a carreira do pai – poderia ter até se tornado, quem sabe, funcionária da Petrobras –, mas depois de dois anos estudando engenharia química decidiu-se pelo direito, cursado na Universidade Federal do Paraná. Em 2007, prestou concurso para juíza. Foi designada, em 2009, para a Justiça Federal em Paranaguá, no litoral do estado. Com um mês na função, determinou a incineração de 3,8 toneladas de cocaína, apreendidas no porto. Em 2010 seria transferida para Umuarama, no noroeste do estado. Ali mandou prender um ex-deputado acusado de contrabando e formação de quadrilha. Voltou para Curitiba em 2014, dessa vez na função de juíza substituta na 13a Vara, quando começou a acompanhar de perto o trabalho do juiz Sérgio Moro.

Hardt é considerada uma juíza receptiva aos pleitos dos policiais federais e dos procuradores. Em outubro de 2014, a magistrada compartilhou em sua página do Facebook uma nota da Associação dos Juízes Federais em apoio à Lava Jato. Aproveitou para elogiar Moro, asseverando que “a retidão e a dedicação” do colega eram motivo de inspiração para a sua própria “atividade judicante”. Não ficou nisso. “Nosso país terá muito a ganhar se um dia ele vier a integrar a Corte Suprema”, escreveu. Dada a quantidade de inimigos que o juiz anda fazendo em Brasília, a proposta tem pouca chance de vingar.

Em janeiro de 2015, quando substituiu Moro pela primeira vez, Hardt determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil de Lula e dono de uma consultoria acusada de receber, ilicitamente, 4 milhões de reais de construtoras envolvidas na Lava Jato. Quando não está encarregada de vestir a toga do colega, a juíza acompanha de camarote o trabalho de Moro e cuida dos próprios casos. Continua a nadar e a participar de maratonas aquáticas pelo Brasil. Costuma disputar os primeiros lugares. Não raro, alcança algum degrau no pódio.

 

Pouco mais de meia hora depois de os maratonistas se jogarem nas águas escuras da represa do Capivari, já se podia avistar a vencedora da categoria feminina, que dava as últimas braçadas na direção da linha de chegada. Com o tempo exato de 33 minutos, 42 segundos e 48 milésimos, Gabriela Hardt fez as demais competidoras, algumas vinte anos mais jovens que ela, engolirem água. Chegou três minutos na frente da segunda colocada.

Dali a pouco ela já esperava, às margens da represa, o momento de subir ao pódio. Havia retirado o macacão de borracha e vestido um conjunto esportivo preto, formado por maiô e saia. Calçou tênis, prendeu um rabo de cavalo e pôs os óculos escuros. O troféu era um pouco estranho, em forma de tubarão-martelo. Quando o levantou sobre a cabeça, Hardt não afetou modéstia: posou para as fotos exibindo um muque ameaçador e bem torneado no braço direito.

Julia Duailibi

Julia Duailibi trabalhou na piauí, na TV Bandeirantes, na Folha de S.Paulo, na Veja e n’O Estado de S. Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

Maria vai com as outras #2: Mulheres na ciência

Ana Carolina Carnaval, bióloga e professora universitária, e Luize D’Urso, medalhista em olimpíadas de matemática, conversam com Branca Vianna sobre a presença feminina na pesquisa científica

Os nossos astronautas

Os diretores de Futebol explicam por que escolheram o esporte como tema da série documental*

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

Foro de Teresina #5: Epidemia de homicídios, o fracasso da vacina e a Copa da fisiologia

O podcast de política da piauí debate o quadro da violência no Brasil, a expansão do crime organizado e a corrida por alianças na eleição presidencial

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

De volta ao quintal

Apoiado pela diplomacia brasileira, Trump tenta retomar a influência sobre a América Latina, com sanções econômicas e pressão para derrubar regime na Venezuela

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

Mais textos
1

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

2

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

3

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

4

De volta ao quintal

Apoiado pela diplomacia brasileira, Trump tenta retomar a influência sobre a América Latina, com sanções econômicas e pressão para derrubar regime na Venezuela

5

O povo que fez do pinhão uma floresta

Pesquisa inédita revela que as matas de araucária do sul do Brasil foram plantadas por tribos Jês há mil anos; espécie está ameaçada de extinção

6

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

7

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

8

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

9

O pato perde a cabeça

Fiesp fica sem presidente e dois vices por causa da eleição; sindicatos industriais criticam partidarização e uso eleitoreiro de uma das mais ricas federações empresariais do Brasil

10

O bebê que liga o zika à cura de câncer

João Lucas conecta dois achados da medicina brasileira: o zika como causa da microcefalia, e o uso do mesmo vírus para destruir o câncer que mais mata crianças no mundo