vultos da República

Estranhos no ninho

Guerra no PSDB compromete as ambições 
presidenciais de Geraldo Alckmin

Consuelo Dieguez
Ressentimentos mútuos se avolumaram entre Geraldo Alckmin e João Doria. O ex-governador de São Paulo Alberto Goldman, da ala histórica do PSDB, classificou Doria de “fascistoide”: “Ele é uma farsa. Acabou se revelando um mau gestor e um político que utiliza as práticas mais abomináveis”
Ressentimentos mútuos se avolumaram entre Geraldo Alckmin e João Doria. O ex-governador de São Paulo Alberto Goldman, da ala histórica do PSDB, classificou Doria de “fascistoide”: “Ele é uma farsa. Acabou se revelando um mau gestor e um político que utiliza as práticas mais abomináveis” FOTO: DIEGO PADGURSCHI_FOLHAPRESS

No seu último dia como governador de São Paulo, Geraldo Alckmin olhou distraidamente pela janela de seu gabinete, no Palácio dos Bandeirantes, e, sem demonstrar emoção, comentou em voz baixa: “Passei os últimos oito anos nesta sala.” Voltou a vista para o ambiente, decorado com móveis escuros e pesados, e continuou sua digressão, em tom monótono: “Na verdade foram vinte anos no total, contando desde a primeira vez que entrei aqui como vice-governador, em janeiro de 1995, quando fiquei por seis anos. Depois, mais seis como governador e, novamente, mais oito, de 2010 até agora. Se acharem alguém com mais tempo que eu nessa cadeira, me falem”, disse, reconhecendo na longevidade um grande acontecimento.

Geraldo Alckmin é, incontestavelmente, o mais longevo ocupante do Palácio dos Bandeirantes, sempre pelo PSDB, partido que por quase um quarto de século governou o estado de São Paulo. Naquela sexta-feira, 6 de abril, ele se despedia do posto, nove meses antes da conclusão do mandato, para entrar na disputa por outra cadeira – a de presidente da República, no Palácio do Planalto, de onde o PSDB está apartado há quinze anos. Será a segunda vez que ele se lança na empreitada. Quando debutou, nas eleições de 2006, foi derrotado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que concorria à reeleição.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Consuelo Dieguez

Consuelo Dieguez, repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #14: O ventríloquo de Haddad, a sucessão no Rio e o primeiro-ministro de Bolsonaro

O podcast de política da piauí debate os desdobramentos mais recentes da corrida eleitoral

O Animal Cordial – horas de desespero em noite de cão

Para crítico, a violência extrema anula os propósitos libertários almejados pelo longa

Muito Deus, pouca mulher

Uma análise visual dos programas de governo dos candidatos a presidente

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

Produtor de soja do MS é autor de “outdoor rural” pró-Bolsonaro

Projeto Comprova descobriu quem é o responsável pela imagem que viralizou e circula na internet desde o ano passado

A culpa do alto clero

Arranjo institucional do país aumenta a influência do dinheiro na política

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

Maria vai com as outras #6: Lugar de homem

Adinaildes Gomes, dona de uma empresa de construção civil e motorista de aplicativo, e Karla de Souza, vigilante patrimonial, contam como é atuar em profissões historicamente masculinas

O medo e o mito

A relação entre Bolsonaro e um hit do axé

Mais textos
1

Alexandre, o Grande

Lembranças de uma vida inimitável

2

O debate traduzido para o mercado financeiro

Em pesquisa para bancos, Ciro foi apontado como o candidato mais simpático, e Bolsonaro, o mais alvejado; piauí acompanhou o programa em consultoria que monitora redes sociais para as instituições

3

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

4

A morte de um “X-9” ameaça a paz de Marcola no PCC

Galo Cego era considerado um traidor por parte da facção; foi a quinta morte na guerra interna do “partido”

5

A guerra do PCC

Facção se internacionaliza com tráfico de cocaína, e pela primeira vez Marcola vê seu poder ameaçado

6

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

7

No sofá, com a crise

Desempregados passam a lavar carros em ruas do Rio e serviço conta até com sofá para os clientes. Um deles pergunta: “Prefere que eu assalte?”

9

Com Deus, sem Lula

Impressões sobre o primeiro debate dos presidenciáveis

10

Dívida milionária, tortura psicológica e chacina sem tiros intrigam polícia

Em Santa Catarina, família é assassinada com uso de técnica de asfixia química até então desconhecida por investigadores