esquina

Em nome do plástico

Um lobista no Vaticano

Paula Sperb
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2017

“O que você achou dessa resposta?”, perguntou o empresário Jaime Lorandi, sentado num café do Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, algumas horas antes de viajar para o Vaticano. Ele vinha repetindo a indagação a diversos interlocutores desde que recebeu uma carta improvável, assinada por ninguém menos que o papa Francisco. Cerca de 6 mil correspondências chegam semanalmente ao Sumo Pontífice. Por isso, Lorandi – um católico praticante de 56 anos – encarou o retorno papal como um pequeno milagre, ainda que as palavras do Santo Padre não lhe tenham agradado. O milagre, importante frisar, só se concretizou após muita persistência. Foram onze cartas enviadas à Cúria Romana pelo correio, sem nenhum feedback. O empresário decidiu, então, reclamar para o bispo. Deu certo.

Nascido em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha, Lorandi é amigo do bispo da cidade, o italiano Alessandro Ruffinoni. Como ministro da eucaristia, ajuda o sacerdote nas missas dominicais da catedral, entregando a hóstia aos fiéis durante a comunhão. Depois de ouvir os argumentos do empresário sobre o assunto que pretendia levar ao papa, Ruffinoni os considerou “lógicos e teológicos”. Mandou, assim, uma correspondência de próprio punho a Francisco, com a reivindicação do ajudante em anexo.

A resposta veio em maio de 2016. “Mas ficou muito vaga…”, reclamou Lorandi naquele sábado de novembro, enquanto aguardava seu voo. Ele iria tentar um encontro com o Santo Padre para botar tudo em pratos limpos.

 

Estudioso do catolicismo, o empresário conhece profundamente as encíclicas, documentos em que o papa expõe a opinião da Igreja sobre os mais variados assuntos: da fé à ciência, dos costumes à economia. Em 2015, Francisco lançou a Laudato Si’, que ataca o consumismo e defende a preservação do meio ambiente. “É uma encíclica maravilhosa, excelente, coerente”, elogiou Lorandi, antes de revelar que “uma frasezinha” do texto o aborreceu. Encontra-se no parágrafo 211 – ao todo, são 246. O trecho incentiva comportamentos ecologicamente corretos, como “evitar o uso de plástico e papel, reduzir o consumo de água, diferenciar o lixo, cozinhar apenas aquilo que razoavelmente se poderá comer, tratar com desvelo os outros seres vivos, servir-se dos transportes públicos ou partilhar o mesmo veículo com várias pessoas, plantar árvores, apagar as luzes desnecessárias…”.

“Epa!”, exclamou o empresário no aeroporto, tão logo mencionou a primeira das recomendações papais. “Evitar?! Não é uma boa palavra.” Presidente reeleito do Simplás – Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Nordeste Gaúcho –, Lorandi tem motivos óbvios para se incomodar com o verbo. “Evitar significa negar, afastar-se de algo que é mau. Tipo ‘Evite o fumo’, ‘Evite fumar’. Dá a entender que o plástico é ruim.” Para ele, ruins são as pessoas que utilizam erroneamente o material. “Plástico polui? Não! Quem polui somos nós, seres humanos! Quando vejo toneladas de garrafas PET descartadas no mar, penso que poderíamos reciclar toda aquela matéria-prima. Se o fizéssemos, não precisaríamos extrair tanto petróleo, por exemplo.”

Com a repercussão negativa da encíclica no Simplás, o empresário resolveu redigir um artigo explicando que o plástico beneficia especialmente as classes mais baixas porque barateia a embalagem de inúmeros produtos. Ele chegou a afirmar que a “sacolinha plástica” é o “símbolo dos pobres” enquanto o ouro representa os ricos.

O texto provocou certo burburinho entre os associados do sindicato, o que motivou Lorandi a escrever ao pontífice. Na carta em português, ousou questionar um dogma da Igreja, a infalibilidade papal: “Santo Padre, sei que, na confecção de uma encíclica, Vossa Santidade cerca-se de muitas pessoas altamente qualificadas sobre o assunto a ser abordado. Porém, ao cercar-se de muitas pessoas de diferentes especialidades, é humanamente compreensível reconhecer que algumas expressões podem gerar diferentes entendimentos, incompreensões ou até divergências.” Num segundo momento de audácia, o missivista propôs que Francisco modificasse a Laudato Si’, fato sem precedentes na história. “Uma sugestão que faço respeitosamente como contribuição, a qual julgo ser coerente com o humanismo […] contido na Encíclica, é: no lugar de ‘evitar o uso de material plástico e papel’, colocar ‘reduzir o consumo de todos os materiais e dar destino correto aos materiais descartados, para serem reciclados e reutilizados’.”

 

Nove meses depois de remeter a primeira das cartas ao Vaticano, o empresário recebeu um telefonema do bispo Ruffinoni: “Vem aqui. Tenho uma surpresa para ti.” O papa finalmente dera sinal de vida. Na breve réplica, Francisco afirmava que o parágrafo 211 “tem de ser interpretado como um exemplo de comportamento responsável e aplicado com bom senso”. O Santo Padre também mandava uma “bênção apostólica” para o gaúcho. “O que você achou dessa resposta?”, indagou o destinatário ao bispo, sem imaginar que ainda repetiria a pergunta infinitas vezes. “É… Está um tanto subjetiva”, avaliou Ruffinoni.

Quando já pensava em entregar os pontos, Lorandi vislumbrou a oportunidade de encontrar o pontífice. No dia 17 de novembro de 2016, o papa falaria em Roma com 468 empresários cristãos do mundo inteiro, entre eles vinte brasileiros. O gaúcho mexeu os pauzinhos e arranjou uma vaga na audiência.

 

Mal retornou ao Brasil, Jaime Lorandi contou, na sede do Simplás, que conseguiu ficar a 15 metros de Francisco durante a reunião. Aos presentes, o Santo Padre enfatizou que deveriam se esforçar para “tornar os bens deste mundo mais acessíveis a todos”. “Bingo!”, pensou o presidente do sindicato. “O plástico ajuda muitíssimo a tornar os bens mais acessíveis, já que os barateia.” Parecia um sinal de que o gaúcho atingiria seu objetivo.

Só que não. Ele e o papa nem sequer trocaram um boa-tarde. Quem atendeu Lorandi foi um monsenhor, responsável por “assuntos civis” no Vaticano. Após conversarem, o empresário concluiu que havia recebido outra missão. “Apesar de ter lógica, minha carta expressa uma posição pessoal. Preciso atrair mais gente para a causa e alcançar um consenso mundial.” Sem perder a fé, já iniciou contatos com entidades brasileiras e latino-americanas que se ocupam do plástico. “É uma tarefa hercúlea, mas…”

Paula Sperb

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty