esquina

Golden boy

Um novato na Câmara do Rio

Malu Gaspar
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

“Moço, vamos fechar. Você pode ir embora. A sessão acabou”, disse o segurança da Câmara Municipal do Rio de Janeiro em meados de outubro, cutucando as costas de Leandro Lyra. O rapaz de 24 anos, óculos e cabelos curtos se encontrava no fundo do plenário. Absorto, destrinchava a lei orgânica do município e as 700 páginas que compõem o regimento interno da Casa. Chegara logo depois do almoço para visitar o local onde vai trabalhar a partir de janeiro. Dias antes, ao receber 29 217 votos, tornara-se o décimo vereador mais votado da cidade, embora sem nenhuma experiência política, e o mais jovem da próxima legislatura. Também virou estrela do Partido Novo, que disputou sua primeira eleição. Registrada em setembro de 2015, a legenda propaga ideias tipicamente liberais, como redução do Estado e maior eficiência na gestão pública.

Lyra se mostrava ansioso para conhecer os atuais parlamentares e entender o funcionamento da Câmara. Mas a sessão foi morna. Aprovaram-se apenas umas homenagens e proferiram-se uns poucos discursos. Os mais ruidosos partiram de vereadores ligados à comunidade judaica, que protestavam contra uma nota do PSOL. A sigla de esquerda tachava de genocida o ex-primeiro-ministro de Israel Shimon Peres.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Malu Gaspar

Repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

No rastro da Covid-19

Como duas cidades brasileiras aplicam a metodologia do contact tracing para reconstituir o percurso do vírus e reduzir o contágio

A irreverência contra o ódio

Comediante alerta para a máquina de disseminação de mentiras na internet

Brasil precisa de um SUS no transporte público

Ônibus e trens ficaram ainda mais cheios na pandemia; contágio entre os mais pobres escancara abismo social no país

A Terra é redonda: Depois da pandemia

Especialistas discutem como ficam a saúde mental, a luta contra o racismo, a vigilância e a confiança na ciência no mundo pós-coronavírus

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

3

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

4

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

5

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

6

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

8

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

9

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

10

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados